Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Os desafios de ser mulher em 2021

Os desafios de ser mulher em 2021

03/03/2021 Maria Inês Vasconcelos

Ser mulher em 2021 é desafiador. A trade off entre a maternidade e carreira tornou-se mais pesada.

E a Covid-19 agudizou tudo. Estamos submetidas a tantas exigências novas, a tantos imprevistos que não temos mais tempo de conviver com uma parte nossa.

Falo aqui da convivência com o feminino. Com o a doçura de ser mulher. A vida etiquetou tanta coisa que não nos tem sobrado tempo para o esmalte, os cachinhos e o pó compacto.

Imagina o resto? Aquele restinho de trivialidades que compunha-se também de cuidar da beleza, de escolher um creme novo, um vestido sensual, sexo, e outras doçuras.

O mundo deu voltas e estamos agora compactadas, prensadas, espremidas entre várias paredes. São tantos esforços para tudo dar certo, que o medo quase toma conta. Pensamos em fuga.

Mas me deixa falar uma coisa, antes que pareça outra. Se a vida tirou retóricas; e muitos outros temas da agenda, trouxe também outros e até uma nova voz que agora sabemos escutar: estamos menos egoístas.

Do isolamento que nos segregava; saímos menos isoladas; muito mais próximas umas das outras e de quem, pode de alguma forma, nos socorrer.

Aliás, todas nós pedimos socorro. Foi necessário. Casadas, solteiras, com ou sem filhos, as mulheres de alguma forma se ajudaram e redescobriram bem a dor e a delícia de ser o que é.

A dor, que é grande, está nessa vida cada vez menos analógica. Nessas escolas fechadas, nas crianças que não param de jogar videogame, nestes meninos que não andam mais de bicicleta e nas nossas meninas que só querem dançar no Tik Tok.

Todas essas novas metáforas criadas para nossas crianças. Sofremos quando vemos que o quintal ficou desinteressante. Estamos aflitas no papel de mãe.

Mas não é só a maternidade, o casamento ficou pesado porque não há espaço para drenar conflitos que sacrificam o romance.

A paciência é curta e o cansaço enorme. As máscaras criam um sufoco impedindo um comportamento mais espontâneo em todo lugar.

Os desafios chegam como chuva, mas já os consideramos mais superáveis, pois temos agora nova capacitação: a habilidade de mudar e decidir tudo mais rápido.

Estamos muito menos engessadas. E aqui abro um parêntesis numa prosa nada machista. O machismo aliás, vem se recolhendo, porque a mulher torna-se menos subserviente a cada dia.

Somos mais flexíveis. Geramos e amamentamos nossos filhotes, ainda que o homem seja o forte da história.

Elasticidade? – Eles não têm! E aqui, me perdoem, eles também não fazem duas coisas ao mesmo tempo e nós fazemos dez. 

Falava de dor e de delícia. Do Caetano Veloso. As delícias estão nas descobertas. Uma série de verbos que estavam guardados embaixo da prateleira subiram de posição. Compartilhar, somar, dividir e emprestar, cuidar das outras. Passamos a nos reconhecer.

Houve sim, o desenvolver de um novo código cultural, em que a associação feminina ganhou destaque. Nasceu um ativismo em termo de amizade entre as mulheres. Quase uma forma de resistência organizada.

Sabemos que o vento pode continuar a soprar trazendo obrigações, alterações no cotidiano e stress. Que o amor anda meio de lado. Mas o vento não sopra para quem não sabe para onde quer ir.

E nós estamos decididas como criança que briga por um pirulito a caminhar umas com as outras. Temos um sentido, que chamo de sentido de ligação, onde não há espaço para omissão e ausências.

Estamos juntas. A hashtag (#) é uma pelas outras. Saímos da insuficiência para uma vida mais farta de afeto. Não pisamos mais o mesmo chão. A outra se tornou importante.

* Maria Inês Vasconcelos é advogada, pesquisadora, professora universitária e escritora.

Para mais informações sobre mulher clique aqui…

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Quais os sintomas da candidíase?

A candidíase é uma infecção causada por uma levedura (um tipo de fungo) chamada Candida albicans.


Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.


Investimentos registram captação de R$ 46 bi no primeiro trimestre

O segmento de fundos de investimentos fechou o primeiro trimestre de 2022 com absorção líquida de R$ 46,1 bilhões, movimentação de 56,9% menor do que o observado no mesmo período de 2021.


Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.


Uma carta à Elon Musk

O homem mais rico do mundo, Elon Musk, acaba de chegar a um acordo para adquirir uma das redes sociais mais importantes do mundo, o Twitter, por US$ 44 bilhões.


Liberdade de expressão: lembrança do passado recente

Na manhã do dia 19 de agosto de 1968, tropas da polícia e do Exército invadiram a Universidade de Brasília, agredindo violentamente vários estudantes dentro das salas de aula.


Mitos sobre a recuperação judicial

Criou-se uma verdadeira quimera quando o tema é recuperação judicial e o objetivo deste artigo é desmistificar alguns dos mitos sobre esse instituto.