Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Paralisação dos baderneiros

Paralisação dos baderneiros

08/05/2017 Bady Curi Neto

Greve é um direito do trabalhador, para aqueles serviços que não são essenciais à sociedade.

Da mesma forma, a manifestação é um direito do cidadão, ligada à liberdade de expressão, para que a população possa, a exemplo, demonstrar apoio ou descontentamento com medidas adotadas pelo governo.

Por vivermos em um estado democrático de direito, tanto a greve como as manifestações têm que se dar de forma ordeira, na forma da lei, respeitando opiniões contrárias, não podendo ser impostas a ninguém, em respeito à democracia e ao ordenamento jurídico.

O que assistimos no dia 28 passado, cujas centrais sindicais intitularam de Greve Geral, como forma de manifestação contra a reforma da previdência e trabalhista, não passaram de atos de vandalismo generalizado, com destruição de bens públicos e particulares.

O que se viu, talvez devido à baixa adesão da população às manifestações, foram agressões às pessoas, focos de incêndios em várias cidades, barricadas com pneus em chamas impedindo o direito de ir e vir de cidadãos, destruição de bens particulares como restaurantes e bancos, ônibus incendiados (somente no Rio de Janeiro foram 9 ônibus e um automóvel particular), destruição de bens públicos e atos de vandalismo generalizados.

Nestes casos, o enfrentamento com a Polícia Militar se torna inevitável, esta que tem o dever e obrigação de manter a ordem e segurança pública, não podendo aceitar ser recebida com pedras e paus, sem revidar a altura.

Quando se ataca a Polícia Militar, não se está agredindo somente a pessoa física dos policiais, mas o próprio poder do Estado, o que é inadmissível. Não há como receber com flores aqueles que atacam com pedras.

Em algumas cidades os atos patrocinados pelos manifestantes/grevistas mais pareciam uma guerra civil do que um dia de paralisação e reivindicação. Um total desrespeito a democracia e ordem jurídica.

E não se trata de menosprezar um movimento de paralisação, conforme algumas críticas à fala do Ministro da Justiça, Osmar Serraglio, que denominou a Greve Geral de “baderna generalizada”, se trata de uma constatação do que ocorreu na realidade, filmado por várias pessoas e postado nas redes sociais e pela própria imprensa.

No Aeroporto Santos Dumont do Rio de Janeiro, manifestantes com uniformes da Central Única dos Trabalhadores (CUT) adentraram o saguão agredindo com socos e chutes, pessoas que queriam trabalhar e não aderir à greve.

Difícil acreditar que verdadeiros trabalhadores agrediriam seus colegas por possuírem opiniões contrárias a greve, deixando transparecer que são arruaceiros, mercenários a serviço da CUT com o intuito de impor a determinação dos dirigentes sindicais.

A verdade é que enquanto a esquerda continuar com seu radicalismo exacerbado, em total desrespeito a democracia, as opiniões contrárias e a ordem jurídica e seus movimentos serão vistos pelas demais pessoas como impositivas e não representativas de uma manifestação de opiniões.

Não há lugar para ditadura de opiniões, seja de esquerda ou direita, em um estado democrático de direito.

* Bady Curi Neto é advogado, ex-juiz do TRE-MG, fundador do escritório Bady Curi Advocacia Empresarial.



A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.


O gênero “neutro” ou a “neutralização” de gênero

Tenho visto algumas matérias sobre a “neutralização” do gênero na língua portuguesa, no Brasil, algumas contra e algumas a favor. Digo no Brasil, porque em Portugal não vejo isto.


O poder da gentileza

O mês de novembro traz uma comemoração muito especial e essencial para estes tempos pandêmicos e de tanta polarização política: o Dia da Gentileza.


Branco no preto

As pessoas pretas no Brasil vivem pior do que as pessoas brancas, independentemente de qualquer situação.


Politicamente Correto, Liberdade de Expressão e Dignidade Humana

Estamos vivenciando, há tempos, a dicotomia de opiniões, a divisão clássica na qual a forma de expressar, de pensar, contém apenas lados antagônicos, separados que não podem convergir ou, ao menos, serem respeitados.


Prévia tucana, um tiro no escuro

Diferente das eleições primárias norte-americanas, onde os partidos Democrata e Republicano escolhem seus candidatos e definem a plataforma eleitoral, a prévia que o PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira) realizará neste domingo (21/11) está cercada de interrogações.


A imagem do Senhor Jesus de Santa Marinha de Vila Nova de Gaia

Nesta época pandémica, que parece não deixar de nos dizimar – dizem: por causa de novas variantes e à facilidade de movimentação, – é oportuno recordar como o povo de Deus se libertou de funestas calamidades, recorrendo à oração e à penitência.


Algoritmos e automação: a combinação certa para potencializar a vida na era digital

Há quinze anos, quem poderia imaginar que seria possível trabalhar, fazer compras, ter planos personalizados para treinos da academia e conseguir organizar investimentos em bolsas globais sem sair de casa?


Transformação digital: os desafios de um novo modelo

Com a chegada da Quarta Revolução Industrial, organizações dos mais diferentes portes e setores estão encarando obstáculos de toda ordem para lidar com as novas demandas do consumidor.