Qual o papel do professor?

Recordo-me da primeira mão levantada na minha aula. Isso foi há trinta anos.


Autor: Daniel Medeiros

11/10/2018 - 09:00

Eu falava sobre o Egito e não sabia mais que um punhado de informações decoradas. Um aluno no fundo da sala levantou a mão no momento em que eu descrevia as fases da evolução política do Egito Antigo: Antigo Império, Médio Império, Novo Império, Renascimento Saíta....pois não?

Meu coração se acelerou. E se ele me perguntasse sobre algum faraó desse período saíta que eu sequer sabia por que se chamava assim? (Hoje sei que se relaciona à capital estabelecida em Saís, neste período, como antes havia sido em Tebas, por exemplo). Olhei fixamente para ele e repeti: pois não? E ele disparou: Professor, o que o senhor sabe sobre os satélites?

Foi um susto e, ao mesmo tempo, um alívio. Saís, satélite, algum mecanismo de associação disparou na mente do meu aluno distraído e, tomado pela súbita dúvida, perguntou-me. Não me recordo o que respondi, mas, por muitos anos, esquecido de mim e da minha fragilidade, usei esta história como um exemplo da falta de preparo dos estudantes.

Não percebia que meus esquemas de “Antigo Império, Médio Império, etc.” não faziam o menor sentido para aqueles jovens e adultos de Supletivo que, cansados de seus trabalhos, iam para a aula em busca de um diploma exigido para seus sonhos da ascensão social.

Mas, de repente, em meio ao meu diálogo para surdos, com meus esquemas mal decorados, uma palavra ecoou diferente aos ouvidos deste jovem aluno e despertou uma velha (ou nova) curiosidade sobre satélites, este objeto mágico – na verdade um artefato humano altamente sofisticado, fruto de gerações de esforços e pensamentos – que transmite ondas de TV de um lado a outro do mundo quase instantaneamente, permitindo-nos assistir a coisas da China ou da Alemanha, ao vivo!

Onde ele teria ouvido falar de satélites? Na televisão? Em alguma conversa de trabalho? Teria, ao ouvir falar, feito que cara? De entendido? Ou já teria assumido antes esta dúvida, expondo-se corajosamente? E o que eu – que até hoje não sei como os satélites funcionam, nem sei se é correto chamar “ondas” de televisão e muito menos e como se dá a “mágica da transmissão ao vivo – devo ter respondido? Provavelmente devo ter alertado ao jovem aluno que a pergunta dele não guardava nenhuma relação com o conteúdo da aula e que, portanto, não era pertinente, desmerecendo qualquer resposta. É, devo ter cometido um crime destes.

Hoje reflito sobre essas memórias já desgastadas e percebo como essa minha profissão precisa ser repensada. O que faz de um professor um professor? Por que e em que medida ele pode ser útil? Um professor de jovens como eu sou ainda hoje, o que sabe da juventude que o ouve? Que escolhas deve fazer para exercer sua profissão frente a estes jovens do século XXI?

Sempre fui um decidido fã da cultura ocidental e dos arquétipos que o Ocidente desenvolveu ao longo dos séculos, forjando conceitos de primeira ordem, de caráter estruturante dos nossos discursos mais solenes: “democracia”; “família”; “trabalho”; “futuro”. Sempre acreditei que esses conceitos precisavam ser perpetuados e os “problemas” atuais estão relacionados à nossa incapacidade de fazer valer uma escola que não ensina esses conceitos básicos de nosso projeto civilizacional.

Não sei como acreditei tanto tempo nisso. Sei que, felizmente, fui ficando velho e mais perspicaz. A escola é um lugar de vivência e não de ensino desses conceitos. Encerrar dezenas de jovens em carteiras enfileiradas, exigir silêncio e ameaçar punições e lembrar provas com poderes de aprovar ou não e depois escrever “democracia” no quadro é quase uma piada de mau gosto. Mas é assim que fazemos, muitos, durante décadas.

A escola é espaço público de construção de valores estruturantes para o mundo dos jovens e não mais para o nosso mundo que, felizmente, morrerá conosco. Não temos uma função, no sentido de cumprir um requisito para um fim. Temos um papel, de acompanhar, estimular, encorajar a construção desses estatutos para esse mundo do qual nos despediremos com lágrimas de felicidade ou de decepção.

Tudo o que chamamos de “alienação”, “despreparo”, “falta de interesse” dos jovens é mais um estímulo que uma crítica. Para construírem esse mundo novo, devem se alienar do nosso. Se se apegarem só ao que está aí, não construirão um mundo novo, mas um remendo do velho. É fato que devem beber da fonte que forja tudo, o passado, mas eles serão os ferreiros, não nós.

O despreparo é a condição da juventude. Lembram da nossa? Ou somos uma geração que já sabia tudo na juventude? E éramos igualmente educados, comportados, aplicados, formais e silenciosos como queremos que eles sejam? É fato que podemos falar em escalas, mas não falamos disso. Dizemos: “A que ponto chegou! Assim não dá. Essa geração não tem limites!” Mas qual é o ponto tolerável? Qual limite é aceitável? E mesmo esse ponto tolerável, esse limite aceitável, admitimos como um sinal de compreensão e abertura para o diálogo?

A falta de interesse, que é o desejo de estar junto, é reflexo dessa nossa mania de exercer função voltada aos fins e acreditarmos que os fins que os jovens devam almejar é o que nós determinamos e não o que eles vão escolher. O mundo será deles e não nosso. E não há muito do que se orgulhar do que estamos deixando para dizer a eles que devem “cuidar bem” da nossa herança. Se ficarmos apenas nos quesitos “ar”, “árvore” e “água”, devemos, isto sim, muito mais desculpas do que exigências.

Sempre associei minha profissão a um “sacrifício”. Horas e horas em sala, fora as leituras, as provas, as atividades burocráticas. E as reuniões pedagógicas! Nunca conheci um professor que me dissesse: “Uau, que bacana a programação dessa semana pedagógica! Vamos aprender bastante, não?”.

Faço parte de uma classe de profissionais que se sente sacrificada. A recompensa – o que é, ao mesmo tempo, incrível e paradoxal – vem do carinho dos alunos, do sucesso deles, da lembrança da nossa existência na vida deles. Deles, dos mesmos jovens que criticamos e acusamos de “despreparados para o futuro”. Como se houvesse uma fórmula para o futuro. E pior: como se soubéssemos que fórmula é essa!

Lamento, 30 anos depois, da resposta que não lembro ter dado ao jovem do supletivo que queria saber sobre satélites. “Eu não sei responder isso a você, meu jovem”. Mas eu deveria ter estimulado sua busca e ajudado a buscar, indicando alguma referência. Meu papel é ajudar na construção das pontes. Minha função não é a de levantar barreiras. A escola deve ser um lugar de acolhimento. As provações, a vida já garante de sobra.

Nosso papel é o de compreender que interesse é construção árdua e paciente e que não se impõe; compreender que autoridade é o que se reconhece em outro e não o que se estabelece a priori; compreender que preparo é uma palavra que morreremos tentando. E que futuro, ora, o futuro é a promessa que fazemos de estarmos juntos em parte do caminho. Por isso educar é um compromisso, uma promessa que se faz juntos. E o futuro passa a existir quando decidimos juntos essa partilha do tempo e do esforço por construir pontes e traduções de um mundo cujo sentido nós damos.

Esse é o papel da minha profissão. Professor. Com muita satisfação.* Daniel Medeiros é doutor em Educação pela UFPR, professor de História e Filosofia.
Fonte: Central Press





China inaugura maior ponte marítima do mundo

Obra de 55 km que inclui túnel subaquático e interliga Hong Kong, Macau e China continental é inaugurada com dois anos de atraso e custo acima do previsto.


A profissão do futuro

Educação & Capacitação

A profissão do futuro

No ano passado, três das mais respeitadas instituições de educação, pesquisa e inovação do mundo se uniram para tentar descobrir quais seriam as profissões da próxima geração.


Burst: Quais as vantagens para você que é empresário?

Briefing

Burst: Quais as vantagens para você que é empresário?

Aqui você encontra as melhores imagens, já otimizadas, para os mais diversos usos.


Cinco benefícios da aveia que você precisa conhecer

Funcional, a aveia é o mais nutritivo de todos os cereais.



Márcia Fellipe lança clipe com Jerry Smith

Notas Musicais

Márcia Fellipe lança clipe com Jerry Smith

Single “Quem me derá” promete ser o hit da cantora.


Usuários de cartão de crédito desconhecem valor da fatura

Mundo Empresarial

Usuários de cartão de crédito desconhecem valor da fatura

Um terço dos usuários de cartão de crédito não sabem quanto gastaram no mês anterior.


Rock in Rio anuncia três atrações do Palco Mundo

P!nk, Black Eyed Peas e Anitta se apresentarão no dia 05 de outubro de 2019, na Cidade do Rock.


Marketing de referência – Tudo o que você necessita saber

Briefing

Marketing de referência – Tudo o que você necessita saber

No mundo dos negócios é bastante comum que se ouça a expressão “marketing de referência”.


Correios lança selos sobre a história da computação brasileira

Digital

Correios lança selos sobre a história da computação brasileira

Três selos apresentam estudos e projetos de computadores nacionais.


Brasil faz ação para promover carne bovina na Europa

Café Pequeno

Brasil faz ação para promover carne bovina na Europa

Abiec participa da Sial Paris para divulgar a qualidade da carne bovina brasileira.


BH recebe XV Mostra de Cinema Atual Espanhol

Na Tela

BH recebe XV Mostra de Cinema Atual Espanhol

Evento no MIS Cine Santa Tereza propõe um mergulho no cinema espanhol atual.


Como evitar brigas nas redes sociais por política

Café Pequeno

Como evitar brigas nas redes sociais por política

Uma ação que aparenta ser apenas de cunho pessoal pode também prejudicar o campo profissional.


Estudo mostra que casamento ruim prejudica a saúde

Bem Viver

Estudo mostra que casamento ruim prejudica a saúde

Ansiedade e depressão são alguns dos sintomas de uma relação que não vai bem.


Bolsonaro tem 59% dos votos válidos, e Haddad, 41%

Capitão reformado tem mais eleitores convictos, enquanto ex-prefeito tem maior rejeição.


Dengue na gravidez aumenta risco de anomalias congênitas

Saúde

Dengue na gravidez aumenta risco de anomalias congênitas

O estudo foi publicado na edição de setembro da revista Emerging Infectious Diseases.


Ferramenta para detectar fake news é desenvolvida no Brasil

Tecnologia Máxima

Ferramenta para detectar fake news é desenvolvida no Brasil

Acessível via WhatsApp e na internet, plataforma possibilita checar se uma notícia é falsa ou verdadeira.


Apenas 3,3% dos estudantes querem ser professores

Nesta segunda-feira, 15 de outubro, celebra-se o Dia do Professor.



Meio ambiente é essencial para cidades inteligentes

Ciência & Ambiente

Meio ambiente é essencial para cidades inteligentes

IESE - Cidades em Movimento 2018 analisou nove dimensões de 165 cidades pelo mundo.


Roupa Nova lança clipe do 2° single de novo projeto

Notas Musicais

Roupa Nova lança clipe do 2° single de novo projeto

Roupa Nova, a banda com mais tempo em atividade no Brasil, lançou o clipe da inédita Seja Bem-Vindo.


Brasil possui maior índice de aprovação em transplantes

País prevê quebra de recordes em números de procedimentos ainda em 2018.


Como acelerar o acúmulo de milhas aéreas?

Briefing

Como acelerar o acúmulo de milhas aéreas?

Nesta reportagem você vai aprender como viajar mais com menos dinheiro.


As flores mais indicadas para cultivo na primavera

Ciência & Ambiente

As flores mais indicadas para cultivo na primavera

Muitas plantas apresentam desenvolvimento de folhas novas nesse período, o que pode atrair pragas.


Comércio e serviços devem abrir 59,2 mil vagas

Mundo Empresarial

Comércio e serviços devem abrir 59,2 mil vagas

De acordo com pesquisa, as vagas serão abertas até o final deste ano.


Postura confortável não é sinônimo de postura correta

Bem Viver

Postura confortável não é sinônimo de postura correta

Cada pessoa pode apresentar vários tipos de vícios posturais, explica especialista.


FMI reduz projeção de crescimento do Brasil no ano

Café Pequeno

FMI reduz projeção de crescimento do Brasil no ano

Para 2018, projeção de crescimento do PIB caiu para 1,4%.


Eleitor que não votou tem 60 dias para justificar ausência

Utilidade Pública

Eleitor que não votou tem 60 dias para justificar ausência

Quem não votou no primeiro turno e nem justificou não fica impedido de votar no segundo turno.