Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Quatro décadas completam os profissionais de Fisioterapia

Quatro décadas completam os profissionais de Fisioterapia

14/10/2009 Divulgação

No dia 13 de outubro de 1969, a Fisioterapia e a Terapia Ocupacional foram devidamente regularizadas com a publicação do Decreto-lei nº 938.

Nessas quatro décadas de existência regular, ambas as profissões comemoram um passo muito importante: A inclusão de seu trabalho dentro das empresas.

Reabilitar pacientes com doenças crônicas e vítimas dos mais diversos traumatismos é a principal característica da fisioterapia.

Já a terapia ocupacional, consiste em tratamentos através de atividades com pacientes que sofrem de transtornos psíquicos e sociais.

Porém, essas duas profissões não são resumidas apenas a essas funções. Os fisioterapeutas e os terapeutas ocupacionais trabalham em diversas áreas, dentre elas, a área empresarial.

Segundo Dr. Gil Lúcio Almeida, presidente do Crefito-sp (Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional), a inclusão desses profissionais faz toda a diferença no ambiente de trabalho, reduzindo afastamentos e melhorando a produtividade dos funcionários. "No que diz respeito às ações preventivas, esses profissionais atuam incentivando os empregados a novos hábitos de vida, desenvolvendo dentro da empresa uma nova cultura saudável de consciência corporal e postural, gerando um bem estar físico e emocional no ambiente de trabalho", comenta Dr. Gil.

As doenças osteomusculares e as de transtornos de humor são as mais comuns no afastamento do trabalho. Os dados foram levantados pelo Laboratório de Saúde do Trabalhador da Universidade de Brasília (UnB), que analisou 26 milhões de registros de trabalhadores ao INSS. De acordo com o ranking das doenças com mais afastamentos entre os anos de 2000 e 2004, as dorsopatias (problemas de coluna) estão em primeiro lugar, em segundo os traumatismos do punho e da mão, em terceiro as tendinites e tenossinovites (inflamação de tendão), em quarto os traumatismos de joelho e pernas e em quinto, os transtornos de humor.

Levando em consideração todos esses dados, é destacada a importância da inclusão dos Fisioterapeutas e Terapeutas Ocupacionais dentro das empresas para evitar problemas tanto para os funcionários, quanto para as empresas.

A prevenção é sempre importante, por isso, o Crefito, (órgão responsável pela fiscalização dos Fisioterapeutas e Terapeutas Ocupacionais), enfatiza a valorização dessas duas profissões para que os empresários invistam no cuidado com seus funcionários. "Uma empresa que investe nesses profissionais, com certeza terá empregados mais motivados e o rendimento dos funcionários será considerável". Alerta o Presidente Dr. Gil.

Sobre o início da Fisioterapia e Terapia Ocupacional:

Apesar de ser uma ciência tão antiga, a Fisioterapia como profissão nasceu em meados do século XX, quando as duas guerras mundiais causaram um grande número de lesões e ferimentos graves que necessitavam de uma abordagem de reabilitação para que as pessoas afetadas tivessem novamente uma vida ativa.

Já a Terapia Ocupacional surgiu com a Revolução Industrial, no final do século XIX, quando surgiram os primeiros acidentes industriais e com eles o número de pessoas incapacitadas aumentou. Era fundamental que uma nova forma de tratamento surgisse para tratar dessas incapacidades.

Mas somente em 13 de outubro de 1969, com a publicação do Decreto-lei nº 938, ambas as profissões foram regulamentadas, com suas atribuições devidamente definidas.

* Gil Lúcio Almeida, Graduado em Fisioterapia e mestre pela Universidade Federal de São Carlos; Doutor pelo lowa State University e University of lllinois at Chicago; Pós-doutorado pelo Rush Medical Center e University of lllinois at Chicago e Presidente do Crefito-3(Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional)

Fonte: Ação e Comunicação



A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.


Investimentos registram captação de R$ 46 bi no primeiro trimestre

O segmento de fundos de investimentos fechou o primeiro trimestre de 2022 com absorção líquida de R$ 46,1 bilhões, movimentação de 56,9% menor do que o observado no mesmo período de 2021.


Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.


Uma carta à Elon Musk

O homem mais rico do mundo, Elon Musk, acaba de chegar a um acordo para adquirir uma das redes sociais mais importantes do mundo, o Twitter, por US$ 44 bilhões.


Liberdade de expressão: lembrança do passado recente

Na manhã do dia 19 de agosto de 1968, tropas da polícia e do Exército invadiram a Universidade de Brasília, agredindo violentamente vários estudantes dentro das salas de aula.


Mitos sobre a recuperação judicial

Criou-se uma verdadeira quimera quando o tema é recuperação judicial e o objetivo deste artigo é desmistificar alguns dos mitos sobre esse instituto.


Quem vive em união estável tem direito à pensão por morte?

A pensão por morte é um benefício do INSS destinado aos dependentes de um segurado quando o instituidor faleceu.


O que a inveja desperta em você?

Inveja é um sentimento de natureza humana que se caracteriza por ódio ou rancor em relação a algo de bom que o outro tem, e você não.


“Os bem-comportados podem sair”

Havia na empresa onde trabalhei quase quarenta anos, o costume, enraizado na tradição, de não abandonar o local de trabalho, sem o chefe do departamento, dizer: “Podem sair!”