Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Os três patetas da República

Os três patetas da República

01/12/2016 Helder Caldeira

Impressiona a covardia e desvergonha exibida pela atual triarquia do poder.

Os três patetas da República

Toda vez que o Brasil aceita placidamente como institucional e sério um evento patético, ato contínuo assistimos à barbárie. É o preço por tratar com tamanho desprestígio os pilares democráticos. A grande questão é: será a República capaz de suportar mais vilipêndios ou a cúpula palaciana esticou em demasia a corda, rompendo-a perigosamente? A resposta, ao que tudo indica, virá nos próximos dias, encerrando o difícil e dramático ano de 2016.

Impressiona a covardia e desvergonha exibida pela atual triarquia do poder. A semana começou com uma nauseabunda entrevista convocada pelo Palácio do Planalto onde o presidente Michel Temer, acossado pelo escândalo “la vue” do Geddel, assume com a nação o compromisso de vetar qualquer tentativa de anistia ao crime de caixa dois, fazendo-se ladear por dois fiadores: Renan Calheiros e Rodrigo Maia.

 

Foi evento patético vendido como ato institucional de primeira grandeza e seriedade. Michel, Renan e Rodrigo eram o retrato fiel dos farsescos Três Patetas. Neste caso, os três patetas da República Federativa do Brasil.

 

Quem comprou a farsa, dançou! Dois dias depois, capitaneada por Maia e aproveitando asquerosamente o momento de comoção nacional com a tragédia que vitimou a equipe da Chapecoense, a expressiva maioria dos deputados federais cuspiu na cara de quase três milhões de cidadãos brasileiros signatários das 10 medidas contra a corrupção, adulterando com safadeza o Projeto de Lei de tal forma a transformá-lo num verdadeiro salvo-conduto para as quadrilhas planaltinas e congêneres. Uma gatunagem imunda costurada no silêncio sombrio da madrugada, algo próprio e adequado aos bandidos.

 

Não bastasse o descalabro, o projeto foi imediatamente remetido ao Senado Federal. Apenas doze horas após vergonhosa aprovação na Câmara e agora sob a batuta do encrencado Renan, tentou-se o golpe fatal: votá-lo em regime de urgência, aniquilando em definitivo a Operação Lava-Jato e salvando a pele de pilantras que não merecem qualquer mínima deferência.

 

O golpe só não logrou êxito porque, em amplo volume na sociedade, a presidente do Supremo Tribunal Federal, o procurador-geral da República, o Ministério Público Federal, associações de magistrados e, principalmente, as redes sociais fizeram ecoar veemente repúdio contra a aberração em curso no Parlamento brasileiro.

 

Que ninguém se engane: toda essa barbárie, pelega e covarde, protagonizada nas dependências da Câmara e do Senado, foi gestada nas entranhas do Palácio do Planalto. Não por acaso, logo após o Brasil conseguir frear o tropel desembestado à beira do abismo, os três patetas da República foram “confraternizar” na residência oficial de outro senador, que mesmo atolado nas investigações da Lava-Jato, já é tratado como herdeiro presuntivo da cadeira de Renan.

 

Os três patetas erraram a mão. Subestimaram a capacidade de insurreição do Povo brasileiro. A tolerância com esse tipo de maracutaia acabou. Diante de uma sociedade perigosamente conflagrada, é grande a possibilidade dessa história não terminar bem. Cumpre reiterar, pode ser o preço por tratar com tamanho desprezo os pilares que sustentam a Democracia.



O julgamento que pode desmoralizar o Supremo Tribunal Federal

Não pode o STF cair em descrédito, apequenando o tribunal, caso venha a mudar entendimento já pacificado.


O trabalho como dever moral e amor ao próximo

Encontrei um amigo do tempo de faculdade, há muitos anos não o via, e ele me disse que se aposentou aos 53 anos como funcionário graduado de uma repartição pública.


A nova CPMF seria bem-vinda

A reforma tributária é o grande destaque de discussões no ambiente político e econômico, no momento.


A depressão e o desemprego

Em todo país, o desemprego atinge 12,6 milhões de pessoas.


Prisão após condenação em segunda instância

Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 410/18, que deixa clara a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância, avança na CCJ da Câmara Federal.


Sou uma péssima professora!

Sou uma péssima professora! Primeiramente, porque ser professor não foi minha primeira escolha de carreira.


As ferramentas tecnológicas e a educação

Os avanços tecnológicos podem estar a serviço da Educação, na medida em que permitem um maior acesso à informação e mais rapidez nas trocas do conhecimento.


Eu, professor

Comecei a dar aulas aos 18 anos. Meus alunos, em um supletivo de bairro, eram todos mais velhos que eu.


Gestão pública é o caminho contra a corrupção

A corrupção é pré-requisito do desenvolvimento, já dizia Gunnar Myrdall, Prêmio Nobel de Economia, em 1974.


Quando a desinformação é menos tecnológica e mais cultural

Cenário é propício para o descrédito de pesquisas, dados, documentos e uma série de evidências de veracidade.


Igualdade como requisito de existência

Na última cerimônia de entrega do EMMY, o prêmio da TV Norte Americana, um ator negro foi premiado, fruto de reconhecimento praticamente unânime de seu trabalho.


Liderança é comunicação, conexão e confiança

Cada dia que passa, percebo que uma boa comunicação e liderança têm total relação com conexão.