Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Reféns da pátria deseducadora

Reféns da pátria deseducadora

22/07/2016 Antonio Carbonari Netto

O problema chega à universidade, na qual as lacunas no aprendizado prejudicam numerosos alunos.

Com três milhões de alunos, entre quatro e 17 anos, fora das escolas, o Brasil dificilmente cumprirá a meta do Plano Nacional de Educação (PNE), definido na Lei nº 13.005/2014, cujo prazo expira este ano, de universalizar o ensino nessa faixa etária, conforme determina a Constituição.

Como já não cumpriu o anterior PNE (2001/2011), o problema, ao lado da caótica situação da saúde, é o mais grave dentre os casos de desrespeito à Carta Magna, pois tem impacto direto no futuro da infância e da juventude. O recém-divulgado Censo Escolar de 2015, ao revelar tais estatísticas, desmascara o mito do “ensino para todos” e da “Pátria Educadora”, tema recorrente das campanhas eleitorais.

Analisando-se os dados, verifica-se que, dentre as causas da queda do número de alunos no ano passado em relação ao anterior, não está apenas a diminuição populacional de crianças e adolescentes, mas também o déficit de matrículas e o abandono dos estudos.

A situação é mais grave na Educação Infantil, na qual há 690 mil alunos potenciais não atendidos, e no Ensino Médio, no qual 932 mil estudantes deixaram os estudos. Isso mostra haver uma grande distância entre a realidade e o discurso de que “existem vagas para todos” nas redes públicas. Não basta construir escolas.

É preciso propiciar boa formação e remunerar bem os professores, qualificar os conteúdos e métodos e oferecer condições que estimulem a matrícula e a frequência, como uma boa e nutritiva merenda, por exemplo. A quantidade de crianças fora da Educação Infantil é um desafio para os prefeitos que serão eleitos ou reeleitos nas eleições deste ano, considerando que essa etapa escolar é fortemente atrelada à atribuição das prefeituras (senhores prefeitos, lembrem-se das escoas de tempo integral).

Os governos estaduais devem olhar com mais atenção para a evasão acentuada no Ensino Médio, sob sua responsabilidade. À União, conforme consta na Lei de Diretrizes e Bases, compete, dentre outros compromissos, prestar assistência técnica e financeira às demais unidades federativas para o atendimento prioritário à escolaridade obrigatória.

Se levarmos em conta, além do elevado número de crianças e adolescentes fora das salas de aula, a questão da má qualidade da Educação Infantil, do Ensino Fundamental e do Médio, veremos que o País relega o setor a segundo plano.

Tal negligência tem um alto e amargo preço, pois adia o nosso desenvolvimento e a ascensão ao patamar de economia de renda elevada. Sem escolas boas para todos, não há qualquer chance de darmos esse salto histórico. A precariedade da Educação Infantil reflete-se em toda a vida escolar, pois gera déficit de aprendizado que se acumula no Ensino Fundamental e no Médio, agravado pela qualidade baixa em todas as etapas e pela evasão.

O problema chega à universidade, na qual as lacunas no aprendizado prejudicam numerosos alunos. Foi por isso que, como gestor de instituições privadas de Ensino Superior, implantei modelo no qual, no início dos cursos, resgata-se o conhecimento básico perdido ou mal assimilado nas fases anteriores.

Mesmo em meio à grave crise político-econômica enfrentada pelo Brasil, cujas causas são péssimos exemplos para a juventude, a melhoria radical da qualidade da Educação Básica não deve mais ser adiada. Nossas crianças e jovens não podem continuar reféns da paralisia do Estado e de promessas eleitorais descumpridas.

* Antonio Carbonari Netto é matemático pela PUC-Campinas, MBA em Gestão Universitária e Mestre em Administração, Educação e Comunicação pela Universidade São Marcos.



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa