Portal O Debate
Grupo WhatsApp

“Os bem-comportados podem sair”

“Os bem-comportados podem sair”

26/04/2022 Humberto Pinho da Silva

Havia na empresa onde trabalhei quase quarenta anos, o costume, enraizado na tradição, de não abandonar o local de trabalho, sem o chefe do departamento, dizer: “Podem sair!”

Ora, após a “Revolução dos Cravos”, muitos camaradas, confundindo liberdade com falta de educação, logo que os ponteiros do relógio indicavam a hora da saída, vestiam os casacos e debandavam, sem aguardarem a tradicional ordem.

Desconheço o que se passava noutros departamentos, no meu, o chefe – que gostava de falar bonito, – vendo a balbúrdia e sentindo-se inerme, passou a dizer no final do serviço: “Os bem-comportados podem sair…”

Passaram-se mais de quarenta anos, hoje, ao ver: carros estacionados nos passeios, peões e automobilistas a desrespeitarem semáforos e desrespeitos constantes às autoridades, fico a cogitar, de mim para mim: as leis, os deveres, são só para os: “bem-comportados”.

Quem é cumpridor, leal e respeitador é taxado, normalmente, por lorpa. Como se ser educado, cumpridor e respeitador, fosse defeito. Defeito que pode levar os íntegros a Rilhafoles.

Estando a conversar com amigo sobre o assunto, este saiu-se com boa: na sua firma há trabalhadores respeitadores e honestos, mas também serelepes provocadores, que geram conflitos e desestabilizam.

Estes, raras vezes são repreendidos, nem sofrem processos disciplinares. Todavia, quando o respeitador realiza infração, é-lhe aplicado castigo severo.

Perguntei-lhe atónito: Por que não lhe relevam a falta? Mas fiquei varado ao escutar: - “Dizem que é para servir de exemplo para os indisciplinados!…”

Conclui-se: nos tempos que correm, ser bom, obediente e educado, não só passou de moda, como passou a ser defeito crasso. Assim caminha o mundo, com sociedade que inverteu valores.

* Humberto Pinho da Silva

Para mais informações sobre educação clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!



Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.


Uma carta à Elon Musk

O homem mais rico do mundo, Elon Musk, acaba de chegar a um acordo para adquirir uma das redes sociais mais importantes do mundo, o Twitter, por US$ 44 bilhões.


Liberdade de expressão: lembrança do passado recente

Na manhã do dia 19 de agosto de 1968, tropas da polícia e do Exército invadiram a Universidade de Brasília, agredindo violentamente vários estudantes dentro das salas de aula.


Mitos sobre a recuperação judicial

Criou-se uma verdadeira quimera quando o tema é recuperação judicial e o objetivo deste artigo é desmistificar alguns dos mitos sobre esse instituto.


Quem vive em união estável tem direito à pensão por morte?

A pensão por morte é um benefício do INSS destinado aos dependentes de um segurado quando o instituidor faleceu.


O que a inveja desperta em você?

Inveja é um sentimento de natureza humana que se caracteriza por ódio ou rancor em relação a algo de bom que o outro tem, e você não.


Dados sobre religião entre jovens nos USA

As religiões cristãs no ocidente têm motivos para preocupação diante de um crescente número de ‘sem religião’ entre as novas gerações.


Tecnologia e EPIs

Áudio e vídeo inteligente para a segurança de colaboradores de infraestrutura crítica.


Dia Mundial do DNA: o que a data representa para a medicina?

No ano de 1953, os cientistas James Watson, Francis Crick, Maurice Wilkins, Rosalind Franklin e outros colegas publicaram artigos na revista Nature com o objetivo de desvendar a estrutura da molécula de DNA.