Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Quem deve não pode temer compromissos com o Planeta

Quem deve não pode temer compromissos com o Planeta

19/11/2014 João Guilherme Sabino Ometto

Com vistas à 21ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro da ONU sobre Mudança do Clima (COP 21), agendada para novembro de 2015, em Paris, é preciso analisar com isenção e bom senso a recusa brasileira, na Cúpula do Clima da ONU, dia 23 de setembro, de aderir à Declaração de Nova York sobre as Florestas.

Não se pode entender que nosso país esteja se negando a contribuir para conter o aquecimento e o desmatamento ou desmerecendo a proposta europeia de destinar US$ 1,2 bilhão às nações que reduzirem perdas de cobertura vegetal. Ao contrário! O Brasil foi um dos países que mostraram resultados concretos no evento.

De 2010 a 2013, deixamos de lançar 650 milhões de toneladas anuais de dióxido de carbono (CO²) na atmosfera e, nos últimos dez anos, reduzimos o desmatamento em 79%. Em 2012, já havíamos superado as metas de 2020 para o cerrado, que eram de 40%, atingindo 60,5%. Na Amazônia, chegamos a 76,7%, muito perto dos 80% previstos. Nosso novo Código Florestal também agrega avanços, prevendo a recuperação de 4,8 milhões de hectares de Áreas de Preservação Permanente e 21 milhões de hectares de Reserva Legal.

Além disso, permite o manejo sustentável de florestas e regula o uso do solo para práticas agrícolas. Assim, não podemos concordar genericamente com o texto da Declaração de Nova York sobre as Florestas, que precisaria ter estabelecido clara distinção entre “desmatamento ilegal” e “desmatamento legal”. Assim, é justa a proposta brasileira de que os futuros acordos considerem as ações já realizadas e estabeleçam metodologia para quantificar e qualificar as responsabilidades anteriores pelas emissões de carbono.

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) concorda com a posição de nosso país e espera que ela seja acolhida na COP 21. A entidade, que participa oficialmente das COPs desde 2009, defende, ainda, que as decisões ligadas à agropecuária garantam a segurança alimentar e os sistemas produtivos, mas sem medidas disfarçadas que permitam a adoção de barreiras ao comércio. Quanto à preservação das florestas, entendemos que as negociações devam centrar-se no financiamento e nas práticas de mensurar, reportar e verificar projetos, contemplando, também, propriedades privadas. Nesse contexto, é bem-vinda a destinação de mais dinheiro à preservação das florestas.

No entanto, é preciso levar em conta o que já foi feito. A proposta brasileira ganha dimensão ainda maior se considerarmos alerta de um estudo da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL): se a temperatura do Planeta aumentar 2,5 graus centígrados, o prejuízo econômico será de 2,5% do PIB na região, que é mais vulnerável à mudança climática, apesar de contribuir menos do que outras áreas para que ela ocorra. O relatório explica algumas razões dessa suscetibilidade, a começar pela taxa de urbanização mais alta da Terra, passando pela dependência dos recursos naturais, até o significado da agricultura e das extensões costeiras.

Portanto, é justo que os países que poluíram e devastaram mais florestas para se desenvolver tenham responsabilidades proporcionais a esse passivo. Do mesmo modo, as contribuições já concretizadas devem entrar na contabilidade das medidas a serem adotadas pelas nações para impedir o caos climático. A COP 21 mostrará se o esforço foi bem-sucedido e se a Declaração de Nova York sobre as Florestas, que esperamos ver aperfeiçoada, será mais um papel ao vento ou se transformará em concreto termo de responsabilidade.

*João Guilherme Sabino Ometto, 74, engenheiro (Escola de Engenharia de São Carlos - EESC/USP), é vice-presidente do Conselho de Administração do Grupo São Martinho, vice-presidente da FIESP e coordenador do Comitê de Mudanças Climáticas da entidade.



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa