Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Prisão – modalidade de pena ou vingança social

Prisão – modalidade de pena ou vingança social

09/07/2017 Bady Curi Neto

Cadeia não é sinônimo de Justiça e não pode ser encarada como vingança social.

Prisão – modalidade de pena ou vingança social

Na quadra em que vivemos, de violência exacerbada e corrupção endêmica, a população anda com sede de prisões, confundindo-a com sequidão de justiça. Enquanto esta é a particularidade do que é justo e correto, com a aplicação das normas indistintamente a todos os cidadãos, objetivando manter a ordem social por meio da garantia dos direitos em sua forma legal, aquela é a consequência de uma decisão judicial a quem comete uma conduta tipificada no Código Penal, grave.

A nova visão humanística não permite ver a prisão com objetivo simplista de um castigo imposto pelo Estado ao condenado, mas como meio de segregar aquele que oferece risco a sociedade e a possibilidade de sua ressocialização à coletividade. O condenado passa a ser tratado como recuperando.

No Brasil, como é de sabença geral, o caos de nossos presídios não permite a recuperação do condenado, servindo apenas, teoricamente, a um objetivo maior a ser alcançado, infelizmente, não condizente com a realidade do sistema carcerário. Na prática, a prisão do condenado, com raras exceções, serve para proteger a sociedade destas pessoas, que enquanto encarceradas não há como praticar novos crimes.

As novas tecnologias, como o monitoramento eletrônico, devem-se em um futuro próximo, substituir o encarceramento pela prisão domiciliar, o que, diminuiria o custo para o Estado, proporcionando o cumprimento da pena em condições mais dignas para o ser humano. Por curial aqueles indivíduos de alta periculosidade, que fazem da atividade criminosa seu meio de vida, como traficantes, estupradores, homicidas, ladrões, etc., deverão cumprir suas penas afastados da sociedade, devido ao risco de voltarem a delinquir.

Já o indivíduo de bons antecedentes, residência fixa e que exercia uma profissão até sua condenação, deve sua pena restritiva de liberdade ser convertida em prisão domiciliar somada a restritiva de direitos, sem que isto seja entendido como injustiça. O encarceramento do condenado não pode ser entendido como vingança social, ou seja, só se faz justiça se o indivíduo for para traz das grades, em condições desumanas e com alto custo para o Estado.

Apenas para demonstrar o lado econômico, um preso encarcerado custa para os Estado mais de R$ 2.500,00 mensais e o custo de uma tornozeleira eletrônica em torno de 12% (doze por cento) deste valor.

Renato de Vitto, diretor-geral do Departamento Penitenciário Nacional, defende a utilização da tornozeleira eletrônica “deve ser voltada prioritariamente para o desencarceramento, ou seja, ela deve ter como destinatário o preso provisório, aquela pessoa que não necessariamente tem que ficar no ambiente carcerário e que, portanto, pode ser monitorado de uma forma mais barata, mais inteligente e com uma possibilidade muito menor de reincidir” (G1- 08/12/2015).

Neste diapasão, indivíduos presos preventivamente e mesmo os condenados em processo transitado em julgado, que, pela avaliação do Juiz não correm risco de cometerem novos delitos e nem oferecem risco à vida da população poderiam cumprir a pena restritiva de liberdade em seu domicílio, devidamente monitorado através de tornozeleira eletrônica. Cadeia não é sinônimo de Justiça e não pode ser encarada como vingança social.

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).



Expectativa de grande crescimento

Em função da pandemia causada pela covid-19, os anos de 2020 e 2021 foram bastante desafiadores, particularmente para a indústria de máquinas e equipamentos.


A importância da diversificação de investimentos em diferentes segmentos

Mesmo com os desafios impostos por dois anos de pandemia, o volume de investimentos para iniciativas brasileiras em 2021 foi expressivo.


Muito além do chip da beleza

Você, com certeza, nos últimos meses já ouviu falar do famoso “chip” da beleza.


Educação para poucos é o avesso de si

Intitulado “Reimagining our futures together: A new social contract for education”, um estudo recente da Unesco é categórico logo nas primeiras páginas: “Nossa humanidade e Planeta Terra estão sob ameaça”.


Mãe: Florescer é não se esquecer de viver!

Tenho experimentado que o “traço de mãe”, plantado por Deus no coração de cada mulher que Ele criou, vai além da capacidade de gerar filhos, biologicamente.

Mãe: Florescer é não se esquecer de viver!

Bullying: da vítima ao espectador

O bullying é um tipo particular de violência, caracterizado por agressões sistemáticas, repetitivas e intencionais, contra um ou mais indivíduos que se encontram em desigualdade de poder, gerando sofrimento para as vítimas, agressores e comunidade.


Desafios e oportunidades para o saneamento

Considerado um dos menos atrativos na infraestrutura, o setor de saneamento passa por uma profunda mudança de paradigma com a aprovação da Lei 14.026/2020.

Desafios e oportunidades para o saneamento

Os desafios de lidar com maternidade e realização profissional

A experiência da maternidade é o momento mais importante na vida da mulher, no entanto um dos mais preocupantes também.


Como a inteligência de dados auxilia o Open Finance

Imagine que a sua televisão está com defeito. Você busca um modelo um pouco melhor na internet (afinal, você merece) e decide comprá-la em algumas suaves prestações.


Evolução da telessaúde

Maior segurança e respeito à autonomia de profissionais e pacientes.


Explore seu universo de possibilidades

Você sabia que o ser humano enfrenta em média 23 adversidades por dia?


Um doidivanas incorrigível

Todos reconhecem Camilo Castelo Branco, como escritor talentoso. Admiram-lhe a riqueza do vocabulário e a vernaculidade da prosa.