Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Presidenciáveis em busca da emoção perdida

Presidenciáveis em busca da emoção perdida

11/08/2010 Helder Caldeira

O Brasil começou a escrever mais uma página de sua história política no último dia 05 de agosto com o primeiro debate na TV dos candidatos à Presidência da República nas eleições de 2010.

O governador José Serra (PSDB), a ex-ministra Dilma Rousseff (PT), a senadora Marina Silva (PV) e o professor Plínio de Arruda Sampaio (PSOL) protagonizaram, na Rede Bandeirantes, o mais raso dentre os embates televisivos entre presidenciáveis e evidenciaram suas maiores fragilidades nas quase três horas em que “pseudoconfrontaram-se” diante de milhões de telespectadores e internautas. Cometeram o maior de todos os equívocos: tentar buscar e transmitir emoções que, notada e reconhecidamente, nenhum dos quatro tem o hábito de demonstrar. E o pior: ao que tudo indica, esse equívoco dará o tom da campanha eleitoral.

Esse primeiro debate foi tão insípido que não há sequer a possibilidade de conjecturar sobre um melhor ou um pior desempenho. Não que os brasileiros estejam esperando candidatos digladiando-se em um ringue como acontecia com Franco Montoro e Jânio Quadros ou Paulo Maluf e Leonel Brizola, mas espera-se um mínimo de colisão entre presidenciáveis de universos tão díspares. No dia seguinte, um importante jornal brasileiro trazia a seguinte legenda: “Serra atacou Dilma; Dilma atacou os tempos de Fernando Henrique Cardoso; Plínio atacou todos; e Marina não atacou ninguém”. Se Raimundo tivesse morrido e Lili se casado com J. Pinto Fernandes, a manchete bem poderia ser uma licença poética para os antológicos versos de Carlos Drummond de Andrade.

Verdade é que devemos considerar o fato de que a presença de duas mulheres como presidenciáveis  torna o confronto menos duro e mais ameno. A verde Marina, apesar de suas importantes e fortes lutas ambientais, sempre apresentou-se de forma bastante sensível; e a petista Dilma, sempre vista como uma mulher firme e até mesmo arrogante, foi transformada pelos marketeiros e por alguns “retoques” em uma jovem  e “quase-bela” senhora, não menos poderosa. Mulheres na disputa pela presidência não são uma novidade, mas esse perfil sim. Por mais que às vezes tentasse, em outros tempos Heloísa Helena não furtou-se a provocar um implacável combate, sempre com dedo em riste. Hoje, as duas candidatas estão percorrendo caminhos mais sensíveis e menos espinhosos, o que não significa torná-las melhores ou mais preparadas. Muito pelo contrário: incorrem no mesmo erro de querer falsear personalidades em uma bem apresentada maquiagem.

Como se esperava, assim como nas pesquisas eleitorais, o debate ficou polarizado entre José Serra e Dilma Rousseff. Serra, mais escolado, mostrou-se muito cuidadoso com os pequenos detalhes do marketing político eleitoral e, mesmo confessando ter recebido uma reprimenda ao vivo da filha por estar muito sisudo e sorrindo pouco, permitiu-se um tom mais jocoso em provocações contra sua principal adversária e com o socialista Plínio, de quem é antigo conhecido. Acertou grande ao evitar ser generalista e citar nominalmente os alvos de suas propostas quando buscava exemplos práticos para suas respostas, como quando comentou o fato das estradas que levam à cidade mineira de Governador Valadares ou que chegam ao Vale do Itajaí, em Santa Catarina, estarem em péssimo estado de conservação. Essas informações objetivas alcançam o eleitor muito mais que quaisquer números e Serra sabe disso. Sabiamente, apesar da sedutora tentação, não perdeu tempo com defesas vazias ao governo do correligionário FHC e nem com ataques desmedidos à bem-sucedida gestão de Lula. Criticou o que merecia destaque e foi anuente com que são considerados acertos. Bem longe da autoridade que lhe é peculiar, derrapou ao dar foco extremo à Saúde e capotou ao buscar emotividade, quase chorando, ao lembrar-se da importância e do trabalho de seu pai.

Já Dilma deixou muito evidente o grande nervosismo em seu primeiro debate na TV, principalmente no bloco inicial, quando não sabia pra onde deveria olhar, gaguejou e, desatenta ao rigoroso e curto tempo para resposta, perdeu-se em números que, de fato, não chegam ao eleitor nesses momentos. Nos blocos seguintes conseguiu se reerguer e chegou ao ponto aproveitar-se ao perceber que Serra não ouvira claramente sua pergunta, insinuando que ele desconhecia o “Luz para Todos”, o mais importante programa de eletrificação implementado pelo governo Lula. Encarnou e fez lembrar o ex-presidenciável Anthony Garotinho, em 2002, quando em um dos debates televisivos, criou uma armadilha para o então candidato Luiz Inácio Lula da Silva, questionando-o sobre detalhes da CIDE, imposto chamado de contribuição que incide sobre os combustíveis. Lula não sabia do que se tratava, foi genérico na resposta e o assunto, até hoje, é um escárnio. Mas Dilma também derrapou e capotou ao tentar demonstrar uma falsa emoção por fazer parte do atual governo e por ter sido escolhida por Lula para candidatar-se à sucessão. Debates eleitorais deveriam ser disputas programáticas e não chorosos resumos biográficos. Quanto ao eleitor brasileiro gostar dessa dramatização mexicana, isso sim é uma outra seara.

Nas outras bancadas, Marina e Plínio atuaram como coadjuvantes de luxo em um filme ruim. A senadora reforçou sua angustiante imagem de “peixe-morto” e foi politicamente correta até na distribuição de suas perguntas aos candidatos. Tragicômica e tentando provocar uma emoção desnecessária, usou o precioso tempo de suas considerações finais para ler um poemeto sobre um menino chamado Dado, morador de uma comunidade pobre do Recife e que chama a candidata de “Tia”. Apagou-se, por fim. Em contraponto, o socialista Plínio de Arruda Sampaio foi o deboche em pessoa durante do debate. Falou sério e também fez rir. Com a inteligência peculiar a sua respeitável trajetória octogenária, errou o tom ao tentar criar armadilhas pueris e criticar tudo e todos, provocando emoções distorcidas nos espectadores com suas falas que soavam mais como questionamentos persecutórios do que como chamamentos à razão e ao que parecia óbvio: a polarização do debate entre Serra e Dilma. Desferiu golpes até em uma apagada Marina, ao falar sobre suas propostas de Reforma Agrária e no divertido comentário sobre ela “não saber pedir demissão”. Isolado, só se reconheceu em um debate de presidenciáveis quando foi fuzilado com a pergunta de um jornalista da Band sobre sua proposta de dar calote na dívida brasileira. No fim das contas, Plínio roubou a cena e merece o prêmio Framboesa de Ouro de melhor ator coadjuvante.

A moral da história desse primeiro debate televisivo é que o grande derrotado é o eleitor brasileiro. Nenhum dos candidatos à Presidência da República ousou se aprofundar em temas relevantes, quiçá em polêmicas. Foram rasos na apresentação do conteúdo programático de suas campanhas e, à exceção de José Serra, não conseguiram discorrer com clareza e objetividade sobre os poucos temas abordados. Resta-nos a esperança que os próximos debates, um importante e caro tempo de TV, sejam melhor aproveitados pelos presidenciáveis e que eles não sejam enterrados em uma equivocada busca por emoções perdidas. O Brasil espera mais de vocês, senhoras e senhores candidatos!

* Helder Caldeira - Articulista Político, Palestrante e Conferencista



A responsabilidade dos adultos: o melhor presente

Um historiador disse certa vez que nossa relação com o tempo se dá em torno de dois campos: a experiência e a expectativa.


Muita tecnologia, pouca sabedoria

No dia 3 de setembro de 1989, o comandante Cezar Garcez pilotava o Boeing 737-200 da Varig, na rota São Paulo-Belém, com 48 passageiros e seis tripulantes.


A pandemia e a salvação nacional

A pandemia do coronavírus é mais um flagelo da humanidade.


A Covid-19 e o saneamento

A pandemia do novo coronavírus assusta o mundo pelos impactos na saúde, economia e no bem-estar social.


Cenários para o Brasil: isolamento vertical ou horizontal?

Nos últimos dias foi estabelecido um debate na sociedade brasileira entre duas opções de combate ao impacto do novo coronavírus no país.


Saiba como não entrar em desespero com as oscilações do mercado financeiro

A história demostra que crises passam e acabam beneficiando aqueles que mantêm a racionalidade no lugar da emoção.


O Diabo: o que foi e o que é

Certa noite de Outono, em amena conversa com familiar, este, declarou-me, parecendo sincero:


Liderança: o eterno desafio

A definição mais divulgada de liderança diz que liderar é a capacidade de influenciar e convencer pessoas.


Os requisitos da opinião

O ignorante tem opinião sobre tudo. O sábio, somente sobre o que ele conhece.


Entre a pandemia e o desemprego

A crise de saúde mundial provocada pelo novo coronavírus, agora assentada no Brasil, com um quadro de evolução severo, tem trazido pânico desmedido a toda população.


Enquanto uns choram, outros vendem lenços. Acima do preço.

“Vendedor acumula 17 mil garrafas de álcool em gel, mas não pode mais vendê-las”, diz a manchete do jornal.


O que podemos aprender com Tom Brady?

Qual o principal atributo de um verdadeiro líder?