Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Os dados estão maiores… e mais inteligentes!

Os dados estão maiores… e mais inteligentes!

13/06/2022 Maria Cristina Diez

Ter um banco de dados próprio sempre foi um recurso valioso para qualquer empresa.

É lá que o gerenciador responsável por sua interpretação consegue extrair informações precisas que indicam o caminho por onde a empresa deve trilhar.

Mas há um processo em evolução que está tornando os bancos de dados cada vez mais intensos e comunicativos, convertendo-os em subsídios ainda mais poderosos para o universo corporativo.

Há pouco tempo, manusear um banco de dados significava trabalhar com uma quantidade considerável de informações, mas que exigiam um trabalho acurado para converter os números aparentemente aleatórios em fontes de estratégias para os gestores.

Por isso, os profissionais em regra eram quase que exclusivamente especialistas em TI, altamente capacitados em processamento de dados e em gestão.

Hoje esse tipo de manuseio se expandiu e os próprios sistemas converteram-se em ferramentas mais simples e, portanto, mais compreensíveis ao uso irrestrito de outros profissionais.

A revolução digital permitiu o acesso mais fácil a esses bancos, que vêm ganhando upgrades importantes nos últimos anos: o fluxo de informações é mais intenso e atualizado, e oferece insights que os tornam mais ativos no processo de decisão das corporações.

Esse avanço vem fazendo o business intelligence (BI), antes passivo e restrito “somente” ao monitoramento, à coleta e, em último caso, ao cruzamento de dados, evoluir a ponto de dar respostas imperativas em suas interpretações.

Não por acaso, esse tipo de inteligência artificial (IA) vem sendo chamada de inteligência ativa, pois tem como peculiaridade sua capacidade de fornecer em tempo real informações com poder de nortear alguns passos estratégicos.

Esses comandos são dados não necessariamente por intermédio da cognição humana, mas por meio de automações programadas para identificar e responder com comandos importantes determinadas conjunturas.

Desta forma, podemos antever um futuro em que as decisões empresariais sejam conduzidas por uma inteligência duplamente ativa, visto que poderá dominar gradativamente os processos por meio de ferramentas de machine learning, tornando ainda mais eficazes suas respostas diante de um cenário apresentado pelos dados.

As primeiras grandes experiências desse processo sugerem uma combinação de métricas que analisam dados históricos e atuais, indicando uma evolução que permite uma leitura mais pontual.

O disparo dessas ações mostra, portanto, que a própria forma adotada pelas empresas de interagir e de aprimorar as experiências do seu público-alvo pode ser determinada por tecnologias que tendem a avançar ainda mais nos próximos anos.

É um sinal evidente de que uma nova forma de gestão também promete nascer e invadir as empresas. E só sobreviverá quem estiver mais preparado e aberto a essas transformações, inclusive aos “conselhos” das máquinas.

* Maria Cristina Diez é diretora comercial e de marketing da Most Specialist Technologies.

Para mais informações sobre dados clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Falar em público não é um bicho de sete cabeças

Em todos os momentos de nossa vida, precisamos nos “vender” e apresentar o melhor de nós e de nossas ideias, seja para nossos familiares e amigos, seja para nossos colegas de trabalho, clientes ou mesmo líderes.


Shows milionários, circo no lugar de pão ao povo

O emprego de quantias milionárias de dinheiro público na contratação de artistas para a atração e agrado do público em ano eleitoral é um disparate e verdadeiro crime contra a população que sofre com a falta de serviços e recursos básicos de obrigação dos governos.


O que fazer para tornar uma empresa franqueadora

O processo de franquia de uma empresa nem sempre começa da forma correta.


A Justiça Eleitoral é confiável?

As polêmicas levantadas pelo presidente da República e seus correlegionários sobre o processo eleitoral têm sido constantes, e acabam por criar em uma parcela da população um clima de incerteza sobre a confiabilidade das eleições e das instituições envolvidas.


A revolução do mercado não dá opções: ou muda ou morre!

Com o perdão da força de expressão no título deste artigo, é preciso dizer que ele traz mais verdades do que excessos. O mercado mudou radicalmente.


Polícia x Criminalidade

Novamente assistimos pelos jornais de todo o país e nas redes sociais, a nova operação da Polícia Militar (PM) do Rio de Janeiro que resultou na morte de 12 pessoas e um policial ferido no olho por estilhaços.


Efeito pandemia: mercado de seguros é alvo da catalização da transformação digital

A pandemia da COVID-19 acelerou novos movimentos de migração de consumidores para o universo online, gerando um salto catalizador para a transformação digital.


Sic transit gloria mundi: o ex-juiz virou réu

Sic transit gloria mundi (toda glória no mundo é transitória), era utilizada no ritual das cerimônias da coroação papal até 1963.


Os riscos do homeschooling para a educação básica no Brasil

O homeschooling ou ensino domiciliar é uma modalidade que se pretende aplicar na educação básica do Brasil.


O futuro já não dura tanto tempo

A situação vivida por uma mulher que, em franco surto psicótico, foi encontrada por seu companheiro mantendo relações sexuais com um homem que vive em situação de rua, dentro de um carro, espalhou-se pelas redes sociais.



Osteopatia: Técnica de medicina complementar é tendência para auto-reparação

A Osteopatia é um método de avaliação e tratamento que busca restabelecer a função da estrutura compreendendo todos os sistemas do corpo sem a utilização de remédios ou intervenção cirúrgica.