Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Racismo ainda ofusca o futebol

Racismo ainda ofusca o futebol

23/07/2018 Joscha Weber (DW)

Na hora da vitória, jogadores brancos e negros são festejados da mesma forma.

Racismo ainda ofusca o futebol

Domingo à noite, 18h54, Campo de Marte, em Paris. A gigantesca tela ao pé da Torre Eiffel exibe a transmissão da Copa do Mundo, o grande momento chegou. O árbitro leva seu apito à boca, soa o apito final e, em Paris um vulcão entra em erupção. É uma erupção de alegria. A França é campeã mundial, as pessoas gritam, pulam, choram e se abraçam. Neste segundo, toda a força emocional do futebol se manifesta.

"Este é um momento de entusiasmo, de otimismo, de entusiasmo de todo um povo", exulta Laura. Ela é parisiense, vestindo hoje, naturalmente, sua camisa azul da seleção nacional. Seus olhos ainda estão molhados com as lágrimas de alegria que rolaram sobre suas bochechas enquanto ela extravasava seus sentimentos no microfone da DW. "Que loucura! A seleção deu o exemplo, foi uma unidade e mostrou coesão real, é um modelo para todo o país."

Apenas alguns momentos se passaram desde o apito final, e aí está novamente a analogia entre a seleção nacional e a nação. A equipe francesa, um conjunto multi-étnico bem harmonizado, como símbolo de uma nação igualmente colorida e bem-sucedida? Como em 1998, quando a França se tornou campeã mundial com uma equipe mista de jogadores brancos e negros, é feita essa comparação. Assim como 20 anos atrás, dessa vez também muito rapidamente fica explícito: a comparação é capenga.

Pois já na noite da final, a frustração social explode em Paris e outras cidades da França. Vândalos, muitos da periferia e muitos com origem estrangeira, destroem lojas, incendeiam carros. Em meio à hora de júbilo, o país é lembrado de seus grandes problemas sociais. Exatamente, que os jovens com pele negra ou com o nome de origem árabe têm muito menos chances de progresso fora dos campos. A seleção campeão mundial o mais belo símbolo de uma possível França: unida, igualitária e bem-sucedida.

O exemplo da Alemanha mostra o que acontece quando o sucesso não vem. Após a estrondosa eliminação da equipe nacional alemã na rodada preliminar se seguiu um debate louco sobre Mesut Özil: o turco é o culpado. O meia é declarado bode expiatório tanto na mídia social como também por integrantes da Federação Alemã de Futebol, apesar de alguns colegas da equipe terem apresentado desempenhos significativamente piores. É claro que Özil não fez favor algum a si mesmo com a detestável reunião com o presidente turco Erdogan e seu teimoso silêncio posterior. Mas os preconceituosos e maciços insultos contra ele, que é filho de pais turcos e nascido em Gelsenkirchen, são um tapa na cara de uma Alemanha supostamente liberal. Eles mostram que o racismo infelizmente ainda não foi banido – nem da sociedade, nem do futebol.

Suásticas na torcida organizada, bananas jogadas sobre jogadores de futebol negros, cantos preconceituosos da arquibancada, jogadores brancos recusando apertos de mão a adversários de cor – o racismo continua ocorrendo no futebol internacional, desafiando todos os esforços e campanhas publicitárias. "O problema ainda está lá, temos que fazer mais", disse Gerald Asamoah no Global Media Forum 2018. Como integrante da seleção e profissional de clubes, entre eles o Schalke 04, ele teve que ouvir torcedores gritando como macacos e cantos racistas, hoje ele luta contra a discriminação no futebol. "Não há nada pior do que ser marginalizado, a dor de não fazer parte do grupo. Eu tenho três filhos e é por isso que faço tudo para garantir que eles não tenham que passar pela mesma coisa que eu."

O problema é que só alguns lutam com tanta convicção pelo óbvio direito de igualdade de condições no futebol. E, assim, a Copa do Mundo na Rússia novamente experimentou casos de discriminação: o brasileiro de pele escura Fernandinho recebeu ameaça de morte e ofensas racistas por seu gol contra na partida das quartas-de-final contra a Bélgica. E o sueco Jimmy Durmaz foi ofendido como "terrorista suicida” nas mídias sociais após sua falta sobre o alemão Timo Werner (que resultou numa cobrança em que Toni Kroos marcou o gol da vitória alemã) e também ameaçado de morte.

Isso deixa uma impressão: quando uma equipe etnicamente mesclada é bem-sucedida e consegue ser campeã, jogadores negros, como Kylian Mbappé e Paul Pogba, são também estrelas cujas camisas se tornam sucessos de venda. Mas se uma equipe fracassa e é eliminada, velhos reflexos racistas vêm à tona entre alguns torcedores: jogadores que vêm de famílias de imigrantes, se tornam mais rapidamente alvo de críticas e até mesmo de ameaças de morte. E isso ocorre em 2018. É um escândalo muito maior do que a eliminação prematura de um campeão mundial.

* Joscha Weber é editor-chefe da Editoria de Esportes online da DW 



Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.


Investimentos registram captação de R$ 46 bi no primeiro trimestre

O segmento de fundos de investimentos fechou o primeiro trimestre de 2022 com absorção líquida de R$ 46,1 bilhões, movimentação de 56,9% menor do que o observado no mesmo período de 2021.


Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.


Uma carta à Elon Musk

O homem mais rico do mundo, Elon Musk, acaba de chegar a um acordo para adquirir uma das redes sociais mais importantes do mundo, o Twitter, por US$ 44 bilhões.


Liberdade de expressão: lembrança do passado recente

Na manhã do dia 19 de agosto de 1968, tropas da polícia e do Exército invadiram a Universidade de Brasília, agredindo violentamente vários estudantes dentro das salas de aula.


Mitos sobre a recuperação judicial

Criou-se uma verdadeira quimera quando o tema é recuperação judicial e o objetivo deste artigo é desmistificar alguns dos mitos sobre esse instituto.


Quem vive em união estável tem direito à pensão por morte?

A pensão por morte é um benefício do INSS destinado aos dependentes de um segurado quando o instituidor faleceu.