Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Os caminhos para uma eventual condenação do ex-presidente Lula

Os caminhos para uma eventual condenação do ex-presidente Lula

22/09/2016 Marcelo Gurjão Silveira Aith

A conduta do MPF na força-tarefa da Operação Lava-Jato foi deplorável, indigna da magnitude e importância da instituição

Após o show pirotécnico do Ministério Público Federal na apresentação da acusação contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sua esposa Marisa Letícia e outros seis acusados, o juiz federal Sergio Moro recebeu a denúncia contra Lula da Silva pela prática, em tese, dos crimes de lavagem de direito e corrupção passiva.

Vale ressaltar que, inicialmente, a conduta do MPF na força-tarefa da Operação Lava-Jato foi deplorável, indigna da magnitude e importância da instituição. Com o recebimento da denúncia, agora, tem-se início a ação penal, sendo certo que o ex-presidente e os demais réus terão o prazo de 10 dias para apresentar a defesa escrita.

Após a apresentação da defesa escrita, o juiz Sergio Moro examinará as alegações e decidirá pelo prosseguimento ou não da ação penal. Decidindo pelo prosseguimento, haverá audiência de instrução e julgamento, momento em que serão ouvidas as testemunhas de acusação a de defesa e, por fim, o interrogatório dos réus.

Considerando a complexidade da demanda, o juiz abrirá para alegações finais e em seguida proferirá sentença. Tendo em vista as outras ações que tramitaram no juízo federal de Curitiba, sob a presidência do juiz Sergio Moro, a presente demanda será julgada rapidamente, um risco ao devido processo legal.

Possivelmente até o final do ano já se tenha o julgamento de primeira instância pela ânsia punitiva do Ministério Público e da comoção popular. E até meados de 2017, um julgamento em segunda instância pode incriminar o ex-presidente e o tornar inelegível para as eleições de 2018.

O ex-presidente poderá ficar inelegível nos termos do artigo 1º, inciso I, alínea “e”, da Lei Complementar 64/90, que prevê a inelegibilidade para os crimes contra a administração e lavagem de dinheiro, após o julgamento em segunda instância.

O Brasil vive um momento perigoso para o estado democrático de direito, com prisões cautelares sem fundamentação e necessidade, desrespeitando os requisitos constitucionais e legais para tal medida. Isso não se restringe a Operação Lava Jato.

Na Operação Lázaro houve inúmeras prisões temporárias desnecessárias, as quais poderiam ser substituídas por busca e apreensão e eventual condução coercitiva. Esta prática está se tornando a regras e contrariando importantes textos legais como a Constituição Federal e o Código de Processo Penal. Importante frisar que não se pode admitir que o clamor popular por justiça subverta as regras constitucionais e se instale no país um Estado Policialesco.

* Marcelo Gurjão Silveira Aith é advogado especialista em Direito Público e Eleitoral e sócio do escritório Aith Advocacia.



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa