Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Papai Noel vermelho é Marketing

Papai Noel vermelho é Marketing

12/12/2016 Jaques Grinberg

Para o comércio, o Natal é uma das datas mais esperadas em um período propício.

Final de ano! Época para vender o que não vendeu durante o ano. Para alguns, a salvação do negócio e para outros apenas uma oportunidade, para vender mais, usando a imagem do bom velhinho de roupas vermelhas.  

Nos grandes centros comerciais, o personagem sentado em um trono dourado tira fotos com crianças e adultos. Tudo é marketing! Os brilhos e a imagem do Papai Noel com trajes vermelhos enfeitam o comércio e impulsionam as vendas.

Vitrines com novos produtos, vendedores com camisetas vermelhas, lojas decoradas, embrulhos de presentes personalizados, tudo para agradar os clientes – e agrada. Mas quem vestiu o Papai Noel com trajes vermelhos? O bom velhinho foi inspirado em São Nicolau, arcebispo da cidade de Mira – atual Turquia – no século IV.

Diz a lenda, que São Nicolau ajudava quem estivesse em dificuldades financeiras. Foi transformado em Santo após várias pessoas relatarem milagres atribuídos a ele. Papai Noel por muito tempo foi representado com trajes de inverno na cor verde.

Mas no século XX nos Estados Unidos e Canadá, a Coca-Cola lançou um comercial do bom velhinho com trajes vermelhos, gordinho, alegre e com barba toda branca. O marketing amadureceu os trajes – de verde para vermelho – e nunca mais voltou ao que era.

O marketing quando bem planejado transforma ideias e conceitos em realidade. A sociedade bloqueia a criatividade que impede empresários de aceitarem novas ideias, novos conceitos. Quem hoje teria coragem de lançar um comercial do Papai Noel com trajes azul?

Aproveite! Inove! Faça diferente para fazer a diferença! Não acredite no que a sociedade diga que é certo, acredite no que você acha que é certo.

* Jaques Grinberg Costa é empresário, coach, escritor e palestrante.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.