Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Propina sobe para 8% no Ministério dos Transportes

Propina sobe para 8% no Ministério dos Transportes

02/08/2014 Luiz Flávio Gomes

Meus amigos: diariamente noticia-se o envolvimento de um político ou de um partido com a corrupção (promovida, sobretudo, por construtoras e bancos, que financiam as campanhas eleitorais por meio de "doações" que, na verdade, são "investimentos").

O PR ocupa o Ministério dos Transportes. Há 4 anos cobrava 4% dos fornecedores do Ministério. Hoje a propina subiu para 8%. O deputado João Carlos Bacelar (PR-BA) diz que o Djalma (dono da empreiteira Pavotec) é um "picareta". Este diz que o deputado quer percentual do contrato feito com a Valec (Veja30/7/14: 47-49).

Enquanto não sairmos desse lamaçal imoral (que envolve bancos, empreiteiras, políticos e partidos, que fazem parte de uma classe degenerada, que se distingue pela vulgaridade e, muitas vezes, pela periculosidade) nosso progresso está comprometido. No campo da segurança pública, a desordem está imperando. No campo da política, a corrupção está matando nosso progresso. Nenhum país do mundo nessas condições se torna uma nação próspera.

A não reeleição dos políticos, neste momento, constituiria um freio ao agravamento desse quadro trágico (de degeneração, vulgaridade e imoralidade), que marca incontáveis carreiras políticas sujas. A limpeza (a assepsia) da política tem que começar (a) pelo fim da reeleição para todos os cargos públicos eletivos e (b) pela possibilidade de "recall" do político, ou seja, possibilidade de destituí-lo do cargo eletivo antes do final do mandato quando ele não cumpre seus deveres éticos, morais e civis.

O momento não é mais só o de criticar (como faz a mídia, corretamente, com frequência), sim, também de agir. Todo organismo sadio tem que se livrar das suas partes necrosadas. Toda sociedade próspera tem que censurar, limitar, isolar e reeducar suas partes degeneradas, para que elas possam melhorar. De qualquer modo, nenhuma sociedade tem prosperidade quando governada por pessoas da classe degenerada.

Temos que nos mobilizar para alcançar isso (porque quem não participa da vida política do seu país, não necessariamente partidária, é um idiotés, diziam os velhos gregos). Não podemos nos comportar comomassa vulgar e degenerada, sim, como nação que quer sair do atoleiro em que se encontra. Avante!

*Luiz Flávio Gomes, jurista e diretor-presidente do Instituto Avante Brasil.



Para escolher o melhor

Tomar boas decisões em um mundo veloz e competitivo como o de hoje é uma necessidade inegável.

Autor: Janguiê Diniz


A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira