Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Para que serve o DVR Veicular?

Para que serve o DVR Veicular?

08/01/2015 Dane Avanzi

Para facilitar e encorajar o monitoramento de veículos de forma mais segura e eficiente.

Bastante utilizado por empresas de diferentes segmentos para monitorar suas frotas através de seu registro e fornecimento preciso de dados via satélite, busca proporcionar maior segurança às transportadoras, clientes, passageiros e motoristas, tornando uma ótima opção de controle e proteção.

Para que serve o DVR Veicular? Sua função, além do armazenamento de gravações, é permitir o monitoramento à distância por meio de acesso a informações em tempo real da localização e imagens audiovisuais dos fatos ocorridos no momento exato da transmissão. Transferindo para central o posicionamento do veículo, através do rastreamento do aparelho, em caso de desvio da rota programada o sistema remoto é capaz de parar o funcionamento do motor, gerando para empresa maior segurança e controle ao monitorar as frotas.

Também permite a gravação de imagens e arquivamento em HD ou cartão de memória, com sistema de backup e entrada USB, em opções de 4, 8 ou 16 entradas para câmeras de segurança. Com a conexão via wireless, as principais informações geradas podem ser obtidas sem a necessidade de contato direto com o aparelho. Os benefícios são muitos. O DVR veicular foi elaborado para otimizar o rastreamento de veículos, possibilitando o alcance das informações referentes as localizações salvas juntamente com as imagens.

O uso desta moderna tecnologia no monitoramento de veículos torna mais eficaz o gerenciamento de frotas, trazendo como benefícios: aumento na produtividade e melhora comportamental dos funcionários, obtenção de dados importantes em caso de assalto, acidente, depredação, má conservação do veículo, acompanhamento online dos percursos efetuados, entre outros.

Monitorar as frotas de uma empresa adequadamente é essencial para o crescimento e a maximização dos serviços, o que por consequência poderá aumentar a credibilidade e os rendimentos futuros. Sem dúvida, é um investimento que vale a pena.

*Dane Avanzi é advogado, diretor superintendente do Instituto Avanzi e diretor da Átimo Solutions.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.