Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Porque a água do Sistema Cantareira vai acabar em novembro

Porque a água do Sistema Cantareira vai acabar em novembro

06/10/2014 Edson Domingues

Não é obra do acaso que o paulistano esteja vivendo escassez de água. Culpar a estiagem e a falta de chuva não cabe mais como argumento para tamanho descaso com o maior aglomerado urbano do País.

A previsão anunciada do fim do volume morto em meados de novembro é catastrófica. Mais estarrecedor é o modelo imposto pela gestão tucana. Estamos diante das consequências do modelo da gestão Alckmin, que transformou água em mercadoria. Uma dos fatores da conversão da água em commodities é a flexibilização dos mecanismos de controle e investimentos da Sabesp, numa manobra em nome da rentabilidade dos acionistas da companhia.

O modelo deficitário de abastecimento não pode ser dissociado do reduzido papel do gestor público decorrente deste verdadeiro processo de privatização da Sabesp. A vítima maior deste modelo é a cidade de São Paulo, maior cliente da companhia. Na capital, o serviço de água e esgoto é fixado por Lei Municipal de 2009 e validado por contrato entre a prefeitura de São Paulo e a Sabesp. Na época, Kassab era prefeito e Serra, governador. Na lei, a fiscalização ficou a cargo da Agência Reguladora, ARSESP, que acompanharia os serviços de abastecimento.

O compromisso da Sabesp, segundo o contrato, é o fornecimento universal de água e esgotamento sanitário. A ARSESP recebe para tal função 0,5% do total arrecadado pela Sabesp da conta de água da dona de casa. Com a lógica de geração de lucro para os acionistas, as sanções da ARSESP quanto às obrigações da Sabesp são irrisórias. Como verdadeiro biombo entre sociedade e Sabesp, a ARSESP é mera observadora mediante do caos que se avizinha. A agência é composta de dirigentes indicados pelo governador e ratificados pela Assembleia Legislativa.

Entre 2008 e 2013, a Sabesp torrou R$ 1,5 bilhão apenas em estudos para redução de perdas no sistema de distribuição, sem alcançar as metas fixadas pela ARSESP, assistindo a escassez hídrica de modo non sense. No contrato ainda está previsto 13% da arrecadação em investimentos da Sabesp na capital. Entre os investimentos estão reparação da rede, expansão, redução de perdas, dentre outros. Outros 7,5% do montante arrecadado pela Sabesp são destinados ao Fundo Municipal de Saneamento.

Os recursos do fundo financiam o saneamento integrado, como urbanização de favelas, remoção de população em área de risco, regularização fundiária e drenagem, ampliando assim as melhorias das condições socioambientais no entorno dos mananciais. A fatia mais suculenta da arrecadação vai direto para os acionistas da Sabesp. No ano de 2013, foram R$ 534 milhões em dividendos. Baixa oferta de água e o deficitário tratamento de esgoto são resultados desta conta.

Distorcido, o contrato deixou a fiscalização e controle das ações sob a leniência da Agência Reguladora. Descolada da sociedade e debruçada sob a burocracia de seus nomeados, a ARSESP pouco contribuiu para tirar São Paulo do risco de desabastecimento. A cidade de São Paulo, principal cliente da Sabesp, e sem controle de fiscalização sobre a atuação da empresa, prepara-se para reagir à trapaça de 2009. Campinas, Guarulhos e Santo André já atuam na gestão e controle do abastecimento de água. Nestas cidades água é concebida como bem difuso e coletivo.

A cidade de São Paulo precisa redefinir seu papel e impor autonomia diante das irresponsabilidades da Sabesp e ARSESP. Hoje, a gestão do abastecimento está nas mãos dos acionistas. Retomar das mãos do município tamanha responsabilidade é bom motivo para se repensar o fornecimento de água nas torneiras dos paulistanos.

*Edson Domingues, 46 anos, escritor, ambientalista e autor de projetos de sustentabilidade na periferia de São Paulo.



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa