Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Pedrógão Grande, tragédia no coração português

Pedrógão Grande, tragédia no coração português

23/06/2017 Amadeu Roberto Garrido de Paula

Não foi o primeiro nem será o último fogaréu das matas.

A tragédia de Portugal, neste momento, foi o confinamento de uma área habitada no interior das florestas em chamas. Não havia saídas, segundo os testemunhos de vítimas sobreviventes.

As estradas vicinais - de baixo e de cima - foram tomadas pelas cinzas e detritos e o espectro do fogo. O inferno. Os fugitivos, em pânico, trombaram seus automóveis. Sucederam-se as mortes, as queimaduras graves, o terror.

Pedrógrão Grande, característico por suas belezas naturais, suas relíquias presentes desde a idade do bronze, revelou-se um funil labiríntico. A natureza emitiu uma resposta raivosa contra o homem. Não se a agride sem resposta.

Obviamente, foi apenas um capítulo do drama no convívio homem-natureza. Incêndios inusuais já devastaram o Alasca, a Indonésia, o Canadá, os Estados Unidos, a França, a Espanha e a Ilha da Madeira, em Portugal. Outros virão, se nada for feito. E o homem é capaz de fazer. Ou desfazer o que não deveria ter feito.

Reze-se para que os incêndios florestais não confinem outras regiões escanteadas, pequenas, belas, habitadas, mas sem saída. Há momentos em que a única alternativa humana é a fuga e, desta feita, a natureza demonstrou que pode obstar a escapada. Contudo, o problema é conhecer as causas e agir para erradicá-las.

Aumento do aquecimento global acima de 2,0 graus celsius já é o primeiro fator. Geram temperaturas, em certos momentos, acima de 37%, o que é um grande sinal de alerta. Depoimentos deram conta de que, em plena noite alta, no instante da erupção do fogo, a temperatura atingia 45%.

A velha e veneranda Coimbra, situada a 50 km do incêndio, sentiu o escurecimento e o sufocamento de seus habitantes. O amor em Portugal, tão lindo, por pouco não ficou incandescente, não como o amor extremo, mas como o ódio dos demônios alimentados pelos humanos. Incêndios florestais não são necessariamente maus.

Mato é devastado, não raro, para dar lugar a árvores frondosas. O grande problema é a ação humana, na busca tresloucada pelo crescimento econômico e de supostos valores tecnológicos e industrializados, sem dar a mínima para as restrições naturais. Estas sempre houve, desde que a espécie humana logrou assentar-se neste ponto do universo.

Em suma, a natureza pode ser modificada e aproveitada por nossa espécie, desde que seus limites sejam respeitados. E há um ciclo perverso: o aquecimento gera a queima das florestas e os incêndios recrudescem o aquecimento. A evolução natural nos trouxe a este ponto civilizatório e podemos e devemos evoluir.

Como disse Aldous Huxley, em parceria com a natureza; não há combate e vitória sobre a natureza; há uma evolução conjunta de suas tendências e da inteligência do homo sapiens, que, ao desprezar a companheira, paga um alto preço pela separação.

* Amadeu Roberto Garrido de Paula é Advogado e sócio do Escritório Garrido de Paula Advogados.



Os candidatos avulsos e os partidos

Por iniciativa do ministro Luiz Roberto Barroso, o STF (Supremo Tribunal Federal) abre a discussão sobre a as candidaturas avulsas, onde os pretendentes a cargo eletivo não têm filiação partidária.


Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.