Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Quero ver o PMDB canibalizar o PT

Quero ver o PMDB canibalizar o PT

26/09/2015 João César de Melo

O Brasil se reconhece como o país da impunidade; e a mais grotesca impunidade de sua história está em vigor nesse exato momento, com a permanência de Dilma Youssef na presidência.

Pior: Desde segunda-feira, quando foi anunciado mais um pacote de aumento e de criação de impostos, percebe-se o esforço do Palácio do Planalto em jogar no colo dos brasileiros a responsabilidade sobre esta crise – quem é contra as novas medidas, é contra o Brasil.

O brasileiro precisa provar seu patriotismo apoiando quem mentiu para ele, quem foi irresponsável com seu dinheiro, quem foi criminoso no uso dos recursos públicos − seremos salvos por aqueles que nos roubaram!

O desmoronamento moral, ético e institucional do Brasil é tão absurdo que a população precisa torcer para que o Congresso sabote todas as medidas do executivo, pois, apenas essa sabotagem pode moldar o ambiente para que Dilma e seu partido sejam punidos.

A verdade: Todo e qualquer apoio às medidas do governo para superar a crise formam a mais escrachada conivência com aqueles que geraram essa mesma crise, Dilma e o PT; até porque, tais medidas são claramente de caráter arrecadatório, meros “tapa buraco”, sem qualquer efeito estrutural, em nada alterando o sentido da curva de gastos do Estado.

Deixo de lado, só por um momento, meu ideal libertário para contextualizar as medidas anunciadas pelo governo, crendo que o “pequeno” aumento de impostos anunciado seria moralmente aceitável apenas se houvesse uma contrapartida à altura, tal como:

1 – Se Dilma propusesse o corte da metade do salário de governadores, de deputados, de senadores, de ministros e do seu próprio durante o período proposto para a incidência da CPMF, já que o imposto é anunciado como provisório;

2 – Se Dilma propusesse o corte de pelo menos metade do pessoal que trabalha no Palácio do Planalto, na Câmara e no Senado e também das despesas dos mesmos;

3 – Se Dilma propusesse o fim da imunidade parlamentar;

4 – Se Dilma propusesse o fim dos auxílios e benefícios a parlamentares;

5 – Se Dilma propusesse o fim do sistema especial de aposentaria do servidor público em todas as esferas do poder, equiparando-o ao do cidadão comum;

6 – Se Dilma propusesse o fim de repasses a movimentos sociais e partidos políticos;

7 – Se Dilma propusesse a real privatização de empresas nas quais o governo ainda detém participação minoritária;

8 – Se Dilma propusesse uma lei restringindo a criação de cargos comissionados;

9 – Se Dilma propusesse o corte pela metade das despesas com propaganda;

10 – Se Dilma propusesse o fim da farra de gastos pessoais de parlamentares, ministros e assessores em viagens, em reuniões e em jantares, com cada pessoa pagando do seu próprio bolso pelo menos a bebida que venha a consumir.

Estou sendo bonzinho. Não estou cobrando o fim de nenhum programa social. Não estou cobrando a privatização da Petrobrás.

Estou apenas cobrando um tiquinho de coerência entre os sacrifícios que o governo pede que o povo faça e os sacrifícios que o governo poderia fazer.

É muito? Infelizmente, sim… O que nos lembra de Milton Friedman, que dizia que o pior efeito da concessão de benefícios é a dificuldade de retirá-los quando é necessário. Cá estamos.

Por isso que hoje, agora, diante do cenário atual, eu quero ver sangue! Quero ver o PMDB canibalizar o PT, roer seus ossos, humilhar e chutar Dilma do poder sem dó nem piedade, pois é isso, nada além disso, que nos sobrou.

Certamente a saída de Dilma, por si mesma, não resolverá muita coisa, mas abre a possibilidade para que algo possa ser feito, por alguém… seja lá… mas certamente colocará na alma do brasileiro um sentimento que ele poucas vezes experimentou, o da justiça; e quem sabe este sentimento lhe confira autoestima suficiente para se impor diante dos governos seguintes, não permitindo que situações como essa voltem a acontecer.

Inspirando-me no famoso lema das manifestações de junho de 2013, digo que não é por causa dos 0,02% da CPMF, é pelo fim da impunidade! É pela punição à Dilma, por suas mentiras e por suas irresponsabilidades.

É pela punição ao PT, por seu aparelhamento da máquina pública, por ele ter envenenado a sociedade brasileira com sua cretinice. Puni-los é o que nos resta, é o que está ao nosso alcance hoje, agora.

*João César de Melo é arquiteto, artista plástico, escritor e colunista do Instituto Liberal.



Prisão após condenação em segunda instância

Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 410/18, que deixa clara a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância, avança na CCJ da Câmara Federal.


Sou uma péssima professora!

Sou uma péssima professora! Primeiramente, porque ser professor não foi minha primeira escolha de carreira.


As ferramentas tecnológicas e a educação

Os avanços tecnológicos podem estar a serviço da Educação, na medida em que permitem um maior acesso à informação e mais rapidez nas trocas do conhecimento.


Eu, professor

Comecei a dar aulas aos 18 anos. Meus alunos, em um supletivo de bairro, eram todos mais velhos que eu.


Gestão pública é o caminho contra a corrupção

A corrupção é pré-requisito do desenvolvimento, já dizia Gunnar Myrdall, Prêmio Nobel de Economia, em 1974.


Quando a desinformação é menos tecnológica e mais cultural

Cenário é propício para o descrédito de pesquisas, dados, documentos e uma série de evidências de veracidade.


Igualdade como requisito de existência

Na última cerimônia de entrega do EMMY, o prêmio da TV Norte Americana, um ator negro foi premiado, fruto de reconhecimento praticamente unânime de seu trabalho.


Liderança é comunicação, conexão e confiança

Cada dia que passa, percebo que uma boa comunicação e liderança têm total relação com conexão.


“A educação é a arma mais poderosa…” mas para quem?

Tudo o que se cria ou se ensina no mundo tem dois lados. Geralmente as intenções são boas e as pessoas as tornam ruins.


“Golpe do Delivery”

Entregadores usam máquina de cartão para enganar consumidor.


A inclusão educacional e o mês das crianças

O tema da inclusão está na ordem do dia, dominando as agendas no mês das crianças.


A velha forma de fazer política não tem fim

Ser político no Brasil é um grande negócio, uma dádiva caída do céu, visto as grandes recompensas de toda a ordem obtidas pelos políticos.