Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Perspectivas do setor de saúde suplementar para o pós-pandemia

Perspectivas do setor de saúde suplementar para o pós-pandemia

22/12/2020 Rodrigo Felipe

A epidemia do novo coronavírus causou uma grande instabilidade em diversos setores e não foi diferente com a saúde suplementar – atividade que envolve a operação de planos e seguros privados de assistência médica à saúde.

Além de promover reflexões quanto a alteração de comportamentos, relevância da tecnologia, reinvenção da formação médica e entre outros, a pandemia destacou a importância de que as empresas do segmento investissem de forma mais intensa em gestão, planejamento e poder de reação.

Essa mudança de visão é somente uma das várias transformações que se fizeram presentes nos últimos meses e que irão guiar os próximos passos dos empreendimentos do setor no período pós-covid.

A crise atual sinaliza o fim de uma era para os vários segmentos responsáveis pelo avanço da economia nacional e também aponta para um futuro composto por novas tendências, que irão gerar oportunidades para empresas de diferentes tipos.

As operadoras de saúde suplementar, por exemplo, serão fortemente favorecidas no pós-pandemia, desde que desempenhem a gestão inteligente de seus custos assistenciais.

Com esse contexto, a tendência é que o mercado de planos de saúde ganhe um grande impulso, o que antecipará o processo de consolidação do setor.

A procura pela eficiência de recursos conduzirá a gestão empresarial nos próximos anos e será um fator fundamental para a sobrevivência e sucesso de negócios, principalmente, os da área da saúde.

Ao longo da pandemia, muitas empresas fecharam ou reduziram suas equipes de trabalho, isso contribuiu diretamente para o aumento do desemprego.

Todo este cenário resultou na perda de adeptos ao plano de saúde, crescimento da inadimplência entre pessoas que optaram por manter os seus planos e a elevação da sinistralidade. Entretanto, acredito que essa situação mudará no pós-pandemia.

Digo isso porque com o fim da crise causada pela disseminação da covid-19, as pessoas darão maior foco a adoção de uma vida mais saudável, terão mais atenção quanto a higiene básica e serão mais cuidadosas ao se exporem em ambientes públicos.

Essas mudanças trarão à tona a consciência sobre a relevância da medicina preventiva e até mesmo, de maiores investimentos em saneamento básico.

A demanda por operadoras de saúde com produtos de atenção primária bem delineados irá crescer bastante entre as populações presentes em zonas de grande contaminação pelo vírus.

Após a crise imposta pela covid-19, as operadoras poderão criar e oferecer produtos para a assistência de públicos específicos. Isso pode ajudar a equilibrar as despesas e custos das mesmas, tendo por base a integralização do cuidado.

Outras tendências que terão destaque na saúde suplementar após a pandemia serão o crescimento da adesão a telemedicina e do uso de inovações tecnológicas na área da saúde; o aumento da percepção quanto a importância de se ter um plano de saúde; a ampliação do acesso a saúde; o desenvolvimento de clínicas populares; e a ascensão da consolidação: contexto no qual as operadoras de menor eficiência deixam o mercado ou são absorvidas por organizações de maiores proporções por meio das práticas de fusão e aquisição.

Com o fortalecimento da saúde suplementar, as operadoras terão um melhor preparo para agir diante possíveis crises e contarão com uma governança corporativa mais estruturada e competente. Estas características serão essenciais ao êxito de qualquer empresa do setor.

* Rodrigo Felipe é presidente do Grupo First e idealizador da operadora de planos de saúde You Saúde.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



A violência e o exemplo dos parlamentos

O péssimo exemplo que os políticos, em geral, dão nos parlamentos, insultando, ridicularizando os antagonistas, leva, por certo, a população a comportar-se de modo semelhante.


Brasileiro residente no exterior, por que fazer um planejamento previdenciário?

É muito comum no processo emigratório para o exterior ter empolgação e expectativas sobre tudo o que virá nessa nova fase da vida.


LGPD: é fundamental tratar do sincronismo de dados entre todas as aplicações

Se um cliente solicita alteração nos dados cadastrais ou pede a sua exclusão da base de dados que a empresa possui, o que fazer para garantir que isso ocorra em todos os sistemas e banco de dados que possuem os dados deste cliente ao mesmo tempo e com total segurança?


As gavetas que distorcem a vida política do país

Finalmente, está marcada para terça-feira (30/11), na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, a sabatina do jurista André Mendonça, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar a vaga decorrente da aposentadoria do ministro Marco Aurélio, no Supremo Tribunal Federal.


O novo normal e a justiça!

Não restam dúvidas que o avanço tecnológico veio para melhorar e facilitar a vida das pessoas.


Repousar de fadigas, livrar-se de preocupações

O dicionário diz que descansar é repousar de fadigas, livrar-se de preocupações.


O fim da violência contra a mulher é causa de direitos humanos

O dia 25 de novembro marca a data internacional da não-violência contra as mulheres.


A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.


O gênero “neutro” ou a “neutralização” de gênero

Tenho visto algumas matérias sobre a “neutralização” do gênero na língua portuguesa, no Brasil, algumas contra e algumas a favor. Digo no Brasil, porque em Portugal não vejo isto.