Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Por um procedimento científico na política

Por um procedimento científico na política

04/09/2014 João César de Melo

Dilma e PT prometem "mudança" depois de 12 anos de governo.

Ao ver que Dilma e PT prometerem "mudança" depois de 12 anos de governo, eu me lembro das palavras de uma professora de matemática: "João, você teve o ano todo para estudar, mesmo assim não tirou nenhuma nota acima de 3 e quer que eu acredite que na prova de recuperação, que envolve a matéria do ano todo, você vai tirar 7?”.

Entendi seu raciocínio. Considerando as palavras de Kafka – “Um cretino é um cretino; dois cretinos são dois cretinos, dez mil cretinos são um Partido Político” -, baseado em quê deveríamos confiar que o PT mudaria a si mesmo? A partir das eleições, seus ideais seriam revistos? A forma como enxergam as relações entre Estado, sociedade e mercado, seria transformada? Os desvios de seus líderes seriam substituídos por virtudes transcendentais? Demagogia daria lugar à coerência? Discursos dariam lugar á trabalho? Desejos dariam lugar a projetos?

Todos, inclusive eles, sabem que não. Eles são o que são: políticos. Políticos de esquerda, socialistas de essência marxista. A reeleição do PT não seria apenas a premiação da incompetência, mas o estímulo à insistência em sistemas e métodos equivocados de administração de dinheiro público e de exercício de poder que, ao contrário de minhas limitações em matemática, afetam a vida de milhões de pessoas. Vejamos como a ciência trabalha: Diante necessidades ou ideias, experiências são realizadas, sendo continuadas apenas àquelas que apresentam resultados positivos.

Na ciência, não existe desejos ideológicos ou existenciais. Ideais precisam dar certo. Precisam funcionar. E mesmo a ideia que dá certo, é constantemente revista com o objetivo de aperfeiçoamento, sempre convergindo na busca da eficiência, do uso cada vez mais racional de energia e material. Todas as ideias ou procedimentos que apresentam resultados negativos são guardados como fonte de pesquisa para que os mesmos erros não sejam cometidos.

Dessa maneira, a ciência desenvolveu tudo o que possibilitou o homem viver mais e melhor, sofrendo menos e se divertindo mais, interagindo e integrando-se cada vez mais uns com os outros. Vejamos, agora, a política: Diante necessidades ou ideias, experiências são realizadas, sendo continuadas apenas aquelas que tenham discursos filosoficamente bonitos, a despeito dos resultados. Os socialistas levam este procedimento ao extremo, insistindo sistematicamente nos mesmos erros a despeito dos trágicos resultados registrados pela história.

Enquanto cientistas aprimoram cotidianamente produtos, máquinas, equipamentos e tecnologias, governos de esquerda se esforçam em levar a sociedade e a economia de volta ao passado. Em vez de trabalharem por uma sociedade de indivíduos independentes, tentam remodela-la em duas únicas classes, povo e elite política, com a primeira dependente totalmente dos humores da segunda. Enquanto a ciência nos oferece tantas tecnologias, os governos socialistas ainda arbitram com quem as pessoas devem pensar.

Enquanto o capitalismo se aperfeiçoa dia a dia, oferecendo mais produtos a cada vez mais pessoas, o socialismo se esforça em tornar justamente essa oferta cada dia mais difícil e cara. Na impossibilidade de confiar nosso futuro a qualquer pessoa, muito menos a um político, nossa pretensão diante de uma urna eletrônica deve ser a da troca de líderes como forma de aperfeiçoamento, forçando-os a apresentarem resultados, não promessas. Lula, Dilma e o PT são o que são, mas a sociedade brasileira pode ser algo melhor se seus indivíduos tiverem a liberdade de empreenderem suas vidas e seus negócios sem a interferência estatal.

Em 12 anos, toda a estrutura ideológica, de liderança, de militância e financeira do PT foi exposta, assim como todos os resultados decorrentes dessa mesma estrutura. A única mudança que acontecerá, no caso de reeleição de Dilma, será no sentido de fortalecimento desse mesmo PT, em toda sua ideologia, em toda a sua demagogia, em todas as suas tentativas de controle das liberdades individuais e econômicas.

Lula, Dilma e seus companheiros são pessoas, não máquinas reprogramáveis. Lula, Dilma e seus companheiros sempre tentarão nos coagir a trabalhar para eles, a despeito da potência, dos talentos, das necessidades e dos desejos de cada cidadão que compõem a sociedade.

* João César de Melo é Arquiteto, artista plástico, autor do livro Natureza Capital e colunista do Instituto Liberal.



16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.