Portal O Debate
Grupo WhatsApp


“Quem viva?! …”

“Quem viva?! …”

24/06/2020 Humberto Pinho da Silva

Contava meu pai, com elevada graça, que tivemos antepassado, muito desenrascado, que sempre encontrava resposta pronta, na ponta da língua.

Era no início do século XX, quando haviam muitas sarrafuscas. Ao passar nas mediações da Serra do Pilar, em Gaia, deparou, atónito, pequeno agrupamento de soldados.

Receoso, avizinhou-se muito devagarinho… Quando se encontrava a escassa distância, surge-lhe roliço sargento, de farta bigodaça, sobrolhos eriçados, que se postou, de mãos nas ilhargas, à sua frente, interrogando-o asperamente:

 – Quem é vossemecê?! - Vociferou.

 – Quero ir para casa… - respondeu temeroso, crispando nervosamente a testa.

– Não pode circular! …

– Mas…meu sargento, preciso de ir para casa…Tenho mulher e filhos. Estou preocupadíssimo…

– Então vá! Mas antes, diga: Quem viva?!

O homem ficou assarapantado. Que havia de dizer? …; desconhecia de que lado estava o militar…

Voltando-se para o sargento, disse-lhe todo empertigado:

– Viva o meu sargento! Viva eu, e mais quem o senhor quiser! …

De sorriso agarotado, nos lábios grossos, o militar, deixou-o passar, sacudindo vagarosamente e complacente, a cabeça, como quem queria dizer: Este sabe-a toda…

Essa historieta, verdadeira, fez-me lembrar a que conta Agostinho de Campos, na: “Língua e Má Língua”:

Perguntaram a Teófilo Braga, durante a Grande Guerra, se era francófilo ou germanófilo. O escritor, não queria revelar a sua simpatia, e respondeu deste jeito:

– Eu cá sou Teófilo…

Nos conturbados tempos que correm, também muitos perguntam: “Quem viva!?”

Se dissermos viva a “Esquerda”, somos pascácios para os da “Direita”; se dermos vivas à “Direita”, somos retrógrados, e anátemas…

Neste tempo democrático, de amplas liberdades, melhor é dizermos como meu antepassado:

– Viva eu! Viva você! E mais quem você quiser! …

* Humberto Pinho da Silva

Fonte: Humberto Pinho da Silva



Dificultando o acesso ao livro

Na proposta de reforma tributária endossada pelo Governo e enviada ao Congresso consta uma nova taxação.


Redes sociais: espaço fértil para a indignação e a esperança

Há um inconformismo geral com o nosso cenário político atual, a indignação é generalizada e evidente em parcela significativa da população.


Como a tecnologia analítica está conquistando espaço no futebol

Com a atual pandemia, os apaixonados por futebol ficaram alguns meses sem ver a bola rolando.


O descaso e a “carteirada” frente à pandemia

A obra Raízes do Brasil de Sergio Buarque de Holanda, originalmente publicada em 1936, analisa elementos fundamentais presentes na cultura brasileira que remontam ao nosso passado colonial e escravagista.


A justiça nossa de cada dia

Se a justiça desaparece é coisa sem valor o fato de os homens viverem-na terra. (Immanuel Kant)


O dia da vergonha

Sem dúvida, ainda temos muito o que aprender com a história para evitar que dias vergonhosos se repitam.


XaaS: Está na hora de pensar em Tudo como Serviço

Quando toda essa crise passar, qual lição levaremos?


A urgência da reforma tributária

No Brasil, o debate sobre a necessidade de uma reforma tributária ocorre há décadas.


Lições importantes da pandemia para os investidores e o futuro financeiro

A pandemia do Covid-19 trouxe impactos significativos em diversas esferas sociais e econômicas.


O Caminho de Saint-Hilaire

Augustin François César Prouvençal de Saint-Hilaire, o botânico francês que ficou conhecido mundialmente apenas como Saint-Hilaire, explorou, entre os anos de 1816 e 1822, a parte central do Brasil colônia e um pouco do sul.


Verdade: qual nos libertará?

Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.


Vergonha: um orgulho familiar

Ouso iniciar a reflexão sobre o sentimento de vergonha pela adaptação da célebre frase: diga-me do que tens vergonha, que eu te direi quem és!