Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Paul Singer, o grande nome da Economia Solidária

Paul Singer, o grande nome da Economia Solidária

30/04/2018 Isaías Albertin e Hermano Caixeta

Um revolucionário pragmático a serviço da Economia Solidária.

Uma das principais críticas aos economistas e à Ciência Econômica é o distanciamento entre teoria e prática. Seja por causa de suposições lógico matemáticas em modelos cada vez mais complexos e específicos, seja pelo apego a velhas e imutáveis teorias econômicas.

Todavia existem aqueles profissionais “fora da curva”, pragmáticos, que enxergam a ciência como praxis, como uma ferramenta capaz de melhorar nossa realidade. Dentro desse universo de teorias, de metodologias e de conceitos, a área de Economia Solidária é com certeza uma das que mais se destaca pela robustez teórica e efetividade prática.

Ela trata do conjunto de atividades sociais, econômicas, políticas, ecológicas e culturais de produção, de organização, de distribuição, de consumo, de poupança e de crédito, estruturados sob a forma de autogestão e centrada na valorização do ser humano e não somente do capital.

No Brasil, o grande nome da Economia Solidária foi Paul Singer que faleceu este mês, no dia 16/04. Nascido em Viena em 1932, Paul Israel Singer chegou ao Brasil em 1940. Sua família, de origem judaica, foi obrigada a fugir dos horrores do regime nazista.

Em São Paulo, Singer encontrou acolhida no movimento juvenil judaico sionista-socialista, kibutziano Dror. Em 1951, Singer formou-se em eletrotécnica no ensino médio da Escola Técnica Getúlio Vargas de São Paulo, exercendo a profissão entre 1952 e 1956.

Nesse período, filiou-se ao Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, militando no movimento sindical. Como trabalhador metalúrgico, liderou a histórica greve dos 300 mil, que paralisou a indústria paulistana por mais de um mês, em 1953.

Posteriormente, cursou economia na Universidade de São Paulo (USP), ao mesmo tempo em que desenvolvia atividade político-partidária, no Partido Socialista Brasileiro (PSB). Em 1959, obteve o bacharelado em economia e em 1966 o doutoramento em Sociologia também pela USP.

Nessa fase, Singer já estava atuando como professor, porém nunca se afastou do movimento sindical e da militância política. Em 1968, Singer conquistou sua livre-docência pela Universidade de Princeton nos EUA.

Entre 1969 e 1988, Singer, impedido de lecionar na USP pela ditadura civil-militar brasileira (1964 – 1985), encontrou espaço para suas pesquisas no Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (CEBRAP). Em 1980, foi um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores (PT).

Assumiu o Departamento de Economia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Entre 1988 e 1992, foi Secretário de Desenvolvimento Econômico da Prefeitura de São Paulo e, posteriormente, Secretário Nacional de Economia Solidária (Senaes) de 2003 a 2015.

Singer foi um dos maiores economistas brasileiros ao juntar a teoria com a prática em forma de ação política transformadora. Para ele a democracia praticada no interior do sistema capitalista é o caminho mais efetivo em direção do socialismo.

Apesar de uma proposta completamente oposta à capitalista, a Economia Solidária apregoa que é possível que o capital e o trabalho atuem de forma cooperativa e não conflitiva. Para Economia Solidária é viável um organização social-política-econômica sem a exploração do trabalhador via mais-valia, sem alienação do trabalho, ou seja, a racionalização da sociedade e da economia em princípios morais e não somente materiais.

Nessa relação de produção, o assalariado transforma-se no trabalhador ou no cooperado que tem responsabilidade total, não individual, mas coletiva pela produção. Enquanto na empresa capitalista de Economia de Mercado é aplicada a heterogestão (administração hierárquica), nos empreendimentos de Economia Solidária aplica-se à autogestão: prática de tomada de decisão coletiva, onde todos os sócios têm o direito de decidir às estratégias, a gestão do trabalho, a direção e a coordenação das ações da empresa solidária.

No modelo de produção capitalista da Economia de Mercado, as relações patronais norteiam as relações de trabalho, isto é, um dono ou mais e seus empregados em uma relação burocrática, centralizada e vertical.

Já na Economia Solidária, os empreendimentos formam-se a partir das necessidades dos seus membros e com a responsabilidade de manutenção da subsistência de suas famílias, sendo o excedente comercializado. A relação entre os cooperados, trabalhadores é adhocrática, distributiva e em redes.

Na Economia Solidária, os trabalhadores unem-se em forma de associação ou cooperativa a fim de tentarem mudar suas realidades e a realidade daqueles que partilham das mesmas necessidades. Essa estrutura de propriedade é complexa à medida que as decisões devem ser tomadas de forma conjunta por todos os membros do empreendimento.

