Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Paulo Guedes e a reforma Previdenciária

Paulo Guedes e a reforma Previdenciária

10/04/2019 Bady Curi Neto

A reforma é vital não só para o desenvolvimento do Brasil, mas, principalmente, para o futuro da própria Previdência.

Os brasileiros assistiram ansiosos a explicação do ministro Paulo Guedes da necessária e imperiosa reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça na Câmara dos Deputados Federais.

A reforma em questão é vital não só para o desenvolvimento do Brasil, mas, principalmente, para o futuro da própria Previdência, sabidamente falida, como pode ser observado pelas crises dos estados da federação, que se quer consegue honrar a folha de pagamento de seus funcionários e aposentados.

O que deveria ser uma comissão para elucidação dos deputados e a verificação dos aspectos constitucionais do projeto da reforma enviada pelo Poder Executivo, transformou em um triste espetáculo de agressões ao ministro convidado pelos deputados oposicionistas, principalmente aqueles que apoiaram o atual condenado e ex-presidente Lula e da defenestrada Dilma Rousseff por crime de responsabilidade.

Tudo levou a crer que os representantes eleitos oposicionistas ligados ao Partido dos Trabalhadores preferiram o enfrentamento, do que sanar possíveis dúvidas através de perguntas diretas. A toda hora intercalavam indagações com hostilidade contra o convidado ou ao governo Bolsonaro.

Paulo Guedes respondeu a todas as perguntas com embasamento técnico, sempre alertando que o projeto é do executivo, mas a decisão é, por evidente, do congresso que pode aprová-la in totum, em parte, adequá-la ou mesmo reprová-la.

Depois de muita provocação, acusado de mentiroso, discursos políticos e perguntas fora da pauta daquela sessão, a exemplo da tributação sobre grandes fortunas, dividendos, o ministro fora interrompido, de forma grosseira, no seu momento de respostas.

A inadequada postura de alguns parlamentares petistas levou o ministro, em tom enérgico, dizer algumas verdades àqueles deputados: “Eu ouvi todo mundo falar por três minutos cada um. As provocações que me fazem, fale a verdade, se é para provocação. Vocês estão a quatro mandados no poder, por que não botaram o imposto sobre dividendo? Por que deram benefícios para bilionários? Por que deram dinheiro para a JBS? Por quê? Vocês estiveram no governo por 16 anos, nós estamos a três meses e não tiveram coragem de mudar”.

Após “bater na cangalha para ver se o burro escuta”, como dito no antigo ditado popular e arrefecido os ânimos, Paulo Guedes, respondeu a indagação do porque não cortou a aposentadoria dos militares, “Cortem vocês, vocês são o poder, vocês têm medo de fazer isto? Vocês são o Congresso Nacional”.

Reiniciada a sessão, o deputado petista, Zeca Dirceu, filho de José Dirceu, condenado na justiça no processo do Mensalão e da Lava Jato, de forma grosseira, inescrupulosa chamou o ministro de “tchutchuca”, o que fez acirrar os ânimos novamente e pôr término na sessão da CCJ. Mais uma vez, socorre-se ao adagiário popular, “quem sai aos seus não se degenera”.

Espera-se que a batida da cangalha tenha servido para que a oposição acorde, assumindo suas responsabilidades, deixando os discursos meramente políticos, e percebam que a reforma da Previdência não é um projeto exclusivo do governo Bolsonaro, mas um problema da população brasileira que há de ser resolvida. E com a palavra o Congresso Nacional!

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Mudança de regras nas eleições

A capacidade de expor ideias vai decidir as eleições de 2020.


Lucro do carnaval vale mais que a saúde dos brasileiros?

Parece-nos uma grave insensatez de nossas autoridades governamentais em permitirem a realização dos festejos carnavalescos no país em meio à epidemia do coronavírus.


O que combina com a liberdade e a vida

Todo ser humano deveria ter direito, desde o berçário, à moradia, à alimentação, à saúde, aos estudos, à segurança e ao transporte.


A história sempre se repete

Quando não me apetece ler, folheio os livros da minha modesta biblioteca. Leio umas linhas e torno a fechá-los. Montaigne – se não estou em erro, – fazia o mesmo.


O marketing do Brazil com o profissionalismo do Brasil

O marketing do Brasil não é trabalho para amadores.


O coração, morada do amor e dos sentimentos, é terra que ninguém pisa

Qual coração não guarda seus segredos? Fantasias, desejos?


Achegas para obter uma biblioteca

Conta-se, que certa manhã, Camilo, estando na Praça Nova, no Porto, encontrou negociante seu conhecido, sobraçando grande quantidade de livros.


A tragédia da vida ecoa na arte

Há 75 anos, uma guerra dividia almas e famílias.


Serro: 318 anos de história

Neste mês de janeiro a tricentenária cidade do Serro chega aos seus 318 anos.


Insight sobre a sua carreira profissional

Atualmente, a taxa de desemprego em nosso país ficou em 11,8% no trimestre encerrado em setembro, atingindo 12,5 milhões de pessoas, conforme dados do IBGE.


Educação Inclusiva para quem?

Há algumas décadas, nosso país já pensa na educação de pessoas ditas como “com deficiência”.


Muita calma em 2020!

Todo fim de ano vemos o tradicional corre-corre de festas, confraternizações, as luzes decorativas iluminando as cidades e mais pessoas e veículos transitando pelas cidades.