Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Qual a melhor época do ano para embarcar em um intercâmbio?

Qual a melhor época do ano para embarcar em um intercâmbio?

07/11/2014 Ana Luisa D'Arcadia de Siqueira

Após a escolha do destino para estudar no exterior, uma das dúvidas que surge é a melhor época do ano para viajar. As dúvidas giram em torno dos custos, clima do país e disponibilidade de tempo e financeira do aluno.

O clima costuma ser o primeiro ponto a ser analisado. No hemisfério norte, o verão é entre final de junho e setembro. Nesta época, os dias duram mais e a temperatura é mais amena e agradável, ideal para que os estudantes possam aproveitar as atrações da cidade. Para quem vai para países como Canadá, Inglaterra, Irlanda, mas não gosto de frio, este período é uma ótima escolha. Em países do hemisfério sul, como Austrália, Nova Zelândia, África do Sul ou países da América Latina, as estações são no mesmo período que no Brasil.

Então, quem quer aproveitar o verão, deve viajar entre dezembro e março. Aqueles que preferem o inverno, devem viajar no meio do ano. O inverno também traz ótimas possibilidades. Para quem quer aproveitar o frio, a estação começa em dezembro. No Canadá, por exemplo, há diversas opções de esportes de inverno, como esqui e snowboard. Quem vai fazer cursos com datas de início determinadas, não tem como alterar a data da viagem, isso acontece em cursos de high school, específicos para exames, pós graduação, acampamentos de verão ou inverno, entre outros.

Aqueles que farão cursos de idioma, conseguem escolher a data de início, e neste caso, é preciso levar em conta a rotina no Brasil. As necessidades variam. Alguns precisam analisar período de férias ou saída do trabalho, tudo depende do momento que o aluno está vivendo. É preciso estar atento ao calendário do colégio. Alguns colégios tem recesso no final do ano, então viajar neste período não é a melhor opção, principalmente para aqueles que ficarão por um curto período de tempo. O período de recesso e feriados varia de colégio para colégio, por isso é importante se informar com seu consultor educacional antes da viagem.

Outro fator que influencia diretamente na decisão da data de embarque é o orçamento. Quem quer economizar, deve fugir das épocas de alta temporada, como dezembro e janeiro e junho, julho e agosto. Nestes períodos, as passagens aéreas ficam mais caras, algumas escolas e acomodações cobram taxas extras e os custos no país também são mais elevados. Todos os países tem atrações encantadoras durante as diferentes épocas do ano.

É essencial procurar uma agência de intercâmbio com profissionais qualificados para auxiliarem no momento da decisão. É preciso conciliar a disponibilidade de tempo, com o perfil e orçamento do aluno. O intercâmbio é o momento da realização de um sonho e marca a vida do aluno pra sempre. Por isso, todos os detalhes são essenciais para que a experiência seja inesquecível.

*Ana Luisa D'Arcadia de Siqueira é diretora de marketing da Global Study, franquia de intercâmbios.



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa