Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Os novos senhores de escravos

Os novos senhores de escravos

20/11/2007 Sylvia Romano

Ao ler periodicamente nossos principais veículos de comunicação e ser informada da “maravilha” dos lucros dos bancos, ao ensejo da data da consciência negra parto para a seguinte reflexão quanto ao período negro que foi a escravidão no Brasil.

Nós pobres brasileiros quando, com muito sacrifício, conseguimos guardar um “troquinho” e aplicamos na poupança, o nosso ganho fica em média em 0,60% a 0,70% ao mês, o que — toda dona-de-casa sabe — nem cobre a variação da inflação da cesta básica. Quando nós pessoas físicas, profissionais e empresários, entramos no cheque especial, o que vem a ser uma constante para a maioria, os juros cobrados passam dos 10%, chegando em alguns casos a 12%, fora as taxas de talão de cheque, cheque abaixo do valor mínimo, seguro, cartão magnético e por aí afora, numa sanha exploradora que não tem fim. Não vou falar nem da CPMF que, infelizmente, nosso governo acha imprescindível – imprescindível só se for para manter o AEROLULA, outros brinquedinhos e achegos a que todo político é acostumado.

Só para ilustrar, se um correntista no dia 1° de julho de 1994 (data do lançamento do real) tivesse depositado R$ 100,00 (cem reais) na poupança em qualquer banco, teria hoje a extraordinária quantia de R$ 374,00 (trezentos e setenta e quatro reais). Em contrapartida, se este mesmo correntista tivesse sacado aqueles mesmos R$ 100,00 no cheque especial, na mesma data, teria uma pequena dívida de R$ 139.259,00 (cento e trinta e nove mil e duzentos e cinqüenta e nove reais). Ou seja, os próprios números falam por si... E ninguém fala nada, ninguém faz nada, nem a grande maioria da mídia se manifesta. Será que as polpudas verbas publicitárias não são um “cala boca” contra este absurdo?

Do jeito que a coisa vai, qual juiz terá moral daqui a pouco para julgar um ladrão, seja qual for o montante do roubo? Um agiota, então nem se fala. Nos velhos tempos e, ainda hoje, qualquer agiota que venha a cobrar um juro de 5% é passível de prisão. Ninguém pode explorar a necessidade alheia. Este direito é único e exclusivo das entidades financeiras e dos bancos.

Mas o que um banco produz? Cada vez mais informatizados e com um número menor de funcionários, os bancos geram a riqueza só para os seus proprietários e, ao mesmo tempo, causam a desgraça da maioria escravizada cada vez mais pelas dívidas que, para sobreviver, tem de assumir junto a estes novos senhores de escravos. Vamos criar o dia da consciência dos explorados pelos bancos.

*Sylvia Romano é advogada trabalhista, responsável pelo Sylvia Romano Consultores Associados, em São Paulo.



Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.


Novo salário mínimo em 2022 e o impacto para os trabalhadores autônomos

O valor do salário mínimo em 2022 será de R$ 1.212,00.


2021 – A ironia de mais um ano que ficará marcado na história

Existe um elemento no ano de 2021 que imputou e promoveu uma verdadeira aposta de cancelamentos e desejos para que ele seja mais um ano apagado da memória de milhares de pessoas: A pandemia, que promoveu o desaparecimento definitivo de milhares de pessoas.


Negócios do futuro: por que investir em empreendedorismo no setor financeiro

Você sabia que 60% dos jovens de até 30 anos sonham em empreender?


A importância de formar talentos

Um dos maiores desafios das empresas tem sido encontrar talentos com habilidades desenvolvidas e preparados para contribuir com a estratégia da empresa.


Sustentabilidade em ‘data center’: setor se molda para atender a novas necessidades

Mesmo que a sustentabilidade ainda seja um tema relativamente novo no segmento de data center, ele tem se tornado cada vez mais necessário para as empresas que querem agregar valor ao seu negócio.


Tendência de restruturações financeiras e recuperações judiciais para o próximo ano

A expectativa para o próximo ano é de aumento grande no número de recuperações judiciais e restruturações financeiras, comparativamente, aos anos de 2021 e 2020.