Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Pare de mentir para si mesmo

Pare de mentir para si mesmo

04/10/2012 Eliane Quintella

Eu já vi vidas serem estragadas pela mentira. Não estou falando de qualquer mentira, mas mentir para si próprio. Mulheres se casam sem gostar, admirar ou o que possa justificar no mundo um casamento.

Muitas têm filhos sem qualquer dom para a maternidade. Vivem infelizes ou histéricas e tudo isso porque cederem à pressão da sociedade. Já vi pessoas abdicarem do seu amor, sem nenhum motivo supostamente nobre. E, no caso de amor correspondido, duas vidas foram estragadas, às vezes quatro, pois o casal que não fica junto pode procurar outro par, só para não ficar sozinho.

Há pessoas que se submetem a trabalhos que odeiam porque não se sentem capazes para fazer aquilo que mais amam. Como no mundo você não é capaz de fazer aquilo que ama? Quem realmente se importa? Já vi pessoas sentirem-se obrigadas a cuidar de outras pelo simples fato de possuírem elo familiar.

Eu não tenho nada contra quem cuida do familiar, desde que a pessoa seja querida e especial. Mas ficar cuidando de alguém que sempre te irritou ou que não representa nada pela simples e suposta responsabilidade que você tem, me desculpe, mas para mim é jogar a vida fora. A hipocrisia sempre ronda as relações familiares e, de verdade, são poucas pessoas ali pelas quais valeria a pena entregar seu tempo e sua vida.

Exemplos não faltam, eles estão em toda parte e nos mostram com toda clareza que não existe felicidade nesse sacrifício que quer atender a um padrão social que não tem nenhum valor em si mesmo. Afinal, digam-me com sinceridade: de que adianta ser casado se seu parceiro não é importante para você? Ou trabalhar sem vontade, isso não é escravidão? De que adianta ter filhos, se você não serve para isso ou quer outro tipo de vida? Ou cuidar de alguém, se você não se sente conectado a essa pessoa, se ela nada representa para você? Vale jogar fora seu tempo, seu bem mais precioso?

Assuma de uma vez: não vale a pena! Alguém dirá que a vida é complexa, é louca, dá voltas, tira nosso chão. Tudo isso pode ser verdade dependendo do contexto, mas nos casos acima as pessoas não raciocinam, cedem a uma pressão social, a um ideal sem sequer questionar se vale a pena, se serve para elas, se é o que querem.

Elas sabem que se vive uma vez só e sabem que não querem aquilo para suas vidas, mas agem como se vivessem em manada, seguem o fluxo deixando que outros decidam por elas e jogando suas vidas ralo abaixo. Viver uma mentira é a pior cilada que você pode cair. Assuma as rédeas da sua vida. Pare de mentir para si mesmo!

Eliane Quintella é escritora.



Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.


STF e o inquérito do fim do mundo

Assim que o presidente da Suprema Corte determinou a abertura do inquérito criminal para apurar ameaças, fake news contra aquele sodalício, nomeando um dos ministros da alta corte para instaurá-lo, de ofício, com base no artigo 43 do Regimento Interno, não vi nenhuma ilegalidade.


As décadas de 20

A mais agitada década de vinte de todas foi a do século XX.


Nós acreditamos!

A história ensina lições. Muitas lições.


A saúde do profissional de educação em tempos de pandemia

Muitos profissionais tiveram que se adaptar por causa da pandemia.



“Quem viva?! …”

Contava meu pai, com elevada graça, que tivemos antepassado, muito desenrascado, que sempre encontrava resposta pronta, na ponta da língua.


Super-mãe. Eu?

Lembro-me de um episódio que aconteceu há alguns anos atrás e que fez com que eu refletisse seriamente sobre meu comportamento de mãe.


Inaugurada a era das assembleias virtuais

A pandemia acelera a digitalização nos condomínios.