Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Quem se beneficia da coisa pública é corrupto

Quem se beneficia da coisa pública é corrupto

09/08/2019 Julio César Cardoso

Coisa pública não pode ser confundida com coisa privada.

O pastor e deputado Marco Feliciano (PODE), um pregador religioso, que, certamente recomenda humildade e justiça aos fiéis de sua Igreja, deveria lembrar as palavras de Cristo:  “Quem me segue não anda nas trevas”, diz o Senhor (Jo, 8, 12). 

São estas as palavras de Cristo pelas quais somos advertidos que imitemos sua vida e seus costumes se verdadeiramente queremos ser iluminados e livres de toda cegueira de coração.

Pois bem, Cristo foi um homem humilde, que deixou na Terra um exemplo a ser seguido. Mas o pastor e deputado Feliciano não segue a vida de Cristo.

Sem humildade e escrúpulo teve a pachorra de pedir ressarcimento ao Erário, no valor de 157 mil reais, por despesas pessoais com tratamento estético dentário.

Coisa pública não pode ser confundida com coisa privada. É uma vergonha, uma imoralidade e denigre a imagem parlamentar usar a política para se beneficiar da coisa pública.

Não pode o dinheiro público, do contribuinte, servir para bancar os gastos estéticos dentários de indecorosos parlamentares, pois isso fere o princípio da igualdade de tratamento dos cidadãos – Art. 5º da CF -, bem como os princípios da impessoalidade e moralidade - Art. 37 da CF. Portanto, trata-se aqui de uma ilegalidade constitucional.

Por outro lado, o deputado incide em corrupção passiva, prevista no Art. 317 do Código Penal, ao receber vantagem indevida (ressarcimento de despesas odontológicas não previstas em lei).

É impossível não se revoltar com os indecentes políticos, que abraçam a vida parlamentar apenas para tirar proveito da coisa pública.

Um país com mais de 13 milhões de pessoas desempregadas, endividas, passando fome, sem lares e ainda existe político safo e mequetrefe pilhando a nação?

Se o que se gasta para manter o inchado e inoperante Congresso Nacional e os demais legislativos fosse destinado para resgatar a dignidade de brasileiros em todas as plagas, o país teria um bom sistema de educação, saúde e segurança.

A política esvazia os cofres da nação sem se preocupar com os graves problemas sociais. Jorra dinheiro para sustentar os gastos com políticos, mas a ausência de saneamento básico de cidades onde o esgoto ainda corre a céu aberto é uma grande vergonha.

Ser político, no Brasil, é um grande negócio para os oportunistas, como o deputado Feliciano, que revela só desejar tirar vantagem da coisa pública.

Sem esquecer que muitos exercem a política como cabide de emprego porque não têm competência para atuar no mercado de trabalho.

Enquanto miríades de desassistidos vivem em extremo estado de pobreza, o inescrupuloso deputado Marco Feliciano gasta sem piedade o dinheiro da nação, do contribuinte, com o aval lamentável da Mesa Diretora da Câmara dos Deputados.

* Júlio César Cardoso é servidor federal aposentado.

Fonte: Júlio César Cardoso



Verdade: qual nos libertará?

Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.


Vergonha: um orgulho familiar

Ouso iniciar a reflexão sobre o sentimento de vergonha pela adaptação da célebre frase: diga-me do que tens vergonha, que eu te direi quem és!


O povo brasileiro está triste

Vivemos um momento único na história do Brasil. Passamos atualmente por uma crise sem precedentes.


Por que sua organização desafia as leis da física

Organizações são como seres vivos. Ambos desafiam as leis da termodinâmica e tentam reter a energia, cuja tendência natural da entropia é fazer com que se dissipe.


Será que o franciscano tinha razão?

Quando estive em Roma, conheci sacerdote, que estava hospedado no Convento anexo à Basílica de Santo António, na via Mariana.


O gestor educacional na era da inovação: lugar da teoria e da prática

Maquiavel em sua obra celebre “O Príncipe” preconiza que para conhecer a natureza do povo é necessário ser príncipe, e para conhecer a natureza dos príncipes é necessário ser do povo.


Desenvolvimento de carreira: cuide sempre de você!

Atuo há mais de vinte anos como headhunter e em projetos de desenvolvimento de lideranças e carreiras com executivos e profissionais especializados.


A ilusão da egolatria: você sabe com quem está falando?

Episódios de pessoas que se julgam superiores e acima da lei, infelizmente têm se tornado comuns na sociedade brasileira.


O rádio, a TV e a “live”

Os brasileiros de média (ou avançada) idade, viveram no tempo em que o rádio era o todo poderoso meio de comunicação.


Tão próximos e tão distantes

Não há dúvidas de que a internet mudou a realidade da maior parte do mundo.


Onde querem colocar o dinheiro da Educação?

No país de bons brasileiros perguntamos: onde querem colocar o dinheiro da Educação?


Um novo normal essencial; um velho normal desejado

Ver sorrisos, estar dentro de abraços, realizar eventos e trazer alegria…