Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Para sobreviver, empresa precisa ser transparente

Para sobreviver, empresa precisa ser transparente

10/07/2014 Adriano Legnari Faria

Empresas com capital aberto, atividades reguladas ou que faturam mais de R$ 300 milhões ou apresentam patrimônio superior a R$ 240 milhões são, por lei, obrigadas a submeter suas demonstrações contábeis à auditoria externa.

De certa forma, a partir dessa obrigatoriedade, essas grandes empresas aproveitaram a transparência para se diferenciarem no mercado, utilizando essa exigência, num primeiro momento, como ferramenta de marketing. Hoje, todavia, essa transparência nas demonstrações contábeis tornou-se acima de tudo uma ferramenta de gestão. Como as pequenas e médias empresas não têm essa obrigatoriedade legal, não fazem o mesmo uso desta ferramenta que passou a ser incorporada como uma exigência do mercado corporativo.

Hoje, ser transparente é caso de sobrevivência. Não se trata de modismo. Apesar da conhecida importância em ser transparente, é primordial tratar adequadamente qual será o apelo utilizado para que o pequeno e médio empresário adote essa postura. Ele sabe que é importante ser transparente em suas demonstrações contábeis, todavia, acredita que ficará vulnerável a algo que ele também não sabe o que é. Falta informação e o grande prejuízo em não ter esse diferencial é que essas empresas tendem a ficar, cada vez mais, fora dos grandes mercados que adotaram a transparência como um pilar da Governança Corporativa.

Não existe no mercado empresa que foi prejudicada por ser transparente, ou seja, por informar ao mercado como vai a vida financeira da sua empresa. É fundamental para a sobrevivência demonstrar a sua realidade, seja ela qual for, bem como os seus planos para administrar eventual desajuste. Quando você não informa com transparência pode parecer que existe algo a esconder. E os efeitos são a geração de dúvidas, desconfiança, descredito e, por fim, a não geração de negócio que impede o crescimento dessas e de qualquer empresa.

Transparência é sim um diferencial, e se a empresa não tem esse diferencial, é preterida. A fila anda. As grandes empresas que possuem gestão profissional somente se relacionam com empresas que transmitem confiança. Essas empresas não compram matéria-prima de empresas das quais não tenham um grande grau de certeza de que irão receber o produto. Da mesma forma, não vendem para empresas que não demonstram capacidade de pagamento.

Não fazem negócio com empresas que não administram contingências de qualquer espécie. Em síntese, as grandes empresas medem de forma sistemática o risco de relacionamento com as demais. Nesse rol de empresas certamente estão os agentes financeiros, cada vez mais preparados para análise de riscos de crédito. Se o empresário não entender que a transparência gera valor para a sua empresa, independente do tamanho do seu negócio, se não se comunicar de forma adequada com o mercado, não irá prosperar.

A ausência de transparência mascara totalmente o desenvolvimento de qualquer processo de gestão corporativa. É o mesmo que uma pessoa ir ao médico com problema de saúde e por algum motivo não ser transparente, ou seja, omitir informações importantes que poderão levar o médico a diagnosticar e indicar o tratamento não apropriado. Certamente o grande prejudicado será unicamente o paciente. Numa empresa ocorre da mesma forma. Se não há uma gestão transparente, sem dúvidas as contribuições dos colaboradores e de todos que se relacionam com a empresa, não serão adequadas.

As demonstrações contábeis e suas notas explicativas elaboradas em conformidade com as normas de contabilidade e auditadas devem demonstrar de forma clara e objetiva a transparência da empresa. Se a empresa não puder apresentar esse “raio x” ao mercado em que se relaciona, estará sozinha, contrariando o único objetivo da criação de uma empresa que é unir várias pessoas, físicas e jurídicas, para fazer algo que uma pessoa não pode fazer sozinha. O grande desafio para as pequenas e médias empresas é ultrapassar a fase de transição e acabar de vez com o viés da transparência.

Transparência não tem que ter viés. Exigir que sejam transparentes com a sua empresa, mas relutar em ser transparente com aqueles com quem você se relaciona. No mundo corporativo, cada vez mais, o pensamento tenderá a ser coletivo, sem espaço para meio termo.

*Adriano Legnari Faria é Diretor Nacional de FAPMP do Ibracon – Instituto dos Auditores Independentes do Brasil.



Eleições para vereadores merecem mais atenção

Em anos de eleições municipais, como é o caso de 2024, os cidadãos brasileiros vão às urnas para escolher prefeito, vice-prefeito e vereadores.

Autor: Wilson Pedroso


Para escolher o melhor

Tomar boas decisões em um mundo veloz e competitivo como o de hoje é uma necessidade inegável.

Autor: Janguiê Diniz


A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso