Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Plano Nacional da Educação é política prioritária

Plano Nacional da Educação é política prioritária

24/10/2018 Benedito Guimarães Aguiar Neto

Educação não tem sido tema prioritário nos debates levados a efeito nesta corrida presidencial.

Plano Nacional da Educação é política prioritária

E se analisados os respectivos programas de campanha, muito menos o referido tema ocupa espaço de prioridade, não obstante os nossos índices, tanto da educação básica quanto da educação superior, serem raquíticos e ameaçados a um estado ainda mais desfavorável.

Considerando que as eleições deste ano são decisivas para a reversão da crise política e econômica nacional, e sua repercussão no processo de desenvolvimento dos sistemas educacionais vigentes no país, o Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras (CRUB), em conjunto com as associações dos distintos segmentos do Ensino Superior, encaminhou carta aos candidatos à Presidência da República.

O documento contém propostas para o cumprimento efetivo, no novo governo, das metas estabelecidas no Plano Nacional de Educação (PNE), instituído pela Lei 13.005/2014. A premissa basilar é a sua efetiva execução como política prioritária de Estado.

Nesse sentido, a primeira recomendação é a melhoria da escolaridade de crianças e adolescentes, a partir do aperfeiçoamento do Programa Nacional de Formação de Professores da Educação Básica (Parfor), levando-se em conta que a capacitação e valorização trabalho docente é essencial para o sucesso dessa meta.

Com o mesmo propósito, são sugeridas linhas especiais do FIES para as licenciaturas e a criação de uma linha específica do Prouni para esta finalidade. Também são importantes a criação de programas de apoio voltados à inovação didático-pedagógica, como forma de melhoria dos processos de ensino e aprendizagem, sobretudo aplicados à educação básica.

Quanto ao Ensino Superior, é levantada a grande preocupação quanto à evasão observada tanto, nas IES públicas quanto privadas. O Censo da Educação superior, publicado recentemente, mostra uma redução no valor absoluto do número de matrículas, resultado já esperado em razão da contínua queda da taxa de crescimento de matrículas ao longo dos últimos 4 anos.

O fortalecimento do Sistema Nacional de Pós-graduação, com a recuperação orçamentária de organismos como o CAPES e a CNPq, é uma questão fundamental pelo papel estratégico das referidas agências de fomento para o desenvolvimento científico e tecnológico do país por meio do apoio à manutenção e ampliação de programas de mestrado e doutorado, tanto acadêmicos quanto profissionais.

Para o aumento do número de matrículas no Stricto Sensu e permanência do aluno, é sugerida a expansão do FIES para tal modalidade. É fundamental, ainda, a manutenção dos atuais programas de apoio a P&D, no âmbito do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações e de seus órgãos de fomento.

Obviamente, tais avanços implicam maior aporte de recursos, cuja insuficiência está atrelada ao não cumprimento de uma das metas cruciais do PNE, que é a destinação do equivalente a 10% do PIB ao ensino. Estamos distantes disso, inclusive devido aos sucessivos cortes orçamentários, agravados pela PEC 95, que instituiu o teto de gastos para o setor público. Assim, a escassez de investimentos em formação e pesquisa, alicerces do processo educativo, desestimula o universo da educação, a começar pela redução do número de alunos, em função da anunciada possibilidade de redução do número de bolsas.

Por isso, espera-se que o próximo governo reveja o limite orçamentário do setor, buscando cortar despesas em áreas menos prioritárias, em especial no custeio de atividades supérfluas no contexto de uma agenda séria de desenvolvimento. Fontes alternativas de receitas seriam fundos patrimoniais, permitindo-se a doação de recursos às universidades públicas e privadas, por meio de incentivos fiscais, a exemplo do que ocorre com sucesso nos países desenvolvidos.

Outra providência premente a ser adotada pelo próximo governo diz respeito ao restabelecimento pleno da autonomia universitária, preceito consagrado na Constituição de 88, promulgada em 5 de outubro de 1988, que completa 30 anos exatamente no mês das eleições. Tal medida também é essencial para a viabilidade do PNE.

Infelizmente, esse princípio tem sido subvertido nessas três décadas, conforme evidenciam incontestáveis exemplos: Emenda Constitucional 95/2016, que institui o novo regime fiscal e limitou os gastos com a Educação; incontáveis decretos, portarias, normas técnicas que regulamentam de forma excessiva os processos educacionais, cerceando a “livre” iniciativa, bem como a Portaria 328/2018, que dispõe sobre a suspensão do protocolo de pedidos de aumento de vagas e de novos editais de chamamento público para autorização de cursos de graduação em medicina, uma interferência sem precedentes.

Também violam a autonomia, os instrumentos de avaliação dos cursos e instituições de Ensino Superior divulgados em 2017, sem a devida participação dos segmentos organizados da educação superior do país. O mesmo se aplica às constantes alterações normativas, que, via de regra, criam obrigações não previstas na Lei de Diretrizes e Bases da Educação e até mesmo restringem a realização de vestibulares por universidades e centros universitários.

Gestão competente da política econômica, reequilíbrio fiscal, realização das reformas tributária e previdenciária e melhoria do ambiente de negócios são essenciais para o Brasil vencer a presente crise e retomar o crescimento.

Porém, a elevação de nossa economia para uma maior distribuição de renda e a melhoria dos indicadores sociais, incluindo a redução da criminalidade, somente serão conquistados se tivermos qualidade no ensino em todos os seus níveis, da infância à universidade e educação continuada. Só a educação conduz ao desenvolvimento!

* Benedito Guimarães Aguiar Neto é presidente do Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras (CRUB) e Reitor da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Fonte: Imprensa Mackenzie



Quando a desinformação é menos tecnológica e mais cultural

Cenário é propício para o descrédito de pesquisas, dados, documentos e uma série de evidências de veracidade.


Igualdade como requisito de existência

Na última cerimônia de entrega do EMMY, o prêmio da TV Norte Americana, um ator negro foi premiado, fruto de reconhecimento praticamente unânime de seu trabalho.


Liderança é comunicação, conexão e confiança

Cada dia que passa, percebo que uma boa comunicação e liderança têm total relação com conexão.


“A educação é a arma mais poderosa…” mas para quem?

Tudo o que se cria ou se ensina no mundo tem dois lados. Geralmente as intenções são boas e as pessoas as tornam ruins.


“Golpe do Delivery”

Entregadores usam máquina de cartão para enganar consumidor.


A inclusão educacional e o mês das crianças

O tema da inclusão está na ordem do dia, dominando as agendas no mês das crianças.


A velha forma de fazer política não tem fim

Ser político no Brasil é um grande negócio, uma dádiva caída do céu, visto as grandes recompensas de toda a ordem obtidas pelos políticos.


Procedimento de segurança

“Havendo despressurização…”, anuncia a comissária, em tom calmo, aos ouvidos dos senhores passageiros daquele voo atrasado, sob a umidade e a monocromia do céu de quase inverno.


Envelhecimento: o tempo passa para todos

Todos nós, em algum momento de nossas vidas, já ouvimos a frase: “o tempo passa para todos”.


Os passos para encontrar a si mesmo e a Deus

Mar da Galileia, Mar de Tiberíades ou Lago de Genesaré, um lugar significativo de tantos milagres e narrativas do Evangelho.


A babá e o beijo

Se eu tinha dúvidas, agora não tenho mais.


A despolitização do Supremo Tribunal Federal

Não pode funcionar bem e com total isenção uma corte ou tribunal de indicação e nomeação política.