Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Procuram-se voluntários

Procuram-se voluntários

14/10/2016 Cristiane da Fonseca

No momento atual, a situação do Brasil e do mundo requer a união de esforços para a solução dos problemas sociais.

Nosso país é um dos campeões em desigualdades sociais. O governo, sozinho, não conseguirá resolver todos os problemas. Portanto, a participação das empresas nesse setor torna-se relevante.

É preciso ressaltar que o papel da empresa, hoje, pode ir além da geração de empregos e do pagamento de impostos. As corporações possuem recursos humanos e expertise, que possibilitam que elas façam uma contribuição efetiva para transformar a comunidade onde estão instaladas nos campos das mais diversas áreas, entre elas educação, saúde e cultura.

Não podemos descartar a importância do voluntariado assistencial, em especial em momento de situações emergenciais da população. Porém, diferentemente de períodos anteriores, é importante que as empresas se organizem para transcender questões paternalistas, trazendo metodologias com foco em resultados e planejamento estratégico, garantindo assim resultados concretos para a comunidade, evoluindo do auxílio pontual para priorizar ações mais transformadoras.

E o ponto crucial para o sucesso do serviço de voluntariado passa pelo colaborador. A empresa precisa ter ações de mobilização junto aos funcionários. Para despertar o interesse da equipe, essas ações devem ser feitas de forma estruturada, para que o profissional sinta que terá todo o apoio necessário para mergulhar nessa nova realidade.

A partir do momento que a empresa dá a largada para investir no projeto de voluntariado, cabe a ela pavimentar o caminho para chegar à comunidade. Deve-se levar em conta que o trabalho junto a organizações sociais deve ser marcado pela gestão participativa.

O primeiro passo é o estabelecimento do diálogo para o real entendimento das carências e prioridades, e de que forma o colaborador poderá atuar para que a ação seja efetiva e o projeto social implantado. Os benefícios para o colaborador que está no trabalho de campo são inúmeros, diante do contato com novas pessoas e ideias.

Ele terá a capacidade de desenvolver novas habilidades, como trabalho em equipe, lidar com o diferente, ampliar a resiliência, despertar a consciência social e a doação de seu tempo em prol da melhoria de uma comunidade. Na prática, ele sente que exerce o verdadeiro papel de cidadão, que sai de sua zona de conforto para se destacar numa função proativa na sociedade em que vive.

Dependendo do projeto social em que estiver envolvido, o colaborador pode deixar uma herança de profundas transformações na comunidade. Esse trabalho é chamado de voluntariado transformador, responsável por deixar um legado que colabora na transformação de indivíduos, de comunidades e de organizações sociais, capaz de superar o assistencialismo puro, ensinando o indivíduo a pescar no lugar de dar o peixe.

É uma linha de ação que trabalha no empoderamento das pessoas, potencializando as habilidades para que elas tomem suas próprias decisões no futuro. A tendência é que o voluntariado transformador seja um voluntariado a ser seguido daqui para frente nas empresas.

O grande sonho é que ele passe a fazer parte do hábito do cidadão no Brasil. O país está aquém no número de voluntários para causas mais estratégicas e uma mudança na cultura pode fazer com que o serviço de voluntariado transformador ganhe mais espaço para colaborar na diminuição das desigualdades sociais que tanto marcam nossa sociedade.

*Cristiane da Fonseca é coordenadora de Responsabilidade Social do Instituto Positivo.



Uso consciente do crédito pode ajudar a girar o motor da economia

Muita gente torce o nariz quando o assunto é tomar empréstimo, pois quem precisa de crédito pode acabar não conseguindo honrar essa dívida, tornando esse saldo devedor uma bola de neve.


Voltar primeiro com os mais velhos: mais autonomia e continência

Nunca pensei que chegaria esse dia, mas chegou! Um consenso global sobre o valor da escola para as sociedades, independentemente do seu PIB.


Adolescentes, autoestima, família: como agir, o que pensar?

A adolescência é um tempo intenso, tanto pelo desenvolvimento físico, quanto neurológico, hormonal, social, afetivo e profissional.


Digital: um tema para o amanhã que se tornou uma demanda para ontem

Durante muito tempo, a Transformação Digital foi considerada uma prioridade para o futuro dos negócios.


Compliance como aliado na estratégia ESG das organizações

A temática que atende aos princípios ambientais, sociais e de governança, ou seja, o ESG (Environmental, Social and Governance), está em forte evidência.


A humanização da tecnologia no secretariado remoto

A tecnologia deu vida a inúmeras oportunidades de negócios, como o trabalho à distância.


Bolsa vs Startups. Porque não os dois?

Vivemos um momento de grandes inovações e com os investimentos não é diferente.


Os pecados capitais da liderança

“Manda quem pode, obedece quem tem juízo.”


“Pensar Global, Agir local”: O poder do consumo consciente

A expressão “Pensar Global e Agir local” já é lema em muitas esferas de discussões políticas, econômicas, sobre sustentabilidade e solidariedade.


Vencido o primeiro desafio da LGPD

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) regulamenta o tratamento de dados de pessoas físicas nas suas mais variadas aplicações e ambientes.


Telemedicina, fortalecimento do SUS e um primeiro balanço da pandemia

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, alertou Camões. Todo o mundo é feito de mudanças.


Médico: uma profissão de risco

Estudar medicina é o sonho de muito estudantes, desde o cursinho o futuro médico se dedica a estudar para conseguir entrar no super concorrido curso de medicina.