Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Os limites e a liberdade na educação

Os limites e a liberdade na educação

26/10/2019 Flavio A. Sandi

Crianças precisam de limites, seja para a sua saúde e segurança, ou para ajudá-las a reconhecer os seus sentimentos.

Estabelecer regras não é uma tarefa fácil, mas integra parte essencial no processo de desenvolvimento infantil.

Quando estão diante de uma circunstância que pede limite, muitas vezes os pais não sabem ao certo como agir e podem se sentir inseguros sobre até onde ir para não agredir a autonomia dos filhos. Afinal, como equilibrar liberdade e limite?

Por um lado, é preciso orientar sobre possíveis perigos, como onde é seguro brincar, o que é bom comer e o que não é.

Por outro, é preciso lembrar que as crianças ainda não estão preparadas gerenciar os seus sentimentos sozinhas, por isso precisam da ajuda e da segurança dos adultos para orientá-las.

Isto é, mesmo que possa parecer que os filhos querem estar no controle, o que eles realmente precisam é de cuidadores com firmeza nas suas atitudes.

Pode ser muito assustador para uma criança não ter limites. Isso pode desencadear sensação de ansiedade e tendência a testar mais ainda os limites quanto mais os pais cedem ou hesitam em dizer não.

Estabelecer limites não significa impedir a autonomia e a liberdade dos filhos, muito menos agir com violência para conseguir o que se quer.

As crianças precisam de adultos confiantes, que ofereçam um ambiente seguro e estável. Elas precisam confiar que a família vai ajudá-la a compreender os seus sentimentos e auxiliá-la a encontrar maneiras construtivas de se expressar.

Encontrar o equilíbrio é o segredo para não ser muito autoritário ou permissivo demais com os filhos. Para conseguir encontrar a constância no cotidiano com as crianças, é preciso tomar cuidado para não pecar pelos extremos, lembrando que todas as decisões que tomamos têm consequências.

Quando somos rígidos em excesso, a criança poderá ser mais revoltada. Por outro lado, a permissividade em demasia pode gerar filhos ansiosos, já que a falta de regras pode fazer com que a criança se sinta perdida.

É preciso lembrar que dizer não para o filho não é traumático, muito pelo contrário. Ensinar até onde pode ou não pode ir faz parte da criação das crianças e é um ensinamento que deve ser passado pela família.

Com limites claros, ela vai se ajustar e se sentir mais segura para explorar as suas possibilidades, uma parte importante do desenvolvimento infantil.

À primeira vista, conceitos como liberdade e limite podem parecer desiguais, mas quando se trata de educação, são concepções que se assemelham e se apoiam.

Quando trabalhados de forma equilibrada são fundamentais para ensinar o seu filho a conviver em sociedade.

* Flavio A. Sandi é diretor do Colégio Marista Anjo da Guarda.

Fonte: Página 1 Comunicação



Um perigoso retrocesso social

PL 6.159 que dispõe sobre o trabalho para portadores de deficiência é um perigoso retrocesso social.


Imperabilidade Inexistente

Bom, para começar este artigo, tenho que confessar que a palavra “imperabilidade” não existe.


O mundo em tensão

As relações entre Estados Unidos e Irã após a morte de Qasem Soleimani.


Quando o telefone toca…

A cada passo sou massacrado: ouço o telefone tilintar. Corro para atender.


O Coringa que te habita

Não é surpresa que o filme “Coringa”, de Joaquim Phoenix e Todd Phillips, tenha obtido 11 indicações ao Oscar.


O fim dos panfletos

O panfleto talvez seja a mais antiga das formas de comunicação.


Correios, se não tiver interessados, fechar…

Privatização é a palavra cabalística do meio político-administrativo.


Trabalho voluntário

Trabalho voluntário é o que se faz por vontade própria e que tem intenção de ajudar o próximo.


Qual a diferença entre casamento e união estável?

Advogada explica como funciona os dois tipos de família


Educação e instrução

Sob frondosa tília, em flor, leio o “Bom Jesus do Monte”, de Camilo.


A hora dos partidos começarem a existir

Temos nada menos que 110 partidos políticos. São 33 registrados e 77 já fundados que aguardam registro no TSE (Tribunal Superior Eleitoral).


Que venha 2020!

Mais um ano termina e a briga política ideológica entre alguns esquerdopatas e o atual governo parece não ter fim.