Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Os desafios de ser mulher em 2021

Os desafios de ser mulher em 2021

03/03/2021 Maria Inês Vasconcelos

Ser mulher em 2021 é desafiador. A trade off entre a maternidade e carreira tornou-se mais pesada.

E a Covid-19 agudizou tudo. Estamos submetidas a tantas exigências novas, a tantos imprevistos que não temos mais tempo de conviver com uma parte nossa.

Falo aqui da convivência com o feminino. Com o a doçura de ser mulher. A vida etiquetou tanta coisa que não nos tem sobrado tempo para o esmalte, os cachinhos e o pó compacto.

Imagina o resto? Aquele restinho de trivialidades que compunha-se também de cuidar da beleza, de escolher um creme novo, um vestido sensual, sexo, e outras doçuras.

O mundo deu voltas e estamos agora compactadas, prensadas, espremidas entre várias paredes. São tantos esforços para tudo dar certo, que o medo quase toma conta. Pensamos em fuga.

Mas me deixa falar uma coisa, antes que pareça outra. Se a vida tirou retóricas; e muitos outros temas da agenda, trouxe também outros e até uma nova voz que agora sabemos escutar: estamos menos egoístas.

Do isolamento que nos segregava; saímos menos isoladas; muito mais próximas umas das outras e de quem, pode de alguma forma, nos socorrer.

Aliás, todas nós pedimos socorro. Foi necessário. Casadas, solteiras, com ou sem filhos, as mulheres de alguma forma se ajudaram e redescobriram bem a dor e a delícia de ser o que é.

A dor, que é grande, está nessa vida cada vez menos analógica. Nessas escolas fechadas, nas crianças que não param de jogar videogame, nestes meninos que não andam mais de bicicleta e nas nossas meninas que só querem dançar no Tik Tok.

Todas essas novas metáforas criadas para nossas crianças. Sofremos quando vemos que o quintal ficou desinteressante. Estamos aflitas no papel de mãe.

Mas não é só a maternidade, o casamento ficou pesado porque não há espaço para drenar conflitos que sacrificam o romance.

A paciência é curta e o cansaço enorme. As máscaras criam um sufoco impedindo um comportamento mais espontâneo em todo lugar.

Os desafios chegam como chuva, mas já os consideramos mais superáveis, pois temos agora nova capacitação: a habilidade de mudar e decidir tudo mais rápido.

Estamos muito menos engessadas. E aqui abro um parêntesis numa prosa nada machista. O machismo aliás, vem se recolhendo, porque a mulher torna-se menos subserviente a cada dia.

Somos mais flexíveis. Geramos e amamentamos nossos filhotes, ainda que o homem seja o forte da história.

Elasticidade? – Eles não têm! E aqui, me perdoem, eles também não fazem duas coisas ao mesmo tempo e nós fazemos dez. 

Falava de dor e de delícia. Do Caetano Veloso. As delícias estão nas descobertas. Uma série de verbos que estavam guardados embaixo da prateleira subiram de posição. Compartilhar, somar, dividir e emprestar, cuidar das outras. Passamos a nos reconhecer.

Houve sim, o desenvolver de um novo código cultural, em que a associação feminina ganhou destaque. Nasceu um ativismo em termo de amizade entre as mulheres. Quase uma forma de resistência organizada.

Sabemos que o vento pode continuar a soprar trazendo obrigações, alterações no cotidiano e stress. Que o amor anda meio de lado. Mas o vento não sopra para quem não sabe para onde quer ir.

E nós estamos decididas como criança que briga por um pirulito a caminhar umas com as outras. Temos um sentido, que chamo de sentido de ligação, onde não há espaço para omissão e ausências.

Estamos juntas. A hashtag (#) é uma pelas outras. Saímos da insuficiência para uma vida mais farta de afeto. Não pisamos mais o mesmo chão. A outra se tornou importante.

* Maria Inês Vasconcelos é advogada, pesquisadora, professora universitária e escritora.

Para mais informações sobre mulher clique aqui…

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Nexialista: o profissional plural do futuro ou de hoje?

Que o mercado de trabalho tem se transformado de forma cada vez mais acelerada, e o nível de exigência por profissionais talentosos é crescente dentro das empresas, todo mundo já sabe; não é verdade?


Onde a geração Z investe

O último Anuário de Retorno de Investimentos Globais do Credit Suisse, entre outras coisas, apresenta um raio-x de alternativas de financiamento para a Geração Z, aqueles que nasceram entre 1995 e 2000.


A CPI pariu um rato

Fosse hoje vivo, é o que Horácio, o pensador satírico romano diria sobre a CPI da Covid.


Como identificar um ingresso falso?

Com recorrência vemos reportagens abordando diferentes fraudes e golpes que aparecem no mercado.


A primeira visita de D. Pedro a Vítor Hugo

O livro: "Vitor Hugo chez lui", inclui a curiosa visita, realizada pelo Imperador, a 22 de Maio de 1877, ao célebre poeta.


São Frei Galvão, ‘Homem de paz e caridade’

A Igreja celebra, em 25 de outubro, a Festa de Santo Antônio de Sant’Anna Galvão, que na devoção popular é conhecido como “São Frei Galvão”.


CPI da Covid desviou-se e não sabe como terminar

Chegamos ao cume da montanha de inconveniências que povoam o cenário contemporâneo da política brasileira.


Sentimentos e emoções provocadas pela série “ROUND 6”

Nas últimas semanas estamos vivenciando uma série de críticas, comentários, “spoilers” e reflexões sobre a série sul-coreana de maior sucesso da plataforma Netflix: “Squid Game” ou “Round 6”.


Perdas e ganhos dos médicos “filhos” da pandemia

A maioria das situações com as quais nos deparamos na vida tem dois lados. Ou, até, mais de dois.


Defensoria Pública da União x Conselho Federal de Medicina

A Defensoria Pública da União (DPU) ajuizou Ação Civil Pública contra o Conselho Federal de Medicina (CFM), objetivando a condenação por danos morais coletivos no importe, pasmem senhores leitores, não inferior a R$ 60.000.000.00 (sessenta milhões de reais).


Diálogo em vez de justiça

Viver felizes para sempre parece ser um privilégio exclusivo dos casais formados nos contos de fadas.


Salvar a dignidade também é salvar a vida

Quando recebemos o diagnóstico de uma doença grave, crônica ou que ameace a vida, muita coisa muda.