Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Osteopatia: Técnica de medicina complementar é tendência para auto-reparação

Osteopatia: Técnica de medicina complementar é tendência para auto-reparação

25/05/2022 Luis Henrique Zafalon

A Osteopatia é um método de avaliação e tratamento que busca restabelecer a função da estrutura compreendendo todos os sistemas do corpo sem a utilização de remédios ou intervenção cirúrgica.

São manobras alternativas de tratar – ou mesmo prevenir – uma dor sem que ela esteja exatamente naquele local. A técnica foi criada em 1874 pelo médico americano Andrew Taylor Still. Aqui no Brasil é considerada uma especialidade da Fisioterapia. A premissa consiste em avaliar todas as partes do corpo e, se uma das partes está restrita, as demais deverão sofrer compensações, levando a uma sobrecarga.

Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, as dores da coluna (cervical, torácica, lombar e sacral) são a segunda condição de saúde com maior prevalência no Brasil (13,5%), entre as patologias crônicas identificadas por algum médico ou profissional de saúde.

A Fisioterapia abrange métodos semelhantes ao da Osteopatia, mas o que diferencia uma especialidade da outra é o fato da particularidade de cada paciente, uma vez que os fisioterapeutas utilizam, a princípio, métodos padrões.

Quando um indivíduo opta pela Osteopatia, percebe a exclusividade do tratamento – que vai além dos protocolos e das manipulações – considerando que as pessoas são diferentes e não podem receber a mesma terapia de outra, respeitando a individualidade de cada caso.

Sabemos que quando a cervical está com alguma disfunção, algum músculo que está espasmado, alguma disfunção neural, pode influenciar o ombro. Então, o profissional da área não trabalharia só olhando o ombro. Avaliamos a cervical, e é claro que vamos olhar o ombro porque essa região está com dor, mas vamos procurar a origem em outras regiões.

O papel da Osteopatia consiste em notar uma região que não tem movimento e promover mais movimento, para que, assim, o corpo esteja mexendo com mais harmonia, promovendo mais equilíbrio.

Porém, ainda, as pessoas costumam buscar o tratamento quando já estão com dor. Não há problema em procurar o osteopata quando a pessoa já está com dor, porque é uma forma eficiente de buscar um alívio. Mas o ideal é que se faça de forma preventiva. Imagina se uma pessoa nunca faz nada e ela tem uma contratura muscular a qualquer momento, descendo um degrau ou dando uma tropeçada, a musculatura já tencionou.

Fazendo um preventivo, o osteopata sempre tem a possibilidade de acompanhar e soltar a tensão, deixando o corpo  equilibrado. Porque se a pessoa tem uma contratura aqui, outra ali, daqui a pouco terá várias perturbações pelo corpo e, no decorrer dos dias, poderá ter uma dor generalizada.

Se há indícios de algum problema, a recomendação é não protelar e buscar um tratamento com o osteopata. Sem remédios e sem cirurgia, mas com a finalidade de cuidar de cada paciente com as suas dores e problemas específicos.

* Luis Henrique Zafalon é fisioterapeuta especialista em osteopatia, professor e palestrante.

Para mais informações sobre osteopatia clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Vervi Assessoria



Uma imagem vale mil informações

É difícil não se admirar com a quantidade de recursos tecnológicos que temos à nossa mão no mundo contemporâneo.


As inovações e necessidades na retomada dos serviços de campo nos negócios

Quando falamos da necessidade de uma experiência positiva do cliente ao contratar um serviço ou produto, muitas vezes nos referimos à compra e usabilidade, mas não podemos nunca nos esquecer da importância que os serviços de atendimento ao cliente e solução de problemas tem não apenas na fidelização do cliente, mas também na imagem da empresa ao mercado.


A resistência à privatização das estatais

Aprovada na última quarta-feira, pelo TCU (Tribunal de Contas da União), a privatização da Eletrobras causa grande agito nacional.


Conhecimento gera crescimento

O currículo costuma ser a principal referência de uma empresa para entender se um candidato atende ou não aos requisitos que ela necessita para ocupar uma determinada vaga.


Ser mãe é padecer… de cansaço?

Há um ditado que afirma que “ser mãe é padecer no paraíso”, remetendo às contraditórias emoções que seriam desencadeadas pelas vivências cotidianas da maternidade.

Ser mãe é padecer… de cansaço?

Eleições e os bélicos conflitos entre os Poderes

O Presidente da República, Jair Bolsonaro, e, agora, as Forças Armadas estão aumentando a ofensiva contra a transparência e a segurança do processo eleitoral no Brasil.


Os amores de Salazar

O conceito que se tem de Salazar, é de político solitário, déspota e por vezes impiedoso. Mas seria o estadista, realmente, assim?


A importância da diversificação de investimentos em diferentes segmentos

Mesmo com os desafios impostos por dois anos de pandemia, o volume de investimentos para iniciativas brasileiras em 2021 foi expressivo.


Bullying: da vítima ao espectador

O bullying é um tipo particular de violência, caracterizado por agressões sistemáticas, repetitivas e intencionais, contra um ou mais indivíduos que se encontram em desigualdade de poder, gerando sofrimento para as vítimas, agressores e comunidade.


Explore seu universo de possibilidades

Você sabia que o ser humano enfrenta em média 23 adversidades por dia?


Um doidivanas incorrigível

Todos reconhecem Camilo Castelo Branco, como escritor talentoso. Admiram-lhe a riqueza do vocabulário e a vernaculidade da prosa.


Indulto x Interferência de Poderes

As leis, como de corriqueira sabença, obedecem a uma ordem hierárquica, assim escalonadas: – Norma fundamental; – Constituição Federal; – Lei; (Lei Complementar, Lei Ordinária, Lei Delegada, Medida Provisória, Decreto Legislativo e Resolução).