Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Paralisação dos baderneiros

Paralisação dos baderneiros

08/05/2017 Bady Curi Neto

Greve é um direito do trabalhador, para aqueles serviços que não são essenciais à sociedade.

Da mesma forma, a manifestação é um direito do cidadão, ligada à liberdade de expressão, para que a população possa, a exemplo, demonstrar apoio ou descontentamento com medidas adotadas pelo governo.

Por vivermos em um estado democrático de direito, tanto a greve como as manifestações têm que se dar de forma ordeira, na forma da lei, respeitando opiniões contrárias, não podendo ser impostas a ninguém, em respeito à democracia e ao ordenamento jurídico.

O que assistimos no dia 28 passado, cujas centrais sindicais intitularam de Greve Geral, como forma de manifestação contra a reforma da previdência e trabalhista, não passaram de atos de vandalismo generalizado, com destruição de bens públicos e particulares.

O que se viu, talvez devido à baixa adesão da população às manifestações, foram agressões às pessoas, focos de incêndios em várias cidades, barricadas com pneus em chamas impedindo o direito de ir e vir de cidadãos, destruição de bens particulares como restaurantes e bancos, ônibus incendiados (somente no Rio de Janeiro foram 9 ônibus e um automóvel particular), destruição de bens públicos e atos de vandalismo generalizados.

Nestes casos, o enfrentamento com a Polícia Militar se torna inevitável, esta que tem o dever e obrigação de manter a ordem e segurança pública, não podendo aceitar ser recebida com pedras e paus, sem revidar a altura.

Quando se ataca a Polícia Militar, não se está agredindo somente a pessoa física dos policiais, mas o próprio poder do Estado, o que é inadmissível. Não há como receber com flores aqueles que atacam com pedras.

Em algumas cidades os atos patrocinados pelos manifestantes/grevistas mais pareciam uma guerra civil do que um dia de paralisação e reivindicação. Um total desrespeito a democracia e ordem jurídica.

E não se trata de menosprezar um movimento de paralisação, conforme algumas críticas à fala do Ministro da Justiça, Osmar Serraglio, que denominou a Greve Geral de “baderna generalizada”, se trata de uma constatação do que ocorreu na realidade, filmado por várias pessoas e postado nas redes sociais e pela própria imprensa.

No Aeroporto Santos Dumont do Rio de Janeiro, manifestantes com uniformes da Central Única dos Trabalhadores (CUT) adentraram o saguão agredindo com socos e chutes, pessoas que queriam trabalhar e não aderir à greve.

Difícil acreditar que verdadeiros trabalhadores agrediriam seus colegas por possuírem opiniões contrárias a greve, deixando transparecer que são arruaceiros, mercenários a serviço da CUT com o intuito de impor a determinação dos dirigentes sindicais.

A verdade é que enquanto a esquerda continuar com seu radicalismo exacerbado, em total desrespeito a democracia, as opiniões contrárias e a ordem jurídica e seus movimentos serão vistos pelas demais pessoas como impositivas e não representativas de uma manifestação de opiniões.

Não há lugar para ditadura de opiniões, seja de esquerda ou direita, em um estado democrático de direito.

* Bady Curi Neto é advogado, ex-juiz do TRE-MG, fundador do escritório Bady Curi Advocacia Empresarial.



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa