Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Quando o Dom é fazer o outro feliz

Quando o Dom é fazer o outro feliz

22/03/2015 Dominique Magalhães

Você certamente já ouviu alguém contar ou sentiu na própria pele, a alegria que um ato de altruísmo pode proporcionar.

Fazer alguém sorrir, estender a mão para auxiliar na solução de um problema, servir de ombro para um amigo ...

Por que será que nos sentimos afortunados com estas atitudes? Praticar o Dom também está relacionado a proporcionar satisfação ao outro, acredite. Podemos, a partir disso, encontrar alegria em viver. Em meu livro “O que falta para você ser feliz?”, comento que “ajudar” ao próximo é uma das categorias na qual a pessoa pode encontrar seu Dom.

Neste quesito, estão inclusos aqueles tipos de profissões em que o foco é essencialmente auxiliar as pessoas a resolverem seus problemas: terapeutas, médicos, líderes espirituais, professores (sim!), etc. Encontramos ainda aqueles que, além de suas atividades remuneradas, encontram tempo para se dedicarem a alguma atividade de caridade. Em retribuição, ganham sorrisos, abraços, carinho... Gratidão. Toda boa ação gera uma reação igualmente boa. O ser humano que faz parte deste grupo, não sofre em deixar-se um pouco de lado para o benefício do próximo, pelo contrário: esta é sua realização.

Grandes personalidades da nossa história cumpriram esse papel na religião: é o caso de Madre Teresa de Calcutá, Padre Antônio Vieira, Chico Xavier. A caridade era o Dom deles. Posso citar duas pessoas na atualidade que apresentam esta característica: Papa Francisco e o médium espírita brasileiro Divaldo Franco.

Ambos os líderes religiosos fizeram de suas habilidades próprias muito mais do que uma maneira de viver. Francisco veio para revolucionar muitos dos pensamentos católicos, condenando inclusive, a intolerância para com os homossexuais, assunto ainda considerado tabu para a Igreja Católica. Ambos com suas capacidades de mobilização, fé e espiritualidade semeiam o bem ao semelhante, a tolerância e a paz.

Divaldo realiza um projeto social grandioso que transformou e ajudou mais de 160 mil pessoas. A construção erguida em 1952 por iniciativa do médium, atualmente conta com o auxílio de 400 voluntários, ajudando aos assistidos a saírem da miséria com acesso à escola e desenvolvimento de uma profissão. Divaldo também é responsável pela psicografia de 258 livros que resultaram na venda de dez milhões de exemplares. Toda renda obtida é transferida para as obras de caráter social.

Alguns dos seus seguidores afirmam que o maior aprendizado obtido com ele é a percepção de que ajudar o próximo é a maior benção da vida. Nem todos precisam ser líderes religiosos ou dedicarem-se integralmente para ajudar outras pessoas, mas o questionamento é válido: Será que para sermos mais felizes, não precisamos ser menos egoístas e pensarmos um pouco mais na felicidade dos outros?

"Ajude o companheiro que segue pelo seu caminho. Aproxime-se e ofereça-lhe amizade. Coloque ao alcance dos outros a fonte generosa da sua amizade, oferecendo as águas cantantes da simpatia fraterna. O verdadeiro amor surge na urna da amizade honesta como jóia preciosa da verdadeira afeição. Amizade é luz no caminho – clareie sua estrada”. – Divaldo Franco

“Quantos desertos tem o ser humano de atravessar ainda hoje! Sobretudo o deserto que existe dentro dele, quando falta o amor à Deus e ao próximo, quando falta a consciência de ser guardião de tudo o que o Criador nos deu e continua a dar”. – Papa Francisco

* Dominique Magalhães, empresária com forte foco no social.



O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan