Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Pavão da política brasileira

Pavão da política brasileira

01/10/2017 Renan Antônio da Silva

O Brasil é indubitavelmente único.

É improvável que alguma nação no mundo faça um uso tão decrépito da política como é feito no Brasil. Não é a política o nosso problema, nunca foi. Essa pretensa aversão incutida nas massas contra a política e políticos, sendo que alguns chegarão a se eleger sob a égide de que “não são políticos, mas gestores”, é, como Marx dizia no século XIX, a síntese de toda dialética hegeliana, num transtorno social gravíssimo que acomete o Brasil.

Com essa síntese inacabada, vemos que o Brasil, por meio de suas classes políticas dominantes, desde muito tempo, usam todos os meios possíveis para manobrar a superestrutura, remodelando a infraestrutura e estrutura, ao invés de ocorrer o processo comum. A História é uma excelente tutora para compreendermos o presente.

A historiografia é a mãe que necessitamos para compreender por quê algumas coisas são, outras não foram e, pior, porque alguma são e foram ao mesmo tempo. O Brasil é forjado em todos os sentidos, como Gilberto Freyre disse, na Casa Grande e a Senzala.

Logo, quando vemos o desenvolvimento da política brasileira, entre mitos e verdades, humanos e divinos, sempre na busca do herói salvador, na concepção sebastianista de que alguém nos resgatará dessa falta de pudor, perdemos os rumos do que realmente era importante e necessário à nação.

Roma compreendeu o contexto e deu direções claras para Inquisição brasileira sobre o que perscrutar: crimes contra a fé e heresias, fiscalizar os estudantes e cuidar dos miseráveis. Não deveriam se envolver em questões de moral, algo que muitos entenderam como uma permissão para violação de votos perpétuos e, então, constituíram famílias.

Outra diretriz clara: não se envolverem nas questões do padroado porque essa era uma concessão do pontífice e assim deveria ser observada a soberania temporal-espiritual da Igreja, sem conflitar com os interesses do que lhes daria o pão, o Estado brasileiro. Isso é a realidade sobre o povo brasileiro, do nosso ponto de vista, o único que tem capacidade de ser o sucesso em tudo.

São como as baratas: desprezados por muitos, desprezíveis por outros, mas os únicos capazes de resistir aos maiores tsunamis mundiais, especialmente os culturais e sociais. Como cantava o poeta e esse é o caso do povo brasileiro: o pavão misterioso, pássaro formoso.

O pavão é lindo, mas seus pés são horrendos, deploráveis e chocantes. É penalizador que tão belo pássaro seja equipado com acessórios tão importantes, mas horríveis.

* Renan Antônio da Silva é Chefe de Gabinete da Reitoria do Centro Universitário Salesiano de São Paulo (UNISAL).



Quando a desinformação é menos tecnológica e mais cultural

Cenário é propício para o descrédito de pesquisas, dados, documentos e uma série de evidências de veracidade.


Igualdade como requisito de existência

Na última cerimônia de entrega do EMMY, o prêmio da TV Norte Americana, um ator negro foi premiado, fruto de reconhecimento praticamente unânime de seu trabalho.


Liderança é comunicação, conexão e confiança

Cada dia que passa, percebo que uma boa comunicação e liderança têm total relação com conexão.


“A educação é a arma mais poderosa…” mas para quem?

Tudo o que se cria ou se ensina no mundo tem dois lados. Geralmente as intenções são boas e as pessoas as tornam ruins.


“Golpe do Delivery”

Entregadores usam máquina de cartão para enganar consumidor.


A inclusão educacional e o mês das crianças

O tema da inclusão está na ordem do dia, dominando as agendas no mês das crianças.


A velha forma de fazer política não tem fim

Ser político no Brasil é um grande negócio, uma dádiva caída do céu, visto as grandes recompensas de toda a ordem obtidas pelos políticos.


Procedimento de segurança

“Havendo despressurização…”, anuncia a comissária, em tom calmo, aos ouvidos dos senhores passageiros daquele voo atrasado, sob a umidade e a monocromia do céu de quase inverno.


Envelhecimento: o tempo passa para todos

Todos nós, em algum momento de nossas vidas, já ouvimos a frase: “o tempo passa para todos”.


Os passos para encontrar a si mesmo e a Deus

Mar da Galileia, Mar de Tiberíades ou Lago de Genesaré, um lugar significativo de tantos milagres e narrativas do Evangelho.


A babá e o beijo

Se eu tinha dúvidas, agora não tenho mais.


A despolitização do Supremo Tribunal Federal

Não pode funcionar bem e com total isenção uma corte ou tribunal de indicação e nomeação política.