Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Questões de família

Questões de família

31/12/2018 Oscar D'Ambrosio

Relacionamentos familiares costumam dar ótimos filmes, ainda mais quando a discussão recai sobre o reestabelecimento de elos perdidos pelos mais variados motivos.

O afastamento entre pai e filha é um dos motes de "Limites", dirigido por Shana Feste, com Vera Farmiga e Christopher Plummer nos papeis centrais.

A narrativa gira em torno da viagem de carro da protagonista com dois personagens: o seu pai, que é um idoso traficante de drogas, e o filho dela, um adolescente sem rumo na vida. As confusões que se seguem alternam momentos de humor com cenas de intensa agonia existencial. A variação de tons ilustra bem o que é viver em família.

Por um lado, existe o amor incondicional, mas há também conflitos – e não são poucos. A mãe sentiu a ausência do pai na infância e teve um casamento infeliz. Precisa de dinheiro para pagar os estudos do filho e não tem a quem recorrer. O que poderia ser dramático, no entanto, ganha um contexto irônico pelos diálogos afiados.

O grande acerto do filme está em não levar totalmente a sério as questões que discute. Ao permear momentos de descontração, evidencia-se que a vida não é tragédia ou comedia, mas uma jornada tragicômica de acontecimentos em que vitórias e derrotas são constantes.

Sobreviver aos imprevistos é o grande segredo. E, nesse sentido, o filme traz uma visão diferenciada e contemporânea, sem mocinhos ou bandidos, mas com heróis do cotidiano, categoria em que todos nos enquadramos, pois, de uma maneira ou de outra, sempre sobrevivemos às peças que o destino nos prega.

Oscar D"Ambrosio é jornalista pela USP, mestre em Artes Visuais pela Unesp, graduado em Letras (Português e Inglês) e doutor em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e Gerente de Comunicação e Marketing da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. 



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.