Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Pronunciamento de Lula e a história da Carochinha

Pronunciamento de Lula e a história da Carochinha

20/09/2016 Bady Curi Neto

Se a operação Lava Jato é uma novela com vários capítulos, o pronunciamento do Lula é a história da Carochinha.

Um dia após o Ministério Público Federal ter convocado uma coletiva de imprensa para esclarecer as provas e a motivação do oferecimento da denúncia criminal contra o ex-presidente, Lula veio a público apresentar sua resposta.

Como era de se esperar, negou que tenha cometido ato de desvio de dinheiro público ou que estivesse envolvido em qualquer esquema de corrupção. Com a facilidade de orador, iniciou seu pronunciamento dizendo estar sendo perseguido, que construíram uma mentira, é “hora de concluir a novela” e “acabar com a vida política de Lula”.

Se a operação Lava Jato é uma novela com vários capítulos, o pronunciamento do Lula é a história da Carochinha. A novela real da Lava Jato, com suas várias fases, identificou um amontoado de pessoas (tesoureiro do PT, Empresários, Doleiros, Políticos) quase todas ligadas ao ex-presidente, envolvidos diretamente com a corrupção.

É de bom alvitre lembrar que Lula, juntamente com Delcídio Amaral (ex-líder do governo no Senado), José Carlos Bumlai (pecuarista, seu amigo) são réus em outro processo em trâmite na Justiça Federal de Brasília, por tentativa de obstrução na Justiça.

Não versou em sua declaração que todas as empreiteiras envolvidas no escândalo do Petrolão eram ligadas a ele e, segundo apurado na 24ª fase da novela real (operação Lava Jato), foram responsáveis por cerca de R$ 20.000.000,00 de doações ao Instituto Lula e outros R$ 10.000.000,00 pagos por suas palestras.

No pronunciamento, o ex-presidente disse que desde 2005 tentam desmoralizá-lo e que o “PT é tido como o partido que tem que ser extirpado da política brasileira”. Esqueceu o pronunciante de esclarecer que naquele ano veio à tona o primeiro escândalo envolvendo pessoas de seu partido, o Mensalão, no qual foram condenados a prisão o tesoureiro do PT, o ex-ministro da Casa Civil, entre outros, pela mais alta corte de justiça do país, o Supremo Tribunal Federal.

Ao defender a classe política, em sua verborragia: “Eu de vez quando falo que as pessoas achincalham muito a política, mas a profissão mais honesta é do político. Sabe por quê? Por que todo ano, por mais ladrão que seja, ele tem que ir para rua encarar o povo, e pedir voto. O concursado não; se forma em uma universidade, faz um concurso e está com o emprego garantido o resto da vida (...)”.

O despropósito de sua fala chega a ser hilário, se não fosse a seriedade do caso. O escarnecer não é da classe política, mas sim daquele que utiliza do cargo para fins ilícitos, seja um servidor público ou concursado. O voto não legitima e muito menos o autoriza a prática ilícita pelo eleito.

A eleição tem seus limites legais, para que o pleito seja justo, com paridade de armas entre candidatos, sem macular a vontade do eleitor, não há de haver abuso de poder econômico pela prática comum, infelizmente, do caixa dois nas campanhas eleitorais. Por fim falou o ex-presidente: “Provem uma corrupção minha e irei a pé para ser preso”.

À frase, um conselho: Compre um tênis confortável para a longa caminhada.

* Bady Curi Neto é advogado, ex-juiz do TRE (MG), fundador do escritório Bady Curi Advocacia Empresarial.



Bandejada especial

Montes Claros é uma cidade de características muito peculiares. Para quem chega de fora para morar lá a primeira surpresa vem com a receptividade do seu povo.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Eleições para vereadores merecem mais atenção

Em anos de eleições municipais, como é o caso de 2024, os cidadãos brasileiros vão às urnas para escolher prefeito, vice-prefeito e vereadores.

Autor: Wilson Pedroso


Para escolher o melhor

Tomar boas decisões em um mundo veloz e competitivo como o de hoje é uma necessidade inegável.

Autor: Janguiê Diniz


A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes