Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Parada Gay ou micareta “cristofóbica”?

Parada Gay ou micareta “cristofóbica”?

17/06/2015 Lucas Berlanza Corrêa

Senhoras e senhores, cidadãos brasileiros, outra vez, como dantes, no quartel de Abrantes, os autointitulados “tolerantes e defensores da convivência pacífica e amorosa entre todos os seres humanos”, se comportam como os mais “fascistóides” e os mais despreocupados com os sentimentos e convicções alheias.

E mais uma vez, por isso mesmo, seus defensores “massa de manobra” se erguem para justificar o ato, para fazer o “seu errado” parecer mais “certo” que o erro dos outros, para sustentar a nobreza do malfeito a partir de uma suposta “boa causa” – aliás, como sempre fazem.

Estou falando da Parada Gay realizada em São Paulo no último domingo (7/6). Foram visíveis, sobre carros de som e desfilando em meio à festança animada, imagens desqualificando motivos cristãos.

Um transexual ensanguentado e crucificado, como que a representar os gays sendo massacrados pelos “homofóbicos cristãos”, foi a mais emblemática, a se somar a um histórico já longevo de provocações estúpidas e achincalhes com a crença religiosa da maior parte da população.

Não tanto para minha surpresa, ao tecer críticas a isso em espaço pessoal, fui apelidado gentilmente de “homofóbico”. Curiosamente também, vi pessoas justificando tal atitude alegando que certas vezes é preciso gritar e chocar para ser ouvido.

Não discordo de que eventualmente isso possa ser verdade, mas dentro de certos limites de pudor; do contrário, estaremos apenas assumindo nossa incompetência para o comportamento civilizado e nos comportando de maneira mais raivosa que animais.

Os afobados em distorcer já virão logo dizendo: “seria você mais um obscurantista defendendo a censura?” De jeito algum! Manifestem-se! Gritem as bobagens ofensivas que quiserem, demonstrando a todos o quanto são baixos!

Os “não-me-toques” infantis do politicamente correto estão, em sua esmagadora maioria, com o “outro lado”. Isso, diga-se de passagem, a despeito de o artigo 208 do Código Penal determinar que esse tipo de escárnio público é crime, concorde-se ou não com a legislação.

Entretanto, façam isso com recursos privados! Uma vez mais, os “pseudo-defensores” dos oprimidos e da “vontade popular” se utilizam dos recursos públicos, dos pagadores de impostos, para impor agendas e ofendê-los.

Os que estão de acordo com esse absurdo não percebem que a maior parte da população brasileira tem um referencial cristão, qualquer que seja a denominação religiosa que abrace, e tem apreço por esses símbolos religiosos.

Estão lá estampados, para quem quiser ver, os patrocínios do governo federal, das estatais e da prefeitura. Não há argumento que torne justo agredir esses valores e símbolos usando o dinheiro deles! Quem se revoltar por estar pagando para ser insultado é um “intolerante homofóbico” ou é, ao fim das contas, vítima de um verdadeiro ROUBO?

Esse é o mérito da questão: ninguém deveria ser obrigado a pagar para que destratem seus símbolos religiosos. E não é, apresso-me a dizer para evitar desmerecimentos do meu ponto de vista – mesmo sabendo que são inevitáveis, e que não deveria ser necessário destacar isso –, um católico ou protestante quem está falando.

“Não é um insulto”, alegam os iluminados. “Trata-se de uma metáfora para o sofrimento dos homossexuais, crucificados e mortos todos os dias. É arte”.

A bandeira é nobre; infelizmente há muita perseguição aos homossexuais, especialmente em países dominados por teocracias islâmicas ou regimes autoritários simpáticos ao nosso atual governo. O governo, diga-se de passagem, do partido do prefeito paulista, Fernando Haddad, que se orgulhou de ter patrocinado o “evento educativo” deste domingo.

Nelson Rodrigues falava dos “idiotas da objetividade”. Hoje, ele certamente se indignaria com a “idiotia da subjetividade” que grassa nos discursos esfarrapados com que temos sido obrigados a conviver. Há sempre uma “metáfora construtiva”, uma mensagem de “impacto moral imperioso e necessário”, em suma, um bizarro argumento subjetivo para justificar as palhaçadas mais objetivas.

Em um país em que se inflam os números para ressaltar características específicas das vítimas, quando deveríamos estar, na boa e velha linguagem liberal, clamando pela segurança pública para todos, pelo direito de todo cidadão brasileiro não sair às ruas todos os dias receando tanto por sua integridade física; em um país em que se passa a mensagem de que a vítima é mais “oprimida” ou digna de consideração por ser dessa ou daquela “categoria” – negros, gays, mulheres -, não nos surpreende mais que a afronta deselegante seja considerada uma simbólica mensagem instrutiva.

Pelo fato de existirem alguns pitboys energúmenos e um ou outro homofóbico real, e não nego isso, já se desenha uma onda surreal de radicalismo e violência tendo lugar em um país em que a afronta desses segmentos do movimento LGBT ao povo é feita a céu aberto sem qualquer problema.

Atreva-se a atacar grupos organizados que se arvoram em representar integralmente uma parte da população, que você automaticamente estará atacando toda essa parte, que jamais cedeu procuração a essas entidades e organizações. Garanto que muitos homossexuais reprovam a atitude tomada no evento e estão de acordo com as ideias que expresso aqui.

A Parada Gay, a seguir por esse caminho, será uma ode periódica à ofensa, sustentada pelos ofendidos. Infelizmente, se reduzirá a uma verdadeira “micareta cristofóbica” (para parafraseá-los em seu constante uso da expressão “homofobia”), e não uma manifestação centrada em pautas reais e realizada dentro dos mínimos procedimentos de urbanidade.

Não foi apenas nesse evento; muitos outros deboches vêm sendo realizados pelas militâncias LGBT sob o falso pretexto de que, em posição inferior, precisam atacar injuriosamente as “maiorias” para transparecer vitoriosos na discussão. Não podemos nos censurar diante desses pavoneios por meras conveniências.

A verdade sempre incomodará a alguns ou a muitos, mas é preciso declará-la em alto e bom som se quisermos estar em paz com nossa consciência e sanear os ares em nosso amado país.

* Lucas Berlanza é Acadêmico de Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, na UFRJ, assessor de imprensa e colunista do Instituto Liberal.



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa