Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Papai Noel vermelho é Marketing

Papai Noel vermelho é Marketing

12/12/2016 Jaques Grinberg

Para o comércio, o Natal é uma das datas mais esperadas em um período propício.

Final de ano! Época para vender o que não vendeu durante o ano. Para alguns, a salvação do negócio e para outros apenas uma oportunidade, para vender mais, usando a imagem do bom velhinho de roupas vermelhas.  

Nos grandes centros comerciais, o personagem sentado em um trono dourado tira fotos com crianças e adultos. Tudo é marketing! Os brilhos e a imagem do Papai Noel com trajes vermelhos enfeitam o comércio e impulsionam as vendas.

Vitrines com novos produtos, vendedores com camisetas vermelhas, lojas decoradas, embrulhos de presentes personalizados, tudo para agradar os clientes – e agrada. Mas quem vestiu o Papai Noel com trajes vermelhos? O bom velhinho foi inspirado em São Nicolau, arcebispo da cidade de Mira – atual Turquia – no século IV.

Diz a lenda, que São Nicolau ajudava quem estivesse em dificuldades financeiras. Foi transformado em Santo após várias pessoas relatarem milagres atribuídos a ele. Papai Noel por muito tempo foi representado com trajes de inverno na cor verde.

Mas no século XX nos Estados Unidos e Canadá, a Coca-Cola lançou um comercial do bom velhinho com trajes vermelhos, gordinho, alegre e com barba toda branca. O marketing amadureceu os trajes – de verde para vermelho – e nunca mais voltou ao que era.

O marketing quando bem planejado transforma ideias e conceitos em realidade. A sociedade bloqueia a criatividade que impede empresários de aceitarem novas ideias, novos conceitos. Quem hoje teria coragem de lançar um comercial do Papai Noel com trajes azul?

Aproveite! Inove! Faça diferente para fazer a diferença! Não acredite no que a sociedade diga que é certo, acredite no que você acha que é certo.

* Jaques Grinberg Costa é empresário, coach, escritor e palestrante.



A pandemia, as perdas e o novo mundo

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.


7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação.


O sacrifício dos jovens

Mais de cem dias depois, a pandemia vai produzindo uma cauda longa de desarranjos que se fará sentir por muitos anos e esses efeitos vão atingir, principalmente, os mais jovens.


A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.


STF e o inquérito do fim do mundo

Assim que o presidente da Suprema Corte determinou a abertura do inquérito criminal para apurar ameaças, fake news contra aquele sodalício, nomeando um dos ministros da alta corte para instaurá-lo, de ofício, com base no artigo 43 do Regimento Interno, não vi nenhuma ilegalidade.


As décadas de 20

A mais agitada década de vinte de todas foi a do século XX.