Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Questões de família

Questões de família

31/12/2018 Oscar D'Ambrosio

Relacionamentos familiares costumam dar ótimos filmes, ainda mais quando a discussão recai sobre o reestabelecimento de elos perdidos pelos mais variados motivos.

O afastamento entre pai e filha é um dos motes de "Limites", dirigido por Shana Feste, com Vera Farmiga e Christopher Plummer nos papeis centrais.

A narrativa gira em torno da viagem de carro da protagonista com dois personagens: o seu pai, que é um idoso traficante de drogas, e o filho dela, um adolescente sem rumo na vida. As confusões que se seguem alternam momentos de humor com cenas de intensa agonia existencial. A variação de tons ilustra bem o que é viver em família.

Por um lado, existe o amor incondicional, mas há também conflitos – e não são poucos. A mãe sentiu a ausência do pai na infância e teve um casamento infeliz. Precisa de dinheiro para pagar os estudos do filho e não tem a quem recorrer. O que poderia ser dramático, no entanto, ganha um contexto irônico pelos diálogos afiados.

O grande acerto do filme está em não levar totalmente a sério as questões que discute. Ao permear momentos de descontração, evidencia-se que a vida não é tragédia ou comedia, mas uma jornada tragicômica de acontecimentos em que vitórias e derrotas são constantes.

Sobreviver aos imprevistos é o grande segredo. E, nesse sentido, o filme traz uma visão diferenciada e contemporânea, sem mocinhos ou bandidos, mas com heróis do cotidiano, categoria em que todos nos enquadramos, pois, de uma maneira ou de outra, sempre sobrevivemos às peças que o destino nos prega.

Oscar D"Ambrosio é jornalista pela USP, mestre em Artes Visuais pela Unesp, graduado em Letras (Português e Inglês) e doutor em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e Gerente de Comunicação e Marketing da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. 



Chave interdisciplinar: escola conteudista ou de competências

A educação em tempos de Covid-19 provocou reflexões em pais e professores sobre que escola de fato precisamos e queremos para formação das novas gerações.


Bater nas crianças: um projeto político

“Há muitos anos, percebi de repente que o país a que pertencemos não é, como quer a retórica mais corrente, o país que amamos, e sim aquele do qual nos envergonhamos.”(Carlo Ginzburg)


Estamos sendo justos com a publicidade?

Talvez você não goste do que vai ler aqui. Na verdade, talvez nem eu goste, mas aprendi que o primeiro passo para resolver um problema é admitir que você tem um.


O “AutoconheCINEMA” online como escapatória para o confinamento

A quarentena imposta pela pandemia forçou diferentes grupos sociais a reinventarem suas atividades de lazer.


Efeito Dunning-Kruger: por que tolos se acham gênios?

Você já se deparou com um péssimo profissional que se acha o máximo? E com um artista amador que se julga um talentoso incompreendido?


O hábito

É usual ouvir a cada passo: “F. teve berço”. Ter berço é ter sido educado nas regras da boa etiqueta e civilidade.


O normal dos anormais

A palavra comum é a corrupta do sentido “como um”. Sua origem monta os princípios da sociologia e busca dar sentido aos fenômenos sociais que atingem a todos, “como um”.


Narcisismo, redes sociais e o medo do diferente

Narciso acha feio o que não é espelho, diria Caetano Veloso.


Quanto as pessoas podem ganhar com a economia circular?

Apesar da pandemia da Covid-19 e da má distribuição de renda, a cada dia presenciamos o aumento da geração de riqueza, afinal somos criados em uma sociedade onde ganhar e ter representam o Santo Graal da felicidade, dinâmica muitas vezes expressa no ato de comprar.


Democracia: falando para jovens

O segredo de um regime democrático é a confiança nas instituições.


Como ser mãe e empresária em tempos de epidemia?

Desde a chegada da pandemia, minha vida e rotina mudaram completamente.


Estou na Web – e agora, o que eu faço?

Você não queria, mas agora é obrigado a encarar câmera, luz, ação!