Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Os desafios nos fazem crescer

Os desafios nos fazem crescer

12/08/2016 Júlio Correia Neto

O momento em que o Brasil está passando deveria ser usado para se repensar sobre a trajetória usada.

Na verdade, é preciso repensar sobre as escolhas que deveriam ter sido feitas antes e percepções que deveriam ter acontecido com mais antecedência.

Por isso que é preciso refletir sobre novas alternativas para a vida e para a carreira, analisando sempre novos caminhos a serem trilhados. A grande maioria das pessoas tem pavor de mudanças.

Vivem inertes e alienadas em uma profunda zona de conforto. Sinto isso diariamente dentro das corporações, desde a implantação de um sistema de gestão (ERP) a práticas motivacionais que aumentam produtividade.

Porém, falta no país a cultura da organização, do planejamento, do olhar para a frente e do ir a fundo nos fatos. Nos momentos de euforia, as ineficiências e limitações não aparecem tão facilmente.

Todavia, nos momentos de crise, é que vemos ‘quem realmente é bom de bola’. O desemprego e o desespero de muitos refletem escolhas fantasiosas e na entrega do controle da vida a terceiros.

Essas pessoas deixam a sua liberdade de escolha escorregar pelas mãos. Vão-se oportunidades e, consequentemente, sonhos. O pior disso tudo: ficam depois colocando a culpa no outro, no sistema, nas empresas.

A trajetória é árdua em nosso país, pois vejo uma juventude que vem sendo criada para se “acharem os maiorais”. Ganham seu primeiro milhão antes dos 30 anos e se acham o máximo.

Salvo raras exceções, acreditam que tudo sabem e que tudo podem. Porém, as adversidades sempre surgem para questionar nossas habilidades. Mesmo com a experiência, muitos profissionais enfrentam coisas ruins e reveses, imagina sem a boa experiência?

Por esse motivo, em pouco tempo, muitos deles ficam doentes, depressivos, angustiados e desiludidos diante das primeiras barreiras da vida. Eles não repararam que foram usados e agora serão muito cedo descartados. Novos tempos estão chegando.

Precisamos estar abertos, atentos e sem acomodação para abraçar o novo. As pessoas precisam compreender que os desafios nos fazem crescer. Não podemos viver no comodismo. Não é o consumo dos supérfluos que nos faz evoluir.

Não são as viagens para lugares da moda que nos fazem conhecer o mundo. São as experiências. Precisamos sempre possibilitar vivenciar momentos e situações diferentes.

Temos de ter coragem de desafiar o medo e, com pé no chão, abraçando os desafios que a vida nos impõe. O covarde não cresce. O sucesso está disponível para os corajosos e para todos que se dispõe a transformação, a inovação, ao diferente.

* Júlio Correia Neto é coach e gestor de mudanças.



Woody Allen e Dylan Farrow

A possível síndrome de falsas memórias.


A CPMF e a saída do seu autor

A CPMF foi mal porque, em vez de substituir outros impostos, constituiu-se em mais um.


CPMF: o que foi e como poderá ressurgir na reforma tributária

O Imposto sobre Transações Financeiras (ITF) poderá ser a recriação antiga CPMF.


O Brasil e a agropecuária sustentável

A pecuária brasileira tem se pautado ao longo dos anos pela sustentabilidade em toda cadeia produtiva e pela qualidade e segurança dos alimentos.


“Tô de férias, cadeia é férias pra mim”

É uma vergonha que delinquentes ainda venham desdenhar do sistema carcerário e das autoridades penais.


Locações de curta temporada em aplicativos

Saiba os direitos e deveres da propriedade imobiliária.


O Século das Cidades

“Não somos melhores, nem piores, somos iguais… melhor mesmo é a nossa causa…” (Thiago Mello)


Hollywood e o mundo real

Uma abordagem psiquiátrica do filme Gente como a Gente.


A liderança feminina e seus potenciais

Companhias que possuem, pelo menos, uma mulher em seu time de executivos são mais lucrativas.


A bolsa brasileira é a bola da vez

O ano de 2019 tem sido de recordes para o investidor brasileiro.


Dia do Profissional de Educação Física

No dia 1º de setembro é comemorado o dia do profissional que promove a saúde e a qualidade de vida da população, o profissional de educação física.


A complexidade do saneamento

O Congresso Nacional tem a grande missão de dar um rumo certo para o saneamento brasileiro.