Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Pedrógão Grande, tragédia no coração português

Pedrógão Grande, tragédia no coração português

23/06/2017 Amadeu Roberto Garrido de Paula

Não foi o primeiro nem será o último fogaréu das matas.

A tragédia de Portugal, neste momento, foi o confinamento de uma área habitada no interior das florestas em chamas. Não havia saídas, segundo os testemunhos de vítimas sobreviventes.

As estradas vicinais - de baixo e de cima - foram tomadas pelas cinzas e detritos e o espectro do fogo. O inferno. Os fugitivos, em pânico, trombaram seus automóveis. Sucederam-se as mortes, as queimaduras graves, o terror.

Pedrógrão Grande, característico por suas belezas naturais, suas relíquias presentes desde a idade do bronze, revelou-se um funil labiríntico. A natureza emitiu uma resposta raivosa contra o homem. Não se a agride sem resposta.

Obviamente, foi apenas um capítulo do drama no convívio homem-natureza. Incêndios inusuais já devastaram o Alasca, a Indonésia, o Canadá, os Estados Unidos, a França, a Espanha e a Ilha da Madeira, em Portugal. Outros virão, se nada for feito. E o homem é capaz de fazer. Ou desfazer o que não deveria ter feito.

Reze-se para que os incêndios florestais não confinem outras regiões escanteadas, pequenas, belas, habitadas, mas sem saída. Há momentos em que a única alternativa humana é a fuga e, desta feita, a natureza demonstrou que pode obstar a escapada. Contudo, o problema é conhecer as causas e agir para erradicá-las.

Aumento do aquecimento global acima de 2,0 graus celsius já é o primeiro fator. Geram temperaturas, em certos momentos, acima de 37%, o que é um grande sinal de alerta. Depoimentos deram conta de que, em plena noite alta, no instante da erupção do fogo, a temperatura atingia 45%.

A velha e veneranda Coimbra, situada a 50 km do incêndio, sentiu o escurecimento e o sufocamento de seus habitantes. O amor em Portugal, tão lindo, por pouco não ficou incandescente, não como o amor extremo, mas como o ódio dos demônios alimentados pelos humanos. Incêndios florestais não são necessariamente maus.

Mato é devastado, não raro, para dar lugar a árvores frondosas. O grande problema é a ação humana, na busca tresloucada pelo crescimento econômico e de supostos valores tecnológicos e industrializados, sem dar a mínima para as restrições naturais. Estas sempre houve, desde que a espécie humana logrou assentar-se neste ponto do universo.

Em suma, a natureza pode ser modificada e aproveitada por nossa espécie, desde que seus limites sejam respeitados. E há um ciclo perverso: o aquecimento gera a queima das florestas e os incêndios recrudescem o aquecimento. A evolução natural nos trouxe a este ponto civilizatório e podemos e devemos evoluir.

Como disse Aldous Huxley, em parceria com a natureza; não há combate e vitória sobre a natureza; há uma evolução conjunta de suas tendências e da inteligência do homo sapiens, que, ao desprezar a companheira, paga um alto preço pela separação.

* Amadeu Roberto Garrido de Paula é Advogado e sócio do Escritório Garrido de Paula Advogados.



Aviso e anúncios nas redes sociais

Ao abrir, hoje, a minha rede social para ver as publicações de meus amigos, deparei, varado, com aviso, informando-me que certa matéria, colocada por mim, era parcialmente falsa.


Nexialista: o profissional plural do futuro ou de hoje?

Que o mercado de trabalho tem se transformado de forma cada vez mais acelerada, e o nível de exigência por profissionais talentosos é crescente dentro das empresas, todo mundo já sabe; não é verdade?


Onde a geração Z investe

O último Anuário de Retorno de Investimentos Globais do Credit Suisse, entre outras coisas, apresenta um raio-x de alternativas de financiamento para a Geração Z, aqueles que nasceram entre 1995 e 2000.


A CPI pariu um rato

Fosse hoje vivo, é o que Horácio, o pensador satírico romano diria sobre a CPI da Covid.


Como identificar um ingresso falso?

Com recorrência vemos reportagens abordando diferentes fraudes e golpes que aparecem no mercado.


A primeira visita de D. Pedro a Vítor Hugo

O livro: "Vitor Hugo chez lui", inclui a curiosa visita, realizada pelo Imperador, a 22 de Maio de 1877, ao célebre poeta.


São Frei Galvão, ‘Homem de paz e caridade’

A Igreja celebra, em 25 de outubro, a Festa de Santo Antônio de Sant’Anna Galvão, que na devoção popular é conhecido como “São Frei Galvão”.


CPI da Covid desviou-se e não sabe como terminar

Chegamos ao cume da montanha de inconveniências que povoam o cenário contemporâneo da política brasileira.


Sentimentos e emoções provocadas pela série “ROUND 6”

Nas últimas semanas estamos vivenciando uma série de críticas, comentários, “spoilers” e reflexões sobre a série sul-coreana de maior sucesso da plataforma Netflix: “Squid Game” ou “Round 6”.


Perdas e ganhos dos médicos “filhos” da pandemia

A maioria das situações com as quais nos deparamos na vida tem dois lados. Ou, até, mais de dois.


Defensoria Pública da União x Conselho Federal de Medicina

A Defensoria Pública da União (DPU) ajuizou Ação Civil Pública contra o Conselho Federal de Medicina (CFM), objetivando a condenação por danos morais coletivos no importe, pasmem senhores leitores, não inferior a R$ 60.000.000.00 (sessenta milhões de reais).


Diálogo em vez de justiça

Viver felizes para sempre parece ser um privilégio exclusivo dos casais formados nos contos de fadas.