Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Poluição sonora e as reais consequências para a saúde

Poluição sonora e as reais consequências para a saúde

29/06/2012 Mônica de Sá Ferreira

A poluição sonora é causada por barulho excessivo proveniente do tráfego, buzinas, ambulâncias, carros de som, fábricas, obras, festas ao ar livre, comércio, sirenes, ônibus, motos em alta velocidade, helicóptero.

Nos grandes centros urbanos, os níveis de barulho podem chegar aos 90, 100 decibéis - altíssimos se considerarmos os 50 dB que a Organização Mundial de Saúde considera o limite para a boa saúde auditiva. Há também a poluição sonora dentro de casa, onde é comum termos vários ruídos concomitantes, como TV, liquidificador, máquina de lavar roupas, aspirador de pó, a janela aberta com todo aquele ruído de tráfego, sirenes, carros de som.

O barulho causa uma série de prejuízos transitórios e, até mesmo, permanentes à audição. O mais grave que é a perda auditiva induzida por ruído. No início, a pessoa sente sensação de ouvido tampado, zumbido, estresse, dor de cabeça, mas com a exposição prolongada a sons elevados, começa a ter outros sintomas, como pressão alta, agressividade, cansaço, dificuldade de concentração, insônia e, o pior, uma lesão irreversível nas células do ouvido interno – acarretando uma perda auditiva que só pode ser amenizada com o uso de aparelhos auditivos.

Dentro de ônibus ou caminhões, o ruído pode chegar a 90 dB – limite permitido para, no máximo, 6 horas diárias de exposição. Outros exemplos são aeroportos, boates, bares, shows de rock, shows com fogos de artifício, UTI´s com incubadoras neonatais - onde os limites podem chegar a 140 dB (limite de dor) - e salas de aula, onde o barulho  pode chegar aos 75 dB, com a janela aberta.

Outro perigo para a audição está no dia a dia da criançada. Uma pesquisa revelou que existem brinquedos com níveis de ruído variando de 82 a 130 dB. Isso sem contar com os tocadores de música MP3, MP4, Ipod, celulares com fones etc., que podem chegar aos mesmos 130 dB da turbina de um avião.

Muitos jovens teimam em utilizar tais instrumentos dentro de ônibus e nas ruas. O cálculo é simples: se no ônibus existe um ruído de aproximadamente 80 dB, quanto eu devo colocar a mais de volume para ouvir uma música de forma que o som externo seja eliminado? Existem ações simples que podemos tomar para evitarmos a exposição prolongada a altos níveis de ruído, sem abrir mão da diversão e do trabalho.

Confira: Evitar locais muito barulhentos ou com aglomeração de pessoas; Escutar a música e televisão no volume mais baixo possível; Usar protetor auricular em locais com muito ruído; Usar atenuadores de ruído – no caso de músicos que ficam expostos à música alta; Ficar longe das caixas acústicas de um show de rock ou igreja; Fechar as janelas quando o barulho da rua ou do tráfego estiver alto.

Para quem deseja se proteger, o ideal é usar protetores ou atenuadores de ruído, como os da Aura. Personalizados, moldados de acordo com a anatomia da orelha do indivíduo, os atenuadores oferecem uma diminuição média de 15 ou 25dB, dependendo da necessidade do usuário. Feitos em acrílico transparente, possuem um microfiltro para atenuar e, ao mesmo tempo, possibilitar ouvir toda a orquestra ou banda com intensidade sonora mais confortável.

Mônica de Sá Ferreira é fonoaudióloga da Aura Aparelhos Auditivos.



Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).


O sentido da educação

A educação requer uma formação pessoal, capaz de fazer cada ser humano estar aberto à vida, procurando compreender o seu significado, especialmente na relação com o próximo.