Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Pequenas empresas e o comércio exterior

Pequenas empresas e o comércio exterior

28/05/2007 João Guilherme Sabino Ometto

É estimulante o anúncio do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior de que o Brasil tem como meta alcançar US$ 152 milhões nas exportações em 2007.

A estimativa, 10,5% superior ao resultado alcançado no último exercício, está baseada num número maior de quantidades embarcadas em relação a 2006 e não no aumento de preços lá fora dos produtos já exportados pelo País. Porém, uma questão incomoda quando se analisa a lista de quem está conseguindo negociar seus produtos com outras nações: a baixa participação das micro e pequenas empresas no valor total das vendas externas do Brasil.

Pesquisa divulgada, no final de 2006, pelo Sebrae e a Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (Funcex) aponta que a presença das micro e pequenas empresas no total das exportações brasileiras caiu de 3,1% para 2,7%, entre 2004 e 2005. O mesmo trabalho indica uma diminuição desse tipo de firma nas negociações com o mercado externo, embora elas continuem sendo maioria entre todos os exportadores brasileiros. Há três anos, eram 12.376. Em 2005, caiu para 11.438 empresas.

Não é precisa a estatística sobre a participação das micro e pequenas empresas na marca histórica de negócios do Brasil com o Exterior registrada ano passado. Mas, independentemente do resultado, é fato que, nesse momento de expansão do comércio internacional, as micro e pequenas empresas têm ainda contribuído muito pouco em termos de vendas para as exportações.

A Itália, por exemplo, o índice de participação das empresas de pequeno porte nas vendas para outros países é de 58% (dados da Fiesp). Lá, as organizações contam com alto grau de especialização nisso, com forte estrutura organizacional, que, em sua grande maioria, estão constituídas em clustrers (grupos de negócios), com forte incentivo do governo, para serem competitivas no Exterior. Nesse aspecto, vale ressaltar que a Fiesp criou sete Arranjos Produtivos Locais (APLs), baseado no modelo de cluster italiano, para os setores de confecção (cama, mesa e banho), móveis, e, mais recentemente, de plásticos, que também tem sido estimulados a participar do mercado internacional.

Porém, os altos custos para exportar, o escasso financiamento dos bancos oficiais para estimular a produção e venda para o Exterior, o preço do seguro de crédito à exportação, a barreira da língua, a burocracia, a falta de divulgação da Marca Brasil e o retorno do investimento a longo prazo são as maiores reclamações das empresas nacionais quando a questão é se relacionar com o Exterior. Soma-se a isso os entraves cambiais, que desestimula a competitividade, gerando, inclusive, uma reação em sentido contrário, com a entrada de produtos importados no País concorrentes de produtos nacionais fabricados pela micro e pequenas empresas; além da  dificuldade de se obter crédito a juros compatíveis para incrementar os negócios. Por outro lado, a isenção fiscal do produto exportado pelas empresas inscritas no Simples e o incentivo a criação de consórcios, previstos na Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas, podem ajudar a estimular a participação do País no mercado internacional. No entanto, essa lei precisa ser urgentemente regulamentada.

 

Em termos do número de empresas brasileiras exportadoras, o ano de 2005 registrou um total de 17.110 que realizaram alguma operação de venda externa no ano. Isto significou redução de 853 empresas em comparação ao exercício anterior (menos 4,7%). Há projetos de incentivo e apoio de exportação para micro e pequenas empresas em diversos órgãos — públicos e privados (como já citado).

Porém, constata-se que isso precisa ser ainda mais incrementado. Verifica-se, na mesma pesquisa citada anteriormente, que entre as micro e pequenas empresas tem crescido ao longo dos últimos anos a prática de exportação de maneira sistemática e contínua. Isso é muito positivo e tem a ver com a conquista de cultura exportadora do empreendedor brasileiro.

No Brasil, as micro e pequenas representam mais de 90% das empresas formais, absorvendo um contingente expressivo de mão-de-obra.  O número é significativo e dá a dimensão do quanto elas podem participar deste promissor mercado internacional.

*João Guilherme Sabino Ometto, engenheiro (EESC/USP), é vice-presidente da Fiesp. Recentemente, chefiou missão empresarial da entidade em Parma e Milão.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.