Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Plantando tecnologia, agronegócio colhe bons frutos

Plantando tecnologia, agronegócio colhe bons frutos

19/04/2018 José Zuhlke Gonzalez

O agronegócio e a imediata necessidade de investir em tecnologia para que o setor avance.

O agronegócio é um dos setores mais cobiçados pela área de tecnologia da informação e telecomunicações no País. Afinal, de acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), suas exportações contabilizaram nos últimos 12 meses nada menos do que US$ 96,30 bilhões, registrando aumento de mais de 12% em relação ao mesmo período de 2016.

E a região que mais comprou nossos produtos foi a Ásia. Para que o agronegócio nacional se torne ainda mais competitivo no mercado internacional, é preciso investir em tecnologia e assim obter resultados inimagináveis, aplicando recursos disruptivos e ampliando seu potencial de alcance promissor na economia brasileira.

Tudo em prol da produtividade no campo, com fomento da agricultura de precisão – considerada a revolução digital agrícola. A tecnologia, portanto, tem de ser um parceiro ideal no campo. O fornecedor encastelado em seu escritório estará fadado ao insucesso.

Ele necessita estar cada vez mais próximo, entendendo as dores e as expectativas do agronegócio para conseguir oferecer muito além da tecnologia de ponta, e sim uma estratégia assertiva e segura para a sua evolução.

O objetivo é tornar o campo mais automatizado e integrado, por meio de soluções inovadoras que melhorem a gestão e a produtividade em toda cadeia de processos, desde o plantio até a distribuição e entrega de produtos e serviços no mercado global.

Segundo uma pesquisa realizada pela Comissão Brasileira de Agricultura de Precisão (CBAP), cerca de 67% das propriedades agrícolas no Brasil já adotaram algum tipo de tecnologia para auxiliar tanto nas atividades do campo, cultivo e colheita, quanto na gestão dos negócios.

O atendimento de empresas na área de agronegócio requer um cuidado específico, altamente personalizado. Exige muito conhecimento das suas necessidades e para isso o time do fornecedor deve estar sempre atualizado em relação às melhores práticas e à regulamentação local e internacional, além das tendências que estão movimentando o setor, para transmitir confiança ao cliente.

Integração é chave

O diferencial de mercado é o poder das alianças estratégicas com players renomados, que potencializem o portfólio para o segmento, possibilitando alternativas seguras e confiáveis.

Nesse desenho colaborativo, a importância não é somente reunir o que há de melhor em tecnologia do mercado no cardápio, mas ter excelência na forma como integrá-las. Essa é a chave.

Hoje, em meio à transformação digital, necessidade de rápida evolução do negócio com automação de processos, a tecnologia é capaz de proporcionar mais eficiência e precisão ao agronegócio, indicando previamente defensivos para proteção das plantações, por exemplo.

E isso acontece por meio de recursos de Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês), inteligência artificial, entre outros disruptivos. É possível programar automaticamente pedidos de novas remessas de insumos, defensivos e mercadorias, ao integrar soluções inovadoras ao ERP da empresa.

As possibilidades de construção de informações estratégicas por meio da captação de dados de sensores são infinitas. Entre elas, nível de umidade e temperatura, que permitem identificar os defensivos adequados para aquela plantação, e quais pragas estão mais propensas a se proliferar nesse tipo de ambiente, antes mesmo de elas aparecerem.

Todo o esforço tecnológico deve ser alinhado às expectativas mais urgentes desse mercado em ebulição. Engana-se quem ainda não desfez o estereótipo do passado de que o homem do campo está distante das evoluções em tecnologia.

Segundo a Associação Brasileira de Startups, 67% do homem do campo usa Facebook e 96% comunicam-se pelo WhatsApp. O agricultor está conectado e atento ao que há de melhor em tecnologia agrícola e em TI no mundo.

É preciso continuar plantando nesse solo fértil, cultivando a tecnologia em um dos setores de maior potencial do País e fazendo muitos agricultores colherem bons frutos.

* José Zuhlke Gonzalez é IT Executive Director Resource.

Fonte: PLANIN – Assessoria de Imprensa da Resource



Sou uma péssima professora!

Sou uma péssima professora! Primeiramente, porque ser professor não foi minha primeira escolha de carreira.


As ferramentas tecnológicas e a educação

Os avanços tecnológicos podem estar a serviço da Educação, na medida em que permitem um maior acesso à informação e mais rapidez nas trocas do conhecimento.


Eu, professor

Comecei a dar aulas aos 18 anos. Meus alunos, em um supletivo de bairro, eram todos mais velhos que eu.


Gestão pública é o caminho contra a corrupção

A corrupção é pré-requisito do desenvolvimento, já dizia Gunnar Myrdall, Prêmio Nobel de Economia, em 1974.


Quando a desinformação é menos tecnológica e mais cultural

Cenário é propício para o descrédito de pesquisas, dados, documentos e uma série de evidências de veracidade.


Igualdade como requisito de existência

Na última cerimônia de entrega do EMMY, o prêmio da TV Norte Americana, um ator negro foi premiado, fruto de reconhecimento praticamente unânime de seu trabalho.


Liderança é comunicação, conexão e confiança

Cada dia que passa, percebo que uma boa comunicação e liderança têm total relação com conexão.


“A educação é a arma mais poderosa…” mas para quem?

Tudo o que se cria ou se ensina no mundo tem dois lados. Geralmente as intenções são boas e as pessoas as tornam ruins.


“Golpe do Delivery”

Entregadores usam máquina de cartão para enganar consumidor.


A inclusão educacional e o mês das crianças

O tema da inclusão está na ordem do dia, dominando as agendas no mês das crianças.


A velha forma de fazer política não tem fim

Ser político no Brasil é um grande negócio, uma dádiva caída do céu, visto as grandes recompensas de toda a ordem obtidas pelos políticos.


Procedimento de segurança

“Havendo despressurização…”, anuncia a comissária, em tom calmo, aos ouvidos dos senhores passageiros daquele voo atrasado, sob a umidade e a monocromia do céu de quase inverno.