Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Os surgimentos

Os surgimentos

24/01/2008 Divulgação

No início dos tempos semi-humanos, quando cada ancestral nosso (gorilas, talvez) começou a caminhar apenas com os pés e usou as mãos para afastar os cabelos da frente dos olhos para enxergar melhor seu semelhante, surgiu o amor.

Decorria o ano 98 D. H. (depois da humanidade). Adão e Eva faleceram sem médicos. A causa provável foi a ingestão de cogumelos envenenados. Bem que um amigo chegou a preparar um chá de ervas quando notou que eles se contorciam com dores. Aí surgiu a homeopatia.

Tal fato causou considerável surpresa na população. Os descendentes da 1a. geração de humanos não tinham prática em lidar com cadáveres, pois estes eram os primeiros óbitos que enfrentavam. Aí surgiu o medo.

A decomposição dos corpos após cinco dias ao ar livre atraia insetos e causava um cheiro desagradável. Os usuários chegaram a um acordo através de gestos grotescos. Concordaram em carregá-los para um desfiladeiro afastado. Aí surgiu a parceria. 

Apesar de não ter havido velório, orações e certidões de óbito dos falecidos, suas condutas deixaram lembranças doces. Aí surgiu a saudade.

A partir desta tragédia, nos 5 anos posteriores o relacionamento social começou a sofrer leves abalos. Aí surgiu a vaidade.

As pessoas que tinham menos tempo para prazeres, não se cuidavam. Desviavam o nariz e cerravam os lábios. Aí surgiu a inveja.

Foi iniciado um intenso ciclo de produção artesanal decorativo, voltado para as vestes e as cavernas. Aí surgiu o comércio.

Os mais preguiçosos em desenvolver alguma tarefa habilidosa, durante a madrugada faziam incursões às tocas próximas para subtrair frutas. Aí surgiu o gatuno.

E à medida que o tempo decorria a população se aglomerava. Os transtornos se avolumavam pela falta de diálogo. Um belo dia, um sujeito com meia orelha, através de mímicas, ilustrava facilidades que iria oferecer aos que ali estavam parados ouvindo seus gemidos. Aí surgiu o comício. 

Depois de 2 horas de gestos e rabiscos, a galera percebeu que ele estava propondo algum tipo de organização social, onde os integrantes da comunidade deveriam contribuir com algum tipo de doação regular Aí surgiu o imposto.

O administrador, usando gestos elegantes e suaves, alegou que os recursos obtidos eram insuficientes para adquirir lanças para enfrentar os ferozes animais locais, superar as adversidades existentes no terreno escolhido e pagar os 10 caroços de milho exigidos pelos dois operários contratados através de seu irmão. Aí surgiu a terceirização.

Durante 24 anos "Meia-orelha" ficou embromando a população insatisfeita e pacífica, inventando novos "problemas" e vendendo "soluções" mirabolantes. Contratou os dois sobrinhos para que a cada sete dias apresentassem números de malabarismos e truques para distraí-la. Aí surgiu o circo. 

Quando outros sujeitos de baixo nível moral começaram a perceber que tal esquema trazia altos lucros com o mínimo de gastos, fundaram grupos para lotear a população e dividir a arrecadação das doações. Aí surgiram os partidos políticos.

"Meia-orelha" não quis entrar em atrito com as novas raposas que afirmavam possuir um dossiê sobre suas ações suspeitas e se contentou com o acordo proposto. Aí surgiram os conchavos e a corrupção.

Aí surgiu o caos global.



Que ingratidão…

Durante o tempo que fui redactor de jornal local, realizei numerosas entrevistas a figuras públicas: industriais, grandes proprietários, políticos, artistas…


Empresa Cooperativa x Empresa Capitalista

A economia solidária movimenta 12 bilhões e a empresa cooperativa gera emprego e riqueza para o país.


O fundo de reserva nos condomínios: como funciona e a forma correta de usar

O fundo de reserva é a mais famosa e tradicional forma de arrecadação extra. Normalmente, consta na convenção o percentual da taxa condominial que deve ser destinado ao fundo.


E se as pedras falassem?

Viver na Terra Santa é tentar diariamente “ouvir” as pedras! Elas “contemplaram” a história e os acontecimentos, são “testemunhas” fiéis, milenares porém silenciosas!


Smart streets: é possível viver a cidade de forma mais inteligente em cada esquina

De acordo com previsões da Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% da população mundial viverá em áreas urbanas até 2050.


Quem se lembra dos velhos?

Meu pai, quando se aposentou, os amigos disseram: - " Entrastes, hoje, no grupo da fome…"


Greve dos caminhoneiros: os direitos nem sempre são iguais

No decorrer da sua história como república, o Brasil foi marcado por diversas manifestações a favor da democracia, que buscavam uma realidade mais justa e igualitária.


Como chegou o café ao Brasil

Antes de Cabral desembarcar em Porto Seguro – sabem quem é o décimo sexto neto do navegador?


Fake news, deepfakes e a organização que aprende

Em tempos onde a discussão sobre as fake news chega ao Congresso, é mais que propício reforçar o quanto a informação é fundamental para a sustentabilidade de qualquer empresa.


Superando a dor da perda de quem você ama

A morte é um tema que envolve mistérios, e a vivência do processo de luto é dolorosa. Ela quebra vínculos, deixando vazio, solidão e sentimento de perda.


A onda do tsunami da censura

A onda do tsunami da censura prévia, da vedação, da livre manifestação, contrária à exposição de ideias, imagens, pensamentos, parece agigantar em nosso país. Diz a sabedoria popular que “onde passa um boi passa uma boiada”.


O desserviço do senador ao STF

Como pode um único homem, que nem é chefe de poder, travar indefinidamente a execução de obrigações constitucionais e, com isso, impor dificuldades ao funcionamento de um dos poderes da República?