Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Polícia x Criminalidade

Polícia x Criminalidade

03/06/2022 Bady Curi Neto

Novamente assistimos pelos jornais de todo o país e nas redes sociais, a nova operação da Polícia Militar (PM) do Rio de Janeiro que resultou na morte de 12 pessoas e um policial ferido no olho por estilhaços.

Ao saber das notícias, organismos estrangeiros e brasileiros se revoltaram com a atuação da Polícia Militar, acusando-a de excesso de forças.

Alguns chegaram ao descalabro de dizer que uma operação na qual só morrem possíveis bandidos e nenhum policial está desequilibrada. É de se perguntar: Gostariam que morressem policiais militares em vez de bandidos?

Fato é que a operação resultou na apreensão de vários fuzis, drogas e diversas munições. Morreram, também, cinco suspeitos e o chefe do tráfico do morro da Providência.

Havia no local barras de ferros, postas e instaladas propositalmente nas ruas, no intuito de impedir a circulação dos veículos blindados da polícia.

É de questionar: O que pretendem estes organismos alienígenas ou os defensores, com visão distorcida, dos direitos dos “manos”? Que a PM enfrentasse bandidos fortemente armados com revólveres 38?

Que colocassem suas vidas em risco para salvar a dos contraventores? Ou, ainda, que o Estado abandonasse estas comunidades a própria sorte, sendo seus moradores reféns de criminosos?

Não é novidade que nessas comunidades residem bandidos fortemente armados, com arsenal de guerra, prontos para reprimir quaisquer intervenções estatais em sua região e nos seus ilícitos negócios, principalmente o tráfico de drogas.

A verdade é que essas comunidades estão em guerra contra a sociedade organizada, deixando seus moradores, na grande maioria pessoas obreiras, reféns das normas, ordens e políticas impostas pela criminalidade. Não se pode permitir um país com guetos de criminalidade.

Se demonstrado excesso, que sejam punidos, mas o açodamento em condenar as ações policiais, mormente nessas comunidades de alta periculosidade, quase sempre levam a injustiças.

Não creio que os policiais adentraram naquela comunidade atirando a esmo na direção de inocentes. Revidaram, fortemente, as trocas de tiros.

Destaca-se que, como dito, o armamento utilizado pela criminalidade, inclusive alguns apreendidos, são armamentos de longo alcance, obrigando os policiais a revidarem na mesma distância como se estivessem em guerra.

Segundo especialistas, um tiro de fuzil simples, tem energia para ferir e matar a uma distância de 800 metros. Outros alcançam entre 1,2 e 1,5 KM.

Apenas para exemplificar, o raio de letalidade de um fuzil de calibre 7.62 é de 2,5KM. O efeito colateral de uma guerra com este tipo de equipamento é o risco da morte de inocentes.

Exigir que policiais revidem tiros de fuzis com este raio de letalidade com uma pistola 9M ou um 38, cuja o alcance do projétil chega, no máximo a 500 metros, é condená-los à morte.

Lado outro, para a inserção de operações policiais nessas comunidades há uma série de protocolos e exigências, o que a meu ver, não contribui para o controle e diminuição da criminalidade.

Lugares nos quais a Força Estatal não atua, outras forças passam a atuar. Dois corpos não ocupam o mesmo espaço. Não fico feliz com a morte de seres humanos, mas prefiro bandidos mortos que policiais almejados.

Tenho dito!!!

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) e professor universitário.

Para mais informações sobre polícia clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Efeito pandemia: mercado de seguros é alvo da catalização da transformação digital

A pandemia da COVID-19 acelerou novos movimentos de migração de consumidores para o universo online, gerando um salto catalizador para a transformação digital.


Sic transit gloria mundi: o ex-juiz virou réu

Sic transit gloria mundi (toda glória no mundo é transitória), era utilizada no ritual das cerimônias da coroação papal até 1963.


Os riscos do homeschooling para a educação básica no Brasil

O homeschooling ou ensino domiciliar é uma modalidade que se pretende aplicar na educação básica do Brasil.


O futuro já não dura tanto tempo

A situação vivida por uma mulher que, em franco surto psicótico, foi encontrada por seu companheiro mantendo relações sexuais com um homem que vive em situação de rua, dentro de um carro, espalhou-se pelas redes sociais.



Osteopatia: Técnica de medicina complementar é tendência para auto-reparação

A Osteopatia é um método de avaliação e tratamento que busca restabelecer a função da estrutura compreendendo todos os sistemas do corpo sem a utilização de remédios ou intervenção cirúrgica.


Uma imagem vale mil informações

É difícil não se admirar com a quantidade de recursos tecnológicos que temos à nossa mão no mundo contemporâneo.


As inovações e necessidades na retomada dos serviços de campo nos negócios

Quando falamos da necessidade de uma experiência positiva do cliente ao contratar um serviço ou produto, muitas vezes nos referimos à compra e usabilidade, mas não podemos nunca nos esquecer da importância que os serviços de atendimento ao cliente e solução de problemas tem não apenas na fidelização do cliente, mas também na imagem da empresa ao mercado.


A resistência à privatização das estatais

Aprovada na última quarta-feira, pelo TCU (Tribunal de Contas da União), a privatização da Eletrobras causa grande agito nacional.


Conhecimento gera crescimento

O currículo costuma ser a principal referência de uma empresa para entender se um candidato atende ou não aos requisitos que ela necessita para ocupar uma determinada vaga.


Ser mãe é padecer… de cansaço?

Há um ditado que afirma que “ser mãe é padecer no paraíso”, remetendo às contraditórias emoções que seriam desencadeadas pelas vivências cotidianas da maternidade.

Ser mãe é padecer… de cansaço?

Eleições e os bélicos conflitos entre os Poderes

O Presidente da República, Jair Bolsonaro, e, agora, as Forças Armadas estão aumentando a ofensiva contra a transparência e a segurança do processo eleitoral no Brasil.