Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Pedrógão Grande, tragédia no coração português

Pedrógão Grande, tragédia no coração português

23/06/2017 Amadeu Roberto Garrido de Paula

Não foi o primeiro nem será o último fogaréu das matas.

A tragédia de Portugal, neste momento, foi o confinamento de uma área habitada no interior das florestas em chamas. Não havia saídas, segundo os testemunhos de vítimas sobreviventes.

As estradas vicinais - de baixo e de cima - foram tomadas pelas cinzas e detritos e o espectro do fogo. O inferno. Os fugitivos, em pânico, trombaram seus automóveis. Sucederam-se as mortes, as queimaduras graves, o terror.

Pedrógrão Grande, característico por suas belezas naturais, suas relíquias presentes desde a idade do bronze, revelou-se um funil labiríntico. A natureza emitiu uma resposta raivosa contra o homem. Não se a agride sem resposta.

Obviamente, foi apenas um capítulo do drama no convívio homem-natureza. Incêndios inusuais já devastaram o Alasca, a Indonésia, o Canadá, os Estados Unidos, a França, a Espanha e a Ilha da Madeira, em Portugal. Outros virão, se nada for feito. E o homem é capaz de fazer. Ou desfazer o que não deveria ter feito.

Reze-se para que os incêndios florestais não confinem outras regiões escanteadas, pequenas, belas, habitadas, mas sem saída. Há momentos em que a única alternativa humana é a fuga e, desta feita, a natureza demonstrou que pode obstar a escapada. Contudo, o problema é conhecer as causas e agir para erradicá-las.

Aumento do aquecimento global acima de 2,0 graus celsius já é o primeiro fator. Geram temperaturas, em certos momentos, acima de 37%, o que é um grande sinal de alerta. Depoimentos deram conta de que, em plena noite alta, no instante da erupção do fogo, a temperatura atingia 45%.

A velha e veneranda Coimbra, situada a 50 km do incêndio, sentiu o escurecimento e o sufocamento de seus habitantes. O amor em Portugal, tão lindo, por pouco não ficou incandescente, não como o amor extremo, mas como o ódio dos demônios alimentados pelos humanos. Incêndios florestais não são necessariamente maus.

Mato é devastado, não raro, para dar lugar a árvores frondosas. O grande problema é a ação humana, na busca tresloucada pelo crescimento econômico e de supostos valores tecnológicos e industrializados, sem dar a mínima para as restrições naturais. Estas sempre houve, desde que a espécie humana logrou assentar-se neste ponto do universo.

Em suma, a natureza pode ser modificada e aproveitada por nossa espécie, desde que seus limites sejam respeitados. E há um ciclo perverso: o aquecimento gera a queima das florestas e os incêndios recrudescem o aquecimento. A evolução natural nos trouxe a este ponto civilizatório e podemos e devemos evoluir.

Como disse Aldous Huxley, em parceria com a natureza; não há combate e vitória sobre a natureza; há uma evolução conjunta de suas tendências e da inteligência do homo sapiens, que, ao desprezar a companheira, paga um alto preço pela separação.

* Amadeu Roberto Garrido de Paula é Advogado e sócio do Escritório Garrido de Paula Advogados.



“A educação é a arma mais poderosa…” mas para quem?

Tudo o que se cria ou se ensina no mundo tem dois lados. Geralmente as intenções são boas e as pessoas as tornam ruins.


“Golpe do Delivery”

Entregadores usam máquina de cartão para enganar consumidor.


A inclusão educacional e o mês das crianças

O tema da inclusão está na ordem do dia, dominando as agendas no mês das crianças.


A velha forma de fazer política não tem fim

Ser político no Brasil é um grande negócio, uma dádiva caída do céu, visto as grandes recompensas de toda a ordem obtidas pelos políticos.


Procedimento de segurança

“Havendo despressurização…”, anuncia a comissária, em tom calmo, aos ouvidos dos senhores passageiros daquele voo atrasado, sob a umidade e a monocromia do céu de quase inverno.


Envelhecimento: o tempo passa para todos

Todos nós, em algum momento de nossas vidas, já ouvimos a frase: “o tempo passa para todos”.


Os passos para encontrar a si mesmo e a Deus

Mar da Galileia, Mar de Tiberíades ou Lago de Genesaré, um lugar significativo de tantos milagres e narrativas do Evangelho.


A babá e o beijo

Se eu tinha dúvidas, agora não tenho mais.


A despolitização do Supremo Tribunal Federal

Não pode funcionar bem e com total isenção uma corte ou tribunal de indicação e nomeação política.


E o cartão caminhoneiro?

O objetivo é proteger os caminhoneiros da oscilação diária no preço do diesel, durante um serviço de frete.


Raciocínio lógico

Uma das mais reconhecidas competências socioemocionais.


A justiça e a injustiça são antagônicas, não se misturam?

“Há mais coragem em ser justo, parecendo ser injusto, do que injusto para salvaguardar as aparências da Justiça”.