Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Reação do mercado à superquarta ainda pede canja de galinha

Reação do mercado à superquarta ainda pede canja de galinha

14/09/2017 REAG Investimentos

É possível que estejamos vivendo apenas o último suspiro do morto?

Reação do mercado à superquarta ainda pede canja de galinha

 A chamada "superquarta", jornada de acontecimentos relevantes que aconteceu ontem (quarta-feira, 13 de setembro) nos cenários político, jurídico e policial da capital federal, Curitiba e Porto Alegre parece que nem fez cosquinhas no mercado financeiro e, muito pelo contrário, atiçou o apetite dos investidores.

A bolsa de valores bateu recorde e as cotações do dólar, em baixa, sugerem, pelo menos, que os humores estão melhorando. Estavam em jogo eventos que afetam os destinos do presidente Michel Temer (PMDB) e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e do ex-ministro José Dirceu (PT), além de novos capítulos da novela Joesley Batista (dono da J&S), das regras para as eleições de 2018 e até as normas para o novo Refis. Embora o lamaçal no campo político-empresarial-policial não pare de transbordar, a economia anseia respirar novos ares.

O Índice Bovespa teve nesta quarta-feira, 13, sua terceira alta consecutiva e renovou seu recorde histórico ao marcar 74.787,56 pontos, com ganho de 0,33%. As ordens de compra continuaram a ser motivadas por fatores relacionados à recuperação da economia e à expectativa de avanço da reforma da Previdência.

Destacamos ainda um tom positivo que pairava nos ares do mercado em relação à expectativa de que o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, seja candidato a presidente nas eleições de 2018. O dólar, por sua vez, operou em alta praticamente todo o dia, com ganho de 0,35% (mercado à vista), aos R$ 3,1385, seguindo o comportamento da divisa no exterior e em continuidade à perspectiva de fortalecimento da equipe econômica.

A força maior veio do exterior depois que o presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Paul Ryan, disse que a apresentação do projeto de reforma tributária deve ocorrer em 25 de setembro. No mercado futuro, o dólar para outubro subiu 0,32%, aos R$ 3,1415.

Na avaliação da REAG, os agentes econômicos interpretam os percalços no campo político-policial como cada vez menor a probabilidade de o presidente Temer ter seu mandato encurtado, e assim cada vez maior a as chances de encaminhamento das reformas no Congresso. Todos já caíram na real e agora têm certeza de que não teremos a desejada e necessária Reforma da Previdência, por exemplo, mas pelo menos acreditam que ocorrerão alguns ajustes capazes de retardar o que poderia ser um eventual colapso das contas públicas com efeitos evidentemente devastadores.

Isso não quer dizer que a economia e o mercado financeiro se descolaram efetivamente do imbróglio político-policial. Política e economia andam sempre de mãos dadas. Ou seja, é impossível haver esse tipo de descolamento na vida rela, mas é admissível um certo distanciamento, mesmo que temporário em relação aos incômodos que, infelizmente, continuam ocupando as manchetes no noticiário policial.

Além disso, a menor probabilidade de um impeachment de Temer tem como pano de fundo a inflação e os juros em queda, além dos sinais benignos de que o consumo doméstico começa a reagir. Expectativas e confiança com viés positivo são fundamentais para a retomada da economia, mas de qualquer forma recomendamos muita prudência porque ainda não é possível projetar assertivamente a consistência, resistência e durabilidade de todo esse lamaçal.

É possível que estejamos vivendo apenas o último suspiro do morto? Sim, é possível, mas pouco provável. Contudo cautela e canja de galinha, como dizia a minha vó, não fazem mal a ninguém. Dizemos isso porque os desejados processos efetivamente transformadores no campo da economia estão sempre condicionados à concretização das reformas estruturais, seja ela tributária, trabalhista, política ou previdenciária, capazes de devolver um nível de confiança mínimo e confortável aos investidores.



Bolsa vs Startups. Porque não os dois?

Vivemos um momento de grandes inovações e com os investimentos não é diferente.


Os pecados capitais da liderança

“Manda quem pode, obedece quem tem juízo.”


“Pensar Global, Agir local”: O poder do consumo consciente

A expressão “Pensar Global e Agir local” já é lema em muitas esferas de discussões políticas, econômicas, sobre sustentabilidade e solidariedade.


Vencido o primeiro desafio da LGPD

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) regulamenta o tratamento de dados de pessoas físicas nas suas mais variadas aplicações e ambientes.


Telemedicina, fortalecimento do SUS e um primeiro balanço da pandemia

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, alertou Camões. Todo o mundo é feito de mudanças.


Médico: uma profissão de risco

Estudar medicina é o sonho de muito estudantes, desde o cursinho o futuro médico se dedica a estudar para conseguir entrar no super concorrido curso de medicina.


Como a quarentena provocou o êxodo urbano para cidades que oferecem mais qualidade de vida

A pandemia e as medidas de isolamento social fizeram com que as pessoas precisassem adaptar a rotina de trabalho, estudos, lazer e até de saúde, trazendo estas atividades para dentro de casa.


A era do fogo chegou

Pantanal, um dos biomas com maior biodiversidade do mundo, já teve 16% de todo território queimando.


Autoconhecimento: uma regra de ouro da vida

Há quem os critique, há quem os ame; eles já me resgataram do fundo poço e lhes sou grata: os livros de autoajuda.


Você tem curso universitário?

Naquela macia manhã de domingo, fui com meu pai, à missa, na igreja de Santíssima Trindade.


Voto é interesse. Não é direito, nem dever…

A partir desta quarta-feira (16), os mais de 5600 municípios brasileiros já conhecem os homens e mulheres que pretendem governá-los ou ser vereadores entre 01/01/2021 e 31/12/2025.


7 tendências em Analytics que estão mudando a área financeira

Segundo a consultoria McKinsey, mais de 90% dos 50 principais bancos do mundo utilizam, de forma avançada, a tecnologia de análise de dados, também conhecida como Analytics.