Todos são responsáveis pela gestão, ou seja, implicitamente quanto mais complexa a estrutura organizacional, maior será o empenho para a construção das redes de gestão do empreendimento. Apesar de todas as complexidades e obstáculos dessa proposta, é inegável que Paul Singer, revolucionariamente, vislumbrou o caminho para a emancipação do trabalhador e a desalienação da força de trabalho.

Para Singer, os novos e positivos sentidos do trabalho, da autogestão, da democratização do capital e do processo de organização laboral proporcionariam a superação do sistema capitalista por meio da propriedade coletiva dos meios de produção. Atualmente, graças a esse grande intelectual e militante, professores, pesquisadores, técnicos, pequenos produtores urbanos e rurais levam adiante a ideia de que outra forma de economia é possível.

Se os economistas, em geral, são classificados como distantes da sociedade e prolixos nos argumentos, esse com certeza não foi o caso de Paul Singer. À frente da Senaes coordenou quase 500 mil famílias assentadas e quase sua totalidade praticando algum tipo de cooperativismo.

Em virtude de sua teoria e práxis assentamentos foram viabilizados economicamente e trabalhadores tiveram acesso a terra, saúde, educação e formação, desenvolvendo cadeias produtivas baseadas na comercialização solidária e no comércio justo.

Singer faleceu, 86 anos depois, em um país onde há uma escalada de violência e de intolerância, inclusive a imigrantes, como Singer um dia foi. Um país que está absorvendo valores como meritocracia, competição e individualismo, perdendo, assim, a capacidade de cooperação, de coletividade e de solidariedade, que um dia Singer enxergou como potencial desenvolvimentista na nossa sociedade.

O trabalho e o legado de Singer, desse modo, nunca foram tão necessários. A Economia Solidária, os estudos de desenvolvimento urbano e demografia ajudam tanto os intelectuais a pensarem e a pesquisarem novas estratégias e possibilidades quanto, também, impactam diretamente àqueles mais necessitados economicamente.

Por meio da Economia Solidária, Paulo, como gostava de ser chamado, encontrou fundamentação teórica e prática para compatibilizar valores solidários (empatia, cooperação, comprometimento) com um modelo de produção mais justo.

* Isaías Albertin de Moraes é economista, professor substituto do Departamento de Educação, Ciências Sociais e Políticas Públicas da Unesp/Franca.

* Hermano Caixeta é economista e doutorando em Economia do Desenvolvimento pela UFRGS.

Fonte: Oscar Alejandro Fabian D Ambrosio – ACI



A comunicação educativa no processo de retomada social

Alguns governos municipais e estaduais, a partir desse mês, começam a criar e implementar um plano de retorno às atividades comerciais, culturais, educacionais, entre outras.


Direita ou esquerda? Atenção aos atalhos!

Você deve estar pensando: lá vem mais um textão sobre reflexões políticas. Mas não é disso que vamos tratar aqui.


George Floyd: o racismo não é invencível

Na cidade de Minneapolis nos Estados Unidos, no dia 25 de maio de 2020, assistimos mais um triste e vergonhoso capítulo da violência policial contra um homem negro.


Quem lê para os filhos compartilha afetos

Neste momento em que tantas crianças aqui e mundo afora estão isoladas em casa, longe de colegas, amigos e com uma nova rotina imposta, é muito importante que os pais leiam para elas.


SUS: o desafio de ser único

Começo pedindo licença ao economista Carlos Octávio Ocké-Reis, que é doutor em saúde coletiva, para usar o nome de seu livro como título deste artigo.


Poderes em conflito – Judiciário x Executivo

Os Poderes da união que deveriam ser independentes e harmônicos entre si, cada qual com suas funções e atribuições previstas na Constituição, nos últimos dias, não têm se mostrado tão harmônicos.


A Fita Branca

Em março de 1963, um ano antes do golpe que defenestrou o governo populista de João Goulart, houve um episódio que já anunciava, sem ranhuras, o que estava por vir.


Como ficarão as aulas?

O primeiro semestre do ano letivo de 2020 está comprometido, com as crianças, adolescentes e jovens em casa, nem todos entendendo bem o que está acontecendo, principalmente as crianças menores.


Dizer o que não se disse

A 3 de Janeiro de 1998, Fernando Gomes, então Presidente da Câmara Municipal do Porto, apresentou o livro de Carlos Magno: “O Poder Visto do Porto - e o Porto Visto do Poder”.


Pegando o ônibus errado

Certo dia, o cidadão embarca tranquilamente na sua costumeira condução e, quadras depois da partida, em direção ao destino, percebe que está dentro do ônibus errado.


Resiliência em tempos de distanciamento social

Em meio à experiência que o mundo todo está vivendo, ainda não é possível mensurar o impacto do distanciamento social em nossas vidas, dada a complexidade desse fenômeno e a incerteza do que nos aguarda.


Nasce a organização do século 21

Todos sabemos que a vida a partir de agora – pós-epidemia ou período de pandemia, até termos uma vacina – não será a mesma.