Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Pontes, estradas, prédios e negligência

Pontes, estradas, prédios e negligência

11/04/2019 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

São centenas os acidentes envolvendo o tráfego dentro e fora das águas.

O acidente do Rio Moju, no Pará, onde uma balsa bateu na pilastra e derrubou a ponte, por onde passavam dois veículos, na madrugada do sábado, era algo evitável.

Assim como o ocorrido recentemente, no Rio Tietê – interior de São Paulo – onde um veículo que teria sido abalroado por uma máquina agrícola foi projetado para dentro do rio, matando suas duas ocupantes.

São centenas os acidentes envolvendo o tráfego dentro e fora das águas. Muitas das vezes, as embarcações fluviais batem nos pilares e danificam a pista da ponte. Outras, os veículos que trafegam pela crista perdem a trajetória e caem dentro da água.

Tudo isso se resolve com a colocação de defensas metálicas, tanto para proteger os pilares em relação às embarcações do rio, quando nas margens das pontes, para evitar que os veículos cujos condutores percam a direção caiam na água. Mas essas providências só ocorrem depois dos acidentes e mortes que comovem a população.

Há muito tempo deixamos de ser aquele país atrasado onde a vida seguia em baixa velocidade e boa parte da população morava na fazenda. A proliferação de boas estradas, veículos velozes e o alto índice de utilização das vias passaram a exigir providências de segurança que nem sempre vêm no devido tempo.

Em São Paulo, por exemplo, precisou a ponte que dá acesso da Marginal Pinheiros à Rodovia Castello Branco ceder e quase matar gente para o poder público atentar para a necessidade de manutenção e, principalmente, acompanhamento das demais pontes e viadutos em operação na cidade e região. Se em São Paulo, a maior cidade do país, é assim, imagine-se no resto.

Nunca é demais lembrar que em 2013, após o incêndio da Boate Kiss, de Santa Maria (RS), que teve o pavoroso resultado de 242 mortos e 680 feridos, decorrentes da inobservância de normas de segurança e fiscalização, ficamos sabendo da existência de centenas, talvez milhares, de prédios públicos – alguns até em Brasília – que recebem grande número de usuários e visitantes e funcionam sem o laudo de vistoria do Corpo de Bombeiros porque não atendem aos requisitos técnicos impostos pela entidade.

Enquanto a questão da boate repercutia, prometeu-se soluções, mas até hoje pouco se sabe a respeito. Precisamos, urgentemente, ter observadas as normas de segurança para evitar que estruturas caiam sobre nossas cabeças ou que com elas sejamos tragados para dentro dos rios ou atirados de encostas ou ribanceiras.

O desenvolvimento do último século nos legou um país novo, colocado entre as dez maiores economias do mundo. Mas faltam muitas providências para que os brasileiros possam ter vida segura e sustentável. Não basta ter normas de segurança no papel. Elas têm se ser seguidas rigorosamente…

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Fonte: Dirceu Cardoso Gonçalves



Empatia – Uma competência no combate à intolerância

Tolerar é agir com respeito, com aceitação e com apreço pela diversidade em todos seus âmbitos.


As quatro mortes e o suicídio

Entre 2007 e 2016, quase 110 mil pessoas tiraram a própria vida no Brasil, mostra relatória da OMS


Aloha presidente Bolsonaro

É fato que em um regime político democrático como o nosso o governante não governa sozinho.


Obra parada, desperdício certo

A falta de recursos financeiros para investimento em empreendimentos tem dominado o panorama do setor público brasileiro.


Resvalando para o abismo

Andamos, todos, mergulhados em profundo sono, cujos sonhos, nos iludem, e narcotiza.


O que o Brasil não é

Ninguém detém o monopólio da verdade. Logo, o debate deve ser cultivado, pois é fonte de aprendizado.


Tiradentes: por que ele é o herói da Inconfidência?

Nesse domingo (21/04), comemora-se o Dia de Tiradentes, o mértir do povo brasileiro


Feliz Páscoa, principalmente às pessoas que sofrem

Uma vez por ano, a propaganda comercial nos faz recordar que a Páscoa está chegando.


Ter nome, é o que interessa

Naquele fim de tarde de Verão, de 1971, estava na livraria Figueirinhas, na companhia de meu pai, folheando as últimas novidades, expostas nos escaparates.


A União Fraternal

Sob qualquer aspecto – material ou espiritual – a união fraternal é o sonho que transcende a alma humana.


O outro lado do balcão

O assunto do dia, quando se fala em atendimento e qualidade de vida ao cidadão, é a Telemedicina.


Ensino religioso em 2019? Para quê?

Escolas Católicas têm em sua essência um trabalho que privilegia a formação humana.