Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Prevenir é melhor (e mais eficiente) do que remediar

Prevenir é melhor (e mais eficiente) do que remediar

10/12/2014 Cadri Massuda

As doenças crônicas não transmissíveis – diabetes, doenças cardiovasculares e respiratórias – são a principal causa de morte no mundo.

No Brasil, são responsáveis por 72% dos óbitos. Apesar de alta, esta taxa sofreu uma redução de 20% na última década, conquista que está relacionada diretamente à redução do tabagismo do país. Segundo dados do Ministério da Saúde, o número de fumantes passou de 34,8% (1989) para 15,1%, em 2010.

Com isso, além da incidência e morte por doenças crônicas ter diminuído, houve também a redução nos casos de câncer de pulmão. Estes números mostram a relação direta entre o combate a fatores de risco (como o tabagismo) e a prevenção de doenças. Promover campanhas, dar orientações ou realizar ações permanentes de educação na área da saúde são maneiras de prevenir e controlar doenças e, consequentemente, uma forma de prolongar a vida das pessoas e diminuir os custos da saúde.

Há até pouco tempo, ações de prevenção eram foco de projetos de saúde pública. Mas hoje, as empresas já estão voltando seus olhos para este tipo de investimento. As que começaram e tiveram a paciência de esperar estão colhendo os frutos – a redução do custo assistencial em médio e longo prazo. Uma série de doenças podem ser prevenidas ou, ao menos, diagnosticadas precocemente, como os cânceres de mama, próstata e pele. Mas também as doenças silenciosas, como a hipertensão e diabetes – condições que, quando os sintomas começam a aparecer, já indicam um comprometimento significativo dos órgãos e as possibilidades de tratamento diminuem muito.

São comorbidades gravíssimas, como perda de visão, gangrena com amputação de membros ou úlceras no diabetes; enfarto e AVC na hipertensão; além do óbito como a conseqüência mais grave dos dois problemas. Por outro lado, sabe-se que a prevenção e o controle no início são muito eficazes para garantir a qualidade de vida do paciente. Bastam ações simples como cuidados alimentares, exercícios, tratamento adequado e consultas médicas de rotina.

A ANS vem buscando estimular as operadoras de plano de saúde a se tornarem promotoras da saúde, por meio de programas de prevenção. De modo geral, as empresas têm demonstrado interesse, pois conhecem o seu público e sabem que grandes resultados podem ser obtidos em médio e longo prazo. Assim, há muitas operadoras de planos de saúde que desejam criar estes programas, mas não contam com o capital necessário para implementar este projeto. É um desafio muito grande para as pequenas e médias operadoras que necessitam de um verba para um investimento cujo retorno não será imediato.

Nesse aspecto, uma possível solução é que a ANS ofereça incentivos, como reduzir o valor das garantias financeiras que as empresas precisam, por lei, provisionar ou descontar o que foi investido nesses programas. Considerando a premissa da própria Agência de que a prevenção hoje diminuirá os custos assistenciais de amanhã, é possível gastar mais dinheiro na promoção da saúde agora, pois haverá menos doença no futuro.

*Cadri Massuda é presidente da Abramge PR/SC – Associação Brasileira de Medicina de Grupo Regional Paraná e Santa Catarina.



Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).


O sentido da educação

A educação requer uma formação pessoal, capaz de fazer cada ser humano estar aberto à vida, procurando compreender o seu significado, especialmente na relação com o próximo.