Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Recomeço? Primeiro, o porquê

Recomeço? Primeiro, o porquê

23/02/2021 Ju Ferreira

Existe um texto - às vezes atribuído ao Carlos Drummond de Andrade, embora não seja de sua autoria - que corre na internet há bastante tempo. Diz assim:

O Tempo

"Quem teve a ideia de cortar o tempo em fatias,
a que se deu o nome de ano,
foi um indivíduo genial.

Industrializou a esperança,
fazendo-a funcionar no limite da exaustão.

Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar
e entregar os pontos.

Aí entra o milagre da renovação
e tudo começa outra vez, com outro número
e outra vontade de acreditar
que daqui para diante tudo vai ser diferente. (…)"

A verdade é que é isso mesmo que nos acontece (a todos nós) na transição de cada ano.

Quando entramos em dezembro, já exaustos e frustrados por tudo aquilo que não realizamos até ali, passamos a ansiar o novo ano, as novas metas, a página em branco para podermos escrever tudo aquilo que desejamos.

A renovação da esperança é essencial para o bom funcionamento da nossa vida em sociedade.

Acontece que muitas vezes nesse novo ciclo nos propomos a muitas coisas, fazemos mil e uma resoluções e promessas - seja na área que for, da saúde à carreira, nos prometemos que esse ano faremos diferente para conseguir os resultados que desejamos - só para nos decepcionarmos pouco tempo depois, pela dificuldade da tarefa à nossa frente…

E, claro, os gurus do empreendedorismo e do desenvolvimento pessoal dirão que o problema é nossa falta de foco ou de produtividade e nos indicarão uma porção de livros, cursos e programas para que melhoremos nossa performance. Mas eu tenho outra sugestão: que cada um de nós comece pelo nosso porquê.

O escritor e palestrante Simon Sinek, autor do livro "Comece pelo porquê", explica qual o benefício de se fazer esse processo: nós nos conectamos com o motivo para se fazer algo e não com a atividade em si.

Ele criou uma ferramenta, que chamou de Golden Circle (ou Círculo Dourado, em português), que consiste em três círculos concêntricos, o mais interno sendo aquele que representa o "porquê"; o do meio, o "como"; e o mais externo, o "o quê".

Toda a explicação do Simon é baseada em empresas e no seu sucesso, mas queria pedir a sua licença para fazer um paralelo com a vida e o planejamento de ações.

Todos nós sabemos "o que" temos que fazer - perder peso, aprender inglês, reduzir a ansiedade - e alguns de nós inclusive sabem "como" fazer isso - fazer exercício três vezes por semana, começar um curso intensivo de conversação, começar a meditar diariamente.

O que quase ninguém pára para pensar e realmente definir é "porque" fazer isso que queremos fazer. Por que é relevante para a sua vida (e o seu ano) perder peso, aprender inglês ou reduzir a sua ansiedade?

E enquanto não sabemos a razão da existência de algo, aquilo não se conecta com a nossa alma, e terminamos por abandonar a tarefa.

Ah, quer dizer então que é só escrever um motivo para fazer cada coisa que queremos fazer, que então o sucesso é garantido?

Não. Não se trata de apenas racionalizar uma explicação, mas sim de entender se (e como) aquela ação tem a ver com o que você acredita.

Não entendeu? Vou usar um exemplo para explicar melhor: vamos supor que desde pequeno você tenha ouvido que falar inglês é importante para ter sucesso.

Por conta disso, todo ano você coloca a linha "aprender inglês pra valer" na sua lista de resoluções. Acontece que você nunca usou o inglês no trabalho e não tem o sonho de morar fora. No fundo, você não acredita genuinamente que você seria mais bem-sucedido se falasse inglês.

Você, na verdade, tem a convicção de que você avançaria na carreira se você conhecesse mais pessoas influentes e assim tivesse mais oportunidades de mostrar suas habilidades profissionais.

Se você tivesse a crença do exemplo acima, você acabaria tendo grandes dificuldades para cumprir sua promessa e se dedicar para aprender a língua.

Essa tarefa simplesmente acabaria por perder prioridade, já que ela não teria real conexão com aquilo que você crê.

Agora, suponhamos que você acreditasse que quem fala inglês é mais inteligente e tem horizontes mais amplos, mesmo que não use o idioma no trabalho.

Ou que você julgasse que quem consegue viajar e se comunicar na língua local é mais feliz. Não pareceria mais fácil aprender inglês com essa crença? Com certeza sim.

Sendo assim, comece hoje. O recomeço do ano já aconteceu, mas pode ser que o seu ainda não.

Ainda é tempo de refletirmos a respeito dos seus porquês, das coisas em que você acredita com paixão; e a partir daí definir suas metas e partir para a ação.

Afinal, como diria Simon Sinek, o sucesso começa com a clareza da motivação - seu porquê - continua com a disciplina da execução - seu como - até chegar à consistência do resultado - seu o quê.

* Ju Ferreira é palestrante e mentora, criadora da metodologia Alquimia Pessoal, executiva de uma empresa de TI há 17 anos.

Para adquirir LIVROS clique aqui…

Fonte: Conecte Comunicação



Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.


Novo salário mínimo em 2022 e o impacto para os trabalhadores autônomos

O valor do salário mínimo em 2022 será de R$ 1.212,00.


2021 – A ironia de mais um ano que ficará marcado na história

Existe um elemento no ano de 2021 que imputou e promoveu uma verdadeira aposta de cancelamentos e desejos para que ele seja mais um ano apagado da memória de milhares de pessoas: A pandemia, que promoveu o desaparecimento definitivo de milhares de pessoas.


Negócios do futuro: por que investir em empreendedorismo no setor financeiro

Você sabia que 60% dos jovens de até 30 anos sonham em empreender?


A importância de formar talentos

Um dos maiores desafios das empresas tem sido encontrar talentos com habilidades desenvolvidas e preparados para contribuir com a estratégia da empresa.


Sustentabilidade em ‘data center’: setor se molda para atender a novas necessidades

Mesmo que a sustentabilidade ainda seja um tema relativamente novo no segmento de data center, ele tem se tornado cada vez mais necessário para as empresas que querem agregar valor ao seu negócio.


Tendência de restruturações financeiras e recuperações judiciais para o próximo ano

A expectativa para o próximo ano é de aumento grande no número de recuperações judiciais e restruturações financeiras, comparativamente, aos anos de 2021 e 2020.