Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Quem tem medo de… Renan Calheiros?

Quem tem medo de… Renan Calheiros?

06/12/2007 Dirceu Cardoso Gonçalves

O Senado teve mais um dia de “função” – pois ganhou contornos circenses – ao julgar mais uma vez o senador Renan Calheiros que, durante o vergonhoso espetáculo, renunciou à presidência, donde estava licenciado.

Sabia-se previamente da absolvição, mesmo diante da existência de um relatório que pedia veementemente a sua cassação. E desta vez a margem de votos foi ainda maior que no “julgamento” anterior.

Algumas falas foram significativas no decorrer da sessão, como a do respeitado senador Pedro Simon (PMDB-RS), que reclamou do Senado transformado em "balcão de barganha" (o caso de Renan em troca da CPMF), e a do senador Paulo Duque (PMDB-RJ) que, ao defender Renan, lançou publicamente a dúvida sobre a cumplicidade de seus pares, afirmando não serem “anjos”.

A sessão terminou como começou, numa verdadeira encenação, pouco avançando na solução do inexplicável entrave político que o caso provoca desde a sua eclosão, em maio. Sua agonia política seguirá no Judiciário e, muito provavelmente, continuará contaminando o processo parlamentar, mesmo tendo deixado a presidência.

O encaminhamento da crise Renan Calheiros chega a ser impatriótico na medida em que leva problemas pessoais de um político a travar o funcionamento da mais alta casa legislativa do país e à própria administração pública, na medida em que não se discute e vota as leis propostas pelo Executivo.

Para evitar que episódios dessa natureza se repitam, o ideal seria a adoção de leis e procedimentos que afastassem sumariamente de seus cargos todos os envolvidos em escândalos, com a alternativa de poderem voltar e cobrar reparação de quem de direito, se conseguirem comprovar sua inocência. Com esse procedimento, a crise ficaria restrita a um indivíduo e a instituição se manteria a salvo, cumprindo suas finalidades.


A outra providência que os senadores ensaiam adotar, mas à última hora sempre recuam, é a eliminação do voto secreto, atrás do qual podem se esconder o tráfico de influência, a impunidade e até as possíveis negociatas. Em vez de secreto, pelo bem do Brasil, o voto de todo parlamentar, de senador a vereador, deveria ser aberto e justificado. Dessa forma, todos agiriam criteriosamente e o eleitor ficaria sabendo como votou o seu representante. Ele não poderia mais votar de um jeito e dizer que votou de outro!


Pelo conjunto dos discursos e entrevistas – inclusive do próprio Renan Calheiros -  produzidos ao longo da crise, especialmente nas proximidades das votações, resta ao povo a sensação de que senador alagoano se mantém porque deve conhecer o rabo-de-palha de muitos de seus pares e de outras figuras de alta relevância na República. Se for real, isso é muito mal para o país cuja população, de 170 milhões de habitantes, fica à mercê do mau caráter de algumas poucas raposas que, indevidamente, tomam conta do galinheiro político.


Independente de cassar ou não o mandato de Renan, urge que o Senado Federal tome todas as providências para a conclusão dos questionamentos. Não pode o monturo político continuar, por mais tempo, prejudicando a vida nacional...


Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) 



Que ingratidão…

Durante o tempo que fui redactor de jornal local, realizei numerosas entrevistas a figuras públicas: industriais, grandes proprietários, políticos, artistas…


Empresa Cooperativa x Empresa Capitalista

A economia solidária movimenta 12 bilhões e a empresa cooperativa gera emprego e riqueza para o país.


O fundo de reserva nos condomínios: como funciona e a forma correta de usar

O fundo de reserva é a mais famosa e tradicional forma de arrecadação extra. Normalmente, consta na convenção o percentual da taxa condominial que deve ser destinado ao fundo.


E se as pedras falassem?

Viver na Terra Santa é tentar diariamente “ouvir” as pedras! Elas “contemplaram” a história e os acontecimentos, são “testemunhas” fiéis, milenares porém silenciosas!


Smart streets: é possível viver a cidade de forma mais inteligente em cada esquina

De acordo com previsões da Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% da população mundial viverá em áreas urbanas até 2050.


Quem se lembra dos velhos?

Meu pai, quando se aposentou, os amigos disseram: - " Entrastes, hoje, no grupo da fome…"


Greve dos caminhoneiros: os direitos nem sempre são iguais

No decorrer da sua história como república, o Brasil foi marcado por diversas manifestações a favor da democracia, que buscavam uma realidade mais justa e igualitária.


Como chegou o café ao Brasil

Antes de Cabral desembarcar em Porto Seguro – sabem quem é o décimo sexto neto do navegador?


Fake news, deepfakes e a organização que aprende

Em tempos onde a discussão sobre as fake news chega ao Congresso, é mais que propício reforçar o quanto a informação é fundamental para a sustentabilidade de qualquer empresa.


Superando a dor da perda de quem você ama

A morte é um tema que envolve mistérios, e a vivência do processo de luto é dolorosa. Ela quebra vínculos, deixando vazio, solidão e sentimento de perda.


A onda do tsunami da censura

A onda do tsunami da censura prévia, da vedação, da livre manifestação, contrária à exposição de ideias, imagens, pensamentos, parece agigantar em nosso país. Diz a sabedoria popular que “onde passa um boi passa uma boiada”.


O desserviço do senador ao STF

Como pode um único homem, que nem é chefe de poder, travar indefinidamente a execução de obrigações constitucionais e, com isso, impor dificuldades ao funcionamento de um dos poderes da República?