Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Para matar a sede por informação, Estatística!

Para matar a sede por informação, Estatística!

15/09/2020 Jeanfrank T. D. Sartori

É quase um clichê em Administração afirmar que a gestão e a tomada de decisão devem ter suporte em dados e informações.

Essa obviedade, no entanto, possui sutilezas que frequentemente passam despercebidas e podem causar consequências graves para uma empresa, por vezes irreversíveis.

Afinal, só existe uma coisa pior do que não ter informação: ter informação ruim ou uma “desinformação”.

Um estudo publicado na Harvard Business Review estimou que, somente nos Estados Unidos, o prejuízo causado à economia por dados de baixa qualidade é de US$ 3 trilhões, o equivalente a cerca de 16% do PIB anual daquele país ou 4% da produção mundial de riqueza em um ano.

Fato é que a abundância de recursos computacionais trouxe ao mesmo tempo benefícios e armadilhas.

Incontáveis são as ferramentas de visualização de dados, comumente chamadas de BI (Business Intelligence, “Inteligência de Negócios”), que se dedicam a agrupar informações e supostamente facilitar sua compreensão por meio da apresentação de gráficos e tabelas-resumo.

Mas será que um simples gráfico da média mensal de vendas é suficiente para avaliar o comportamento do setor comercial? Será que o trabalho dos vendedores é a única variável envolvida?

Esses e outros questionamentos remontam a alguns dos perigos do uso inadequado destas ferramentas, muitas vezes (ou quase sempre) sem adequada análise e fundamentação.

Para sanar tais deficiências, uma ciência, por vezes esquecida e deixada em segundo plano, é o remédio mais adequado: a Estatística.

Afinal, ocupa-se justamente da disponibilização de arcabouço teórico e metodológico capaz de validar conclusões e sustentar a adequada interpretação de diversos tipos de dados e visualizações.

Para ficar num exemplo bastante simples, determina que uma medida de tendência central, como a média, deve vir sempre acompanhada de sua dispersão (o quanto esses dados estão espalhados), como o desvio-médio ou o desvio-padrão.

Podemos entender isso imaginando vinte pacientes em um hospital, sendo que dez recebem 1,5 kg de refeições diárias e os demais absolutamente nada (0 kg).

Na média, são 750g por indivíduo, o que poderia eventualmente parecer satisfatório, mas, em poucos dias, metade dessas pessoas estarão mortas.

Mas se a Estatística tem um potencial tão grande, por que é tão frequentemente deixada em segundo plano na tomada de decisões?

Primeiramente, há uma visão popularmente generalizada de que ela “não funciona”, com origem principalmente em pesquisas eleitorais comumente mal conduzidas, especialmente quando os resultados finais são expressivamente diferentes dos apresentados nos levantamentos.

Além disso, conviveu-se por muito tempo com currículos acadêmicos desatualizados nos cursos de graduação, que davam pouca ênfase à aplicação prática da teoria nos contextos organizacionais bem como ao uso de ferramentas tecnológicas mais recentes.

A boa notícia é que nos últimos anos, ainda que tardia, essa atualização tem ocorrido de forma mais intensa e célere nas Instituições de Ensino de todo o país que ofertam o curso.

Nas empresas, a sede por informações é tão grande que, por vezes, se bebe cegamente tudo o que aparece pela frente em termos de dados.

Mas o gestor prudente deve ter em mente que, antes de tudo, é preciso verificar se o que tem em sua frente é água e não veneno, informação e não desinformação. Para isso, nada melhor que a Estatística.

* Jeanfrank Sartori é mestre em Gestão da Informação, especialista em Inteligência de Negócios e bacharel em Administração.

Fonte: Central Press



Cada um no seu quadrado e todos produzindo…

Muito oportunas as observações do Prof. Ary Oswaldo Mattos Filho, de que em vez dos simples projetos que visam reforçar o caixa da União – como a alteração no Imposto de Renda ora em tramitação pelo Congresso – o país carece de uma verdadeira reforma tributária onde fiquem bem definidos os direitos e obrigações da União, Estados e Municípios.


Você já respirou hoje?

Diagnóstico e tratamento corretos salvam vidas na fibrose cística.


Jogos para enfrentar a crise

O mundo do trabalho nunca mais será o mesmo.


O trabalho de alta performance no Hipismo

O que os atletas precisam para o desempenho perfeito em uma competição? Além do treinamento e esforços diários, eles precisam estar em perfeita sintonia com o corpo e a mente.


Bons médicos vêm do berço

Faz décadas assistimos a abertura desenfreada de novas escolas médicas, sem condição de oferecer formação minimamente digna e honesta.


Wellness tech e a importância da saúde mental dentro das organizações

A pandemia de covid-19 impactou a vida de todos nós, pessoal e profissionalmente.


Manifestações do TDAH

Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade em adultos e crianças.


Cuidar da saúde mental do colaborador é fator de destaque e lucratividade para empresa

O Setembro Amarelo é uma campanha nacional de prevenção ao suicídio, mas que coloca em evidência toda a temática da saúde mental.


Setembro Amarelo: a diferença entre ouvir e escutar

Acender um alerta na sociedade para salvar vidas quando se fala em prevenção ao suicídio é tão complexo quanto o comportamento de uma pessoa com a intenção de tirar a própria vida.


Desafios para a Retomada Econômica

A divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre mostrou uma leve retração da atividade produtiva de 0,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior.


Setembro Amarelo: é preciso praticar o amor ao próximo

Um domingo ensolarado é um dia perfeito para exercitar a felicidade, passear no parque, levar as crianças na piscina ou encontrar os amigos com seus sorrisos largos e escancarados.


Setembro Amarelo: é preciso ter ferramentas para lidar com o mundo

No semáforo, a cor amarela é frequentemente associada com desaceleração. O motorista precisa reduzir a velocidade ou até mesmo parar.