Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Prevenir é melhor (e mais eficiente) do que remediar

Prevenir é melhor (e mais eficiente) do que remediar

10/12/2014 Cadri Massuda

As doenças crônicas não transmissíveis – diabetes, doenças cardiovasculares e respiratórias – são a principal causa de morte no mundo.

No Brasil, são responsáveis por 72% dos óbitos. Apesar de alta, esta taxa sofreu uma redução de 20% na última década, conquista que está relacionada diretamente à redução do tabagismo do país. Segundo dados do Ministério da Saúde, o número de fumantes passou de 34,8% (1989) para 15,1%, em 2010.

Com isso, além da incidência e morte por doenças crônicas ter diminuído, houve também a redução nos casos de câncer de pulmão. Estes números mostram a relação direta entre o combate a fatores de risco (como o tabagismo) e a prevenção de doenças. Promover campanhas, dar orientações ou realizar ações permanentes de educação na área da saúde são maneiras de prevenir e controlar doenças e, consequentemente, uma forma de prolongar a vida das pessoas e diminuir os custos da saúde.

Há até pouco tempo, ações de prevenção eram foco de projetos de saúde pública. Mas hoje, as empresas já estão voltando seus olhos para este tipo de investimento. As que começaram e tiveram a paciência de esperar estão colhendo os frutos – a redução do custo assistencial em médio e longo prazo. Uma série de doenças podem ser prevenidas ou, ao menos, diagnosticadas precocemente, como os cânceres de mama, próstata e pele. Mas também as doenças silenciosas, como a hipertensão e diabetes – condições que, quando os sintomas começam a aparecer, já indicam um comprometimento significativo dos órgãos e as possibilidades de tratamento diminuem muito.

São comorbidades gravíssimas, como perda de visão, gangrena com amputação de membros ou úlceras no diabetes; enfarto e AVC na hipertensão; além do óbito como a conseqüência mais grave dos dois problemas. Por outro lado, sabe-se que a prevenção e o controle no início são muito eficazes para garantir a qualidade de vida do paciente. Bastam ações simples como cuidados alimentares, exercícios, tratamento adequado e consultas médicas de rotina.

A ANS vem buscando estimular as operadoras de plano de saúde a se tornarem promotoras da saúde, por meio de programas de prevenção. De modo geral, as empresas têm demonstrado interesse, pois conhecem o seu público e sabem que grandes resultados podem ser obtidos em médio e longo prazo. Assim, há muitas operadoras de planos de saúde que desejam criar estes programas, mas não contam com o capital necessário para implementar este projeto. É um desafio muito grande para as pequenas e médias operadoras que necessitam de um verba para um investimento cujo retorno não será imediato.

Nesse aspecto, uma possível solução é que a ANS ofereça incentivos, como reduzir o valor das garantias financeiras que as empresas precisam, por lei, provisionar ou descontar o que foi investido nesses programas. Considerando a premissa da própria Agência de que a prevenção hoje diminuirá os custos assistenciais de amanhã, é possível gastar mais dinheiro na promoção da saúde agora, pois haverá menos doença no futuro.

*Cadri Massuda é presidente da Abramge PR/SC – Associação Brasileira de Medicina de Grupo Regional Paraná e Santa Catarina.



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